COTIDIANO / Domingo, 07 Agosto 2022 15:25

Ausência de dados é uma barreira para a cobertura sobre raça no Brasil

Durante a edição presencial do Congresso da Abraji, jornalistas contaram suas experiências cobrindo a pauta racial no Brasil e a dificuldade de encontrar informações detalhadas sobre o assunto no país

Texto: Fernanda Rosário | Edição: Nadine Nascimento | Imagem: Alma Preta Jornalismo

Imagem dos jornalistas durante palestra no Congresso da Abraji.
Introdução:

Durante a edição presencial do Congresso da Abraji, jornalistas contaram suas experiências cobrindo a pauta racial no Brasil e a dificuldade de encontrar informações detalhadas sobre o assunto no país

Autor:

Texto: Fernanda Rosário | Edição: Nadine Nascimento | Imagem: Alma Preta Jornalismo

“O Brasil não produz muitos dados e os dados que produz não são com a qualidade devida. Então, muitos estados não elaboram estatísticas relacionadas, por exemplo, aos homicídios e que tenha a informação de raça”. Este é o relato da jornalista investigativa Cecília Olliveira, diretora da Abraji (Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo), para a Alma Preta Jornalismo sobre a ausência de dados relacionados à questão racial no Brasil.

Durante o 17° Congresso Internacional de Jornalismo Investigativo, que se encerrou neste domingo (7), o jornalismo investigativo e de dados foram discussões centrais das mesas e painéis compostos por profissionais de diversos veículos. Segundo as experiências relatadas, há um desafio ao se cobrir os temas que atravessam a população negra pela dificuldade de se encontrar dados - ou por sua não publicização.

Ainda de acordo com a diretora da Abraji, dentro da temática de segurança pública, há estados que não produzem dados sobre letalidade policial e homicídios cometidos em decorrência de atividade policial.

“Assim, não tem como a gente produzir políticas públicas eficientes sem os dados que poderiam embasar essas políticas”, destaca.

A jornalista foi uma das participantes da mesa “Os efeitos da cobertura de violência racial na rotina de repórteres negros”, em que também esteve presente Lola Ferreira, repórter do UOL e com passagem na organização Gênero e Número.

De acordo com Lola Ferreira, quando se fala em segurança pública, há uma dificuldade de se encontrar mais informações e dados, porque não é muito do interesse dos órgãos oficiais relacionados divulgar determinadas informações.

“Eles não colocam de forma tão fácil, eles não dizem o perfil daquela pessoa, por exemplo, que foi morta numa ação de violência policial. Então a gente tem que buscar os meios para descobrir. Quando a gente fala de saúde, era para todos os dados terem dados cor/raça, mas ainda é um caso que entra muito como não preenchido”, relata Lola à Alma Preta Jornalismo.

Segundo ela, as pessoas ainda não entenderam a importância de se ter dados categorizados e com uma boa qualidade. “Quando a gente consegue mapear, por exemplo, que a maioria das vítimas de estupro são mulheres negras, a gente busca entender e colocar isso em um contexto mais social, de como a mulher negra é vista, mas as pessoas em geral não acham isso importante. Então desconsideram”, pontua a repórter do UOL.

No mesmo sentido, Gil Luiz Mendes, repórter da Ponte Jornalismo, também concorda que há ausência de informações raciais sobre a população negra.

Gil Ponte Jornalismo

Gil Luiz Mendes ao centro | Crédito: Fernanda Rosário/ Alma Preta Jornalismo

“Uma pauta que a gente fez chama-se 'Morte sem cor', porque a polícia dá como indefinido a cor das pessoas negras, principalmente quando cai na questão racial, em que a polícia não quer ser apontada de racista. Então os dados em relação a raça, principalmente em São Paulo, nesse recorte que a gente fez, é bem falho mesmo”, ressalta o jornalista.

Não publicização dos dados 

A jornalista de dados na TV Globo Ana Carolina Moreno também esteve durante o Congresso da Abraji e pontuou que enfrenta dificuldades de encontrar informações raciais em bases de dados sobre educação. De acordo com ela, este ano o Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira) retirou os microdados do ar por um entendimento de que poderia haver um cruzamento de informações e levar à identificação de pessoas.

“São dados anonimizados, então, em tese, eles não estão submetidos à Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais, mas mesmo assim o Inep diz que daria pra fazer algum cruzamento. Então com essa alegação, em vez de talvez divulgar microdados só que sem todas as informações, eles retiraram a divulgação desses microdados”, explica.

De acordo com ela, da forma como os dados eram disponibilizados antes era possível fazer matérias, por exemplo, mostrando a formação dos professores segunda a raça para mostrar se professores negros tinham uma formação mais precária que a de educadores brancos. Também não é possível fazer matéria detalhando o perfil racial dos estudantes da educação básica.

“A gente usava muito esses dados para mostrar a desigualdade racial na educação. As bases educacionais eram um exemplo para o Brasil inteiro e agora houve um retrocesso enorme”, conta a jornalista de dados, que menciona outras dificuldades já enfrentada anteriormente, como problemas nas autodeclarações motivadas por estigma, por exemplo.

Leia mais: Mídias negras e periféricas relatam suas experiências no Congresso da Abraji

Como enfrentar essa realidade?

A diretora da Abraji Cecília Olliveira conta que para enfrentar essa situação criou o Fogo Cruzado, que nasceu em 2016 para mapear tiroteios no Rio de Janeiro e usa a tecnologia para produzir e divulgar dados abertos e colaborativos sobre violência armada.

“A gente produz algumas informações relativas à violência armada especificamente, mas a gente também encontra dificuldades em levantar informações sobre raça, porque as nossas informações são colaborativas. Então a gente pega, por exemplo, informação da imprensa que não vem com esse dado, informação das polícias que não vem com esses dados, então também encontramos essa dificuldade”, relata Cecília.

A repórter do UOL Lola Ferreira também conta que para lidar com casos em que dados específicos não são encontrados, ela trabalha com documentos, entra em contato com a família e entende o contexto do ocorrido.

“Falando de saúde, quando a gente não encontra dados, a gente tenta levantar personagens que se encaixam naquilo. A gente tenta trazer especialistas que se debruçam sobre aquilo na pesquisa universitária para contextualizar aquela informação dentro de um panorama racial”, pontua.

“Na pauta de segurança, é mais uma investigação de ir atrás dos documentos, de ouvir as pessoas. Se, felizmente, não for uma ação que terminou em morte, ouvir a própria vítima, porque muitas vezes a violência policial, quando é marcada por questões de raça, tem muito isso de ouvir”, complementa Lola Ferreira.

A jornalista de dados Ana Carolina Morena ressalta que também faz matérias questionando a ausência dos dados.

“Os microdados do Enem também vieram com menos informações. A gente espera que os dados do Censo Superior também sigam esse mesmo problema e que isso só deva ser resolvido com entendimentos jurídicos muito claros e concretos de que dá para divulgar essas informações ou por meio de guias e manuais de como divulgar as informações anonimizadas para garantir a proteção dos dados pessoais e também garantir informações para a sociedade”, acrescenta.

Na mesa sobre “A cobertura da pauta trans no Brasil”, durante o Congresso da Abraji, o jornalista Caê Vasconcelos, autor do livro Transresistência, pontua que há também uma ausência de dados sobre a população trans no país e que essa também é uma informação relevante para produções jornalísticas. É raro ver fontes oficiais dando dados sobre a população trans, sobretudo com um recorte racial.

Cobertura da pauta trans

Mesa sobre a cobertura da pauta trans no Brasil | Crédito: Fernanda Rosário/ Alma Preta Jornalismo

“Tem que valorizar os dados da Antra (Associação Nacional de Travestis e Transexuais). É a Bruna Benevides, uma pessoa, que faz tudo isso. A gente tem os dados porque a Bruna para o tempo dela e ela não recebe para isso. Imagina se o Estado olhasse para esses dados? A gente precisa que o IBGE traga quantas pessoas trans existem no Brasil”, explica.

“Se sai qualquer documento sobre segurança pública, tem que ter os dados sobre a população trans e tem que ter o recorte racial, que, como muito bem a Antra traz, historicamente mais de 80% dos assassinatos são de mulheres trans e travestis negras. Então quando a gente está falando sobre uma luta contra a transfobia, tem que ser uma luta contra o racismo. Sem esses dados a gente vai continuar sem conseguir falar de políticas públicas”, acrescenta Caê Vasconcelos.

Para o jornalista Gil Luiz Mendes, o próprio poder público tem que buscar fiscalizar a produção de dados. “O Ministério Público fiscalizar a polícia, mas também fiscalizar todo o processo do sistema de segurança, cobrar por exemplo alguma lei e determinação que fosse obrigatório produzir dados claros”, finaliza.

Leia também: Alma Preta é a primeira mídia negra com um estande no Congresso da Abraji

 Apoie jornalismo preto e livre!

 O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de   financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

 Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos   equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

 O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

 Acesse aqui e apoie a Alma Preta Jornalismo

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

VÍDEOS

devassashow.jpg
manifestantesmarchamnacn.jpg
oqueeconsciencianegra.jpg
feminismonegro.jpg