COTIDIANO / Terça, 28 Junho 2022 14:08

Em 2021, 8 em cada 10 pessoas mortas pela polícia foram negras

Ao longo de 2021, foram 6.145 mortes por intervenção da polícia, 2,9 mortes para cada 100 mil habitantes; 84,1% dos mortos eram pessoas negras

Texto: Juca Guimarães I Edição: Elias Santana Malê I Imagem: José Cruz/Agência Brasil

Armas de fogo utilizadas pela polícia expostas em mesa
Introdução:

Ao longo de 2021, foram 6.145 mortes por intervenção da polícia, 2,9 mortes para cada 100 mil habitantes; 84,1% dos mortos eram pessoas negras

Autor:

Texto: Juca Guimarães I Edição: Elias Santana Malê I Imagem: José Cruz/Agência Brasil

A dimensão da letalidade policial no Brasil, que tirou a vida de 6.145 pessoas em 2021, é uma das informações que constam no 16º Anuário de Segurança Pública. Elaborado por pesquisadores do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, a publicação reúne e compara os dados oficiais disponíveis sobre violência.

Do total de pessoas mortas por agentes de Segurança Pública, 84,1% eram negras e 15,8% eram brancas. O total de 6.145 mortes por intervenção da polícia em 2021 representa uma queda de 4,9% frente às 6.413 mortes em 2020.

“Fica claro que sem políticas públicas de combate direto a essas violências e seus recortes interseccionais, em especial de classe e de raça, os corpos negros estarão mais sujeitos a essas violências. Em uma realidade de desmonte dos serviços da rede de enfrentamento, precisamos responsabilizar o Estado por essa realidade”, afirma Simone Nascimento, da coordenação estadual de São Paulo do Movimento Negro Unificado (MNU).

A taxa de mortes provocadas por agentes da polícia, por grupo de 100 mil habitantes, caiu de 3 (em 2020) para 2,9 (em 2021). Na população em geral, a taxa de mortes violentas intencionais, por 100 mil habitantes, ficou em 22,3 no ano passado. O anuário também apresenta dados sobre o total de agentes mortos. Houve uma queda de 12%, foram 222 em 2020 e 190 em 2021.

“Me pergunto quanto ainda é preciso para que a produção desses dados implique em políticas destinadas à proteção das reais vítimas do descaso, da violência e da morte nesse país?”, questiona Roberta Eugênio, mestre em Direito e co-diretora do Instituto Alziras.

No estado de São Paulo, em 2021, a queda nos registros oficiais de mortes provocadas por policiais foi de 30,5% em relação a 2020, caindo de 814 para 570 mortes. Os policiais militares em serviço mataram 659 pessoas em 2021 e 423 pessoas no ano anterior, o que representa, respectivamente, 80,9% e 74,2%, de todas as mortes por conta de intervenção policial no estado. Em comparação, no Mato Grosso do Sul, em 2021, houve um aumento de 107,3% nos números absolutos de mortes por policiais em relação a 2020, saltou de 20 para 44 mortos. O estado com a maior taxa de mortes por agentes da polícia é o Amapá, com 17,1 mortos para cada 100 mil habitantes.

Violência contra negros

As análises dos crimes violentos contra a vida cometidos no ano passado, novamente, dão conta como o fator racial se destaca no perfil das vítimas. Do total de homicídios dolosos (com a intenção de matar), 77,6% das vítimas eram negras e 22% brancas; 67,6% das vítimas de latrocínio eram negras e 32% brancas; 68,7% das vítimas de lesão corporal seguida de morte eram negras e 31% brancas.

“É escandalosa a forma como o Brasil lida com aquelas pessoas que abrem e fecham as lojas, os hospitais e as escolas. Com aquelas que não pararam nem diante da pandemia, por ausência de políticas públicas. E é exatamente neste ponto que reside um dos nossos desafios. Os verbos são acolher e ocupar. Pois só conseguiremos contornar este quadro a partir de mais mulheres negras produzindo política em todos os parlamentos desse país”, reitera Roberta Eugênio.

Leia também: Brasil tem sete estupros por hora; mulheres negras são as principais vítimas

 Apoie jornalismo preto e livre!

 O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de   financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

 Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos   equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

 O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

 Acesse aqui e apoie a Alma Preta Jornalismo

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

VÍDEOS

novageracaoskate.jpg
temclimapraisso8.jpg
flagrapmbahia.jpg
anasanches7.jpg