COTIDIANO / Quarta, 29 Dezembro 2021 15:11

Baiana cria campanha para fazer mestrado em SP: 'Cheia de medo, mas com o coração aberto'

Formada em turismo, Joice dos Santos passou em mestrado na Unicamp, uma das melhores universidades da América Latina, em Campinas (SP). Desempregada, a turismóloga tem se sustentado com serviços temporários e agora busca uma oportunidade para investir na carreira 

Texto: Dindara Ribeiro | Edição: Nataly Simões | Foto: Reprodução/Instagram/@joicesantos_

Joice é uma mulher negra. Na imagem, ela aparece de frente, usa tranças vermelhas e dois brincos dourados. O fundo da imagem é colorido, com cores mescladas em vermelho, laranja, amarelo, azul, verde, branco e preto
Introdução:

Formada em turismo, Joice dos Santos passou em mestrado na Unicamp, uma das melhores universidades da América Latina, em Campinas (SP). Desempregada, a turismóloga tem se sustentado com serviços temporários e agora busca uma oportunidade para investir na carreira 

Autor:

Texto: Dindara Ribeiro | Edição: Nataly Simões | Foto: Reprodução/Instagram/@joicesantos_

Em busca de transformar sua condição de vida através da educação, a turismóloga baiana Joice dos Santos tem trilhado caminhos para conquistar um dos seus maiores sonhos: cursar mestrado em uma das melhores universidades da América Latina, a Unicamp, localizada em Campinas, no interior de São Paulo. No entanto, diante do desemprego e da falta de condições financeiras, Joice tem mobilizado uma campanha na internet para arrecadar recursos de deslocamento, alimentação e moradia na cidade até se estabelecer com uma bolsa de estudos na Universidade.

Em entrevista à Alma Preta Jornalismo, Joice dos Santos contou que viu a sua vida virar de cabeça para baixo após o falecimento da mãe, em 2017, quando passou a morar sozinha, na periferia da Boca do Rio, em Salvador. Formada em turismo e hotelaria, ela atuou por nove anos no setor de hotéis, mas perdeu o emprego com a chegada da pandemia e passou a realizar serviços temporários para conseguir pagar as contas e se manter.

Diante do turbilhão de acontecimentos na sua vida, foi o estímulo de uma professora que a fez enxergar no mestrado a oportunidade de investir na sua carreira e ampliar as suas vivências e questionamentos como mulher negra dentro dos espaços de conhecimento. Joice passou em duas universidades: Universidade de São Paulo (USP) e Unicamp, instituição que ela escolheu para cursar.

"Comecei a refletir sobre ser uma mulher negra, profissional de turismo e como tudo que estava acontecendo se conectava, então escrevi um artigo em conjunto com a professora sobre a invisibilidade da mulher negra viajante, o que me levou a desenvolver o projeto e posteriormente me inscrever no mestrado", conta Joice.

Com a campanha "Passei no mestrado e agora?", Joice busca a oportunidade de morar em Campinas. A meta da campanha é de R$ 10 mil e a quantia vai ajudar nas despesas de aluguel, alimentação entre outros até ela conseguir uma bolsa de estudos para se manter. Até o momento, o valor já se aproxima de R$ 4 mil e conta com 39 apoiadores.

"Passar no mestrado por muito tempo parecia algo distante, que não era para mim. De alguma forma a estrutura social faz com que nós pessoas pretas não acreditemos em nosso potencial e que determinados espaços não é para nós. Quando vi o resultado aprovado e nas duas melhores universidade do Brasil, USP E UNICAMP, tive uma crise de choro, fiquei horas chorando, não entendia o que aquilo significava, era uma mistura de medo, alegria, euforia, mil sentimentos e pensava o tempo todo na minha mãe", diz a turismóloga.

Além da campanha virtual, Joice dos Santos também criou uma conta exclusiva para arrecadar qualquer quantia através de PIX. Para além do suporte financeiro, Joice também conta com apoio de divulgação e de indicações de moradia para ela e a cadelinha Mirabel, a quem carinhosamente chama de Mira.

"No momento tô focando no presente, iniciar o mestrado, na mudança de Salvador para Campinas. Eu vou cheia de medo mas de coração aberto para aproveitar o máximo de conhecimento e experiências", completa.

Para colaborar, basta acessar o link da campanha aqui e fazer a sua contribuição. Na página também é possível ver a quantia arrecadada e a quantidade de apoiadores da campanha. As arrecadações também são feitas pelo PIX 033.464.315.50.

Leia também: Plataforma quer mapear críticos cinematográficos negros no Brasil

 Apoie jornalismo preto e livre!

 O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de   financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

 Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos   equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

 O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

 Acesse aqui e apoie a Alma Preta Jornalismo

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

VÍDEOS

devassashow.jpg
manifestantesmarchamnacn.jpg
oqueeconsciencianegra.jpg
feminismonegro.jpg