COTIDIANO / Quarta, 13 Abril 2022 17:36

Apenas 14% das empresas têm esforços efetivos para serem mais diversas

Um estudo feito pela consultoria de recursos humanos Korn Ferry ouviu o que 250 empresas brasileiras têm feito para melhorar a diversidade, equidade e inclusão

Texto: Redação | Imagem: Safira Moreira/Olabi

Imagem mostra uma mulher negra em um ambiente corporativo digitando em um notebook.
Introdução:

Um estudo feito pela consultoria de recursos humanos Korn Ferry ouviu o que 250 empresas brasileiras têm feito para melhorar a diversidade, equidade e inclusão

Autor:

Texto: Redação | Imagem: Safira Moreira/Olabi

Os últimos dois anos transformaram o tema de diversidade e inclusão ao redor do mundo e as empresas se viram diante da necessidade de, não só abordar o assunto, como realmente levar isso para dentro de suas realidades.

Um estudo feito pela consultoria de recursos humanos Korn Ferry com 250 empresas brasileiras identificou que 85% das companhias aceleraram seus investimentos em diversidade, equidade e inclusão entre 2020 e 2021, mas apenas 14% tiveram esforços efetivos.

Segundo a pesquisa, os principais desafios para implementar iniciativas de diversidade nas empresas são transformar intenção em iniciativas pragmáticas (69,5%), mudar comportamentos (67,5%), assegurar líderes responsáveis (48,7%), vincular custos e resultados (39,5%) e orçamento (35,5%).

A líder regional de Diversidade, Equidade e Inclusão da Korn Ferry, Cecília Pinzon, destaca que todos os setores das companhias ouvidas apresentaram ações de promoção à diversidade.

"Nos últimos anos um caminho foi percorrido pelas empresas no Brasil, começamos com a implementação de projetos de DE&I que vinham dos Estados Unidos e da Europa, mas agora podemos sentir uma diferença importante", afirma.

O levantamento questionou quais são as principais práticas desenvolvidas para a diversidade. Políticas contra discriminação, bullying e assédio lideram entre as mais citadas(67%), seguidas por cultura de expressão e segurança psicológica (63%), diagnóstico organizacional de diversidade e inclusão (60%) e criação de um conselho/comitê de diversidade (57%).

Para a diretora de Diversidade, Equidade e Inclusão da Korn Ferry, Milene Schiavo, se tratam de ações importantes, mas que precisam de iniciativas estruturais e comportamentais paralelamente.

"As estruturas, sistemas e políticas precisam ser modificadas com uma lente mais inclusiva. Além de criar políticas, comitês e grupos, é preciso atuar em questões estruturais, que são aquelas capazes de realmente mover os indicadores", reforça.

“Ainda não vemos programas muito robustos de desenvolvimento, abertura às diferenças e essas são soluções que ainda precisam avançar mais”, complementa.

Leia também: 61% das vítimas de racismo no trabalho não denunciam por medo

 Apoie jornalismo preto e livre!

 O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de   financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

 Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos   equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

 O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

 Acesse aqui e apoie a Alma Preta Jornalismo

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

VÍDEOS

devassashow.jpg
manifestantesmarchamnacn.jpg
oqueeconsciencianegra.jpg
feminismonegro.jpg