COTIDIANO / Quinta, 12 Mai 2022 08:37

Caso Gamboa: inquérito aponta que ao menos um dos jovens foi executado

Segundo a conclusão, os quatro policiais envolvidos no caso agiram com desproporcionalidade do uso da força; a investigação da Corregedoria da PM recomenda a abertura de processo administrativo contra os agentes

Texto: Dindara Ribeiro | Edição: Nadine Nascimento | Foto: Dindara Ribeiro/Alma Preta Jornalismo

Imagem enquadra cartazes com fotografias de três jovens negros
Introdução:

Segundo a conclusão, os quatro policiais envolvidos no caso agiram com desproporcionalidade do uso da força; a investigação da Corregedoria da PM recomenda a abertura de processo administrativo contra os agentes

Autor:

Texto: Dindara Ribeiro | Edição: Nadine Nascimento | Foto: Dindara Ribeiro/Alma Preta Jornalismo

A Corregedoria da Polícia Militar aponta que ao menos um dos três jovens negros mortos por policiais militares na comunidade da Gamboa na madrugada da terça-feira, 1º de março, em Salvador, foi executado.

O inquérito policial foi concluído na semana passada e a Alma Preta Jornalismo teve acesso exclusivo a detalhes do processo, que segue sob sigilo e ainda será analisado pelo Ministério Público da Bahia (MP-BA).

Conforme o inquérito, o laudo cadavérico de Cléverson Guimarães, uma das vítimas, aponta que ele morreu com um tiro disparado de cima para baixo. Antes do disparo, ele já tinha sido atingido por uma bala. Conforme a Corregedoria, Cléverson tinha vários registros de antecedentes criminais. A investigação também aponta o fato de Cléverson ter sido torturado por policiais um ano antes da morte, caso confirmado por meio de Boletim de Ocorrência, registrado no dia 16 de março do ano passado.

cleverson guimaraesLaudo cadavérico aponta que Cléverson Guimarães foi morto por um tiro disparado de cima para baixo | Foto: Reprodução/Redes sociais

No dia do fato, Cléverson foi torturado por quase três horas e ficou em poder dos policiais até a noite do dia seguinte, quando foi apresentado em uma central de flagrantes à distância de 25 quilômetros de uma unidade policial mais próxima da região onde morava. Após um dia preso, ele foi solto.

A Corregedoria compreendeu que também “há uma série de indícios de que as mortes não foram justificadas" na operação em Gamboa.

A investigação da Corregedoria revela uma desproporcionalidade do uso da força por parte dos quatro policiais, que estavam em maior número de pessoas e de armas - e equipados com submetralhadoras e pistolas de calibre 40, em "perfeito estado de funcionamento no momento da realização das condutas investigadas", segundo afirma o inquérito.

Além disso, duas das três armas apontadas como as que foram encontradas com as vítimas na Gamboa apresentavam dificuldade de manuseio para ser utilizada durante um confronto.

O inquérito cita que o revólver apresentava desajuste no mecanismo interno da arma e danos na parte externa, o que só possibilitaria disparos em ação simples.

A outra arma, uma pistola de calibre 40 estava com a trava do percussor inoperante e sem a mola do tirante do gatilho, "prejudicando a produção de disparo", o que só era possível "mediante a retenção manual do tirante do gatilho", segundo cita o inquérito. Apenas uma arma apresentava pleno funcionamento.

Com isso, a Corregedoria da PM, em conjunto com a Corregedoria Geral da Secretaria de Segurança Pública, recomendou a abertura de processo administrativo contra os quatro policiais envolvidos nas mortes de Patrick Sapucaia, de 16 anos, Cléverson Guimarães, de 22 anos e Alexandre dos Santos, de 20 anos. A reportagem não teve acesso aos nomes dos PMs envolvidos.

Em nota, o Ministério Público da Bahia informou que “tem procedimento de notícia de fato instaurado em andamento no Núcleo do Júri (NUJ) para acompanhar as investigações sobre o caso”. Disse também que “assim que o inquérito for recebido pelo MP, ele será analisado para a tomada das medidas cabíveis”.

Leia também: Capital de SP registra uma denúncia de violência racial a cada quatro dias

 Apoie jornalismo preto e livre!

 O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de   financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

 Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos   equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

 O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

 Acesse aqui e apoie a Alma Preta Jornalismo

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

VÍDEOS

memorialdasbaianas.jpg
izabelasantos02.jpg
racismoambientaltv01.jpg
iluoba.jpg