Texto: Syranda / Edição de Imagem: Pedro Borges

Jovens venceram o Prêmio 72h

O projeto, conduzido por jovens que atuam em coletivos e produtoras independentes, enxerga no audiovisual a oportunidade de apresentar uma narrativa raramente presente nos grandes meios de comunicação. A equipe é formada por jovens negros majoritariamente oriundos dos bairros do subúrbio do Rio de Janeiro que acreditam no potencial que o audiovisual possui como ferramenta de transformação social. "Manga com Leite", sonho gestado há algum tempo, preciso do apoio do público para se tornar realidade. A produta Syranda propõe arrecadar financiamento por meio da plataforma Catarse.

siyanda

"Manga com Leite" é uma referência ao mito contado para os escravizados de que misturar manga com leite era danoso à saúde, crença que se perpetua até hoje. ‭A história gira em torno de Diara, uma menina de 8 anos de idade que se encanta pela árvore da casa vizinha. Todos os dias, Diara passa a visitar a árvore, escalando o muro, para colher os frutos e estabelece um vínculo afetivo com a mangueira. O filme faz uso de símbolos e do mito para tratar sobre a busca pela ancestralidade.

Colabore aqui!

Texto: Pedro Borges / Edição de Imagem: Pedro Borges

Show conta com a participação de DJ Will e Akins Kintê

No dia 19 de Novembro, sábado, a partir das 20h30, o grupo de rap de Salvador, Opanijé, se apresenta no Sesc Belenzinho, Rua Padre Adelino, 1000. O show conta com a discotecagem de DJ Will e participação especial do poeta Akins Kintê.

Em 2005, Lázaro Erê (cantor e compositor), Rone Dum-Dum (cantor e compositor), DJ Chiba e Zezé Olukemi (percussão) fundaram o Opanijé com a proposta de cantar Rap com letras que exaltem a cultura negra e a ancestralidade africana. Entre as canções do grupo, destaque para “Encruzilhada” e “Valeu, Zumbi”. A primeira conta com a participação do rapper Heider, do grupo RBF, e é uma homenagem ao Orixá Exu. A segunda exalta o legado do líder de Palmares e ressalta a importância da cultura e do conhecimento para a juventude.

DJ Chiba, integrante do grupo, destaca o significado de se apresentar na semana da consciência negra. "Para nós é uma honra e uma responsabilidade muito grande fazer esse evento tão próximo do 20 de Novembro. A data é muito emblemática e significativa, porque é a nossa luta, nossa bandeira. A força do Opanijé está no movimento negro e na luta negra. É uma grande honra ter a oportunidade de mostrar nosso trabalho neste dia". 

Com mais de mais de 21 mil visitações em apenas dois anos no MySpace, a banda tem o reconhecimento de nomes consagrados do Rap nacional, como B. Negão, Thaíde, Lettieres Leite, GOG, Bastardo do grupo paulista SNJ e Mos Def, rapper norte-americano.

Em São Paulo, o Opanijé vai dividir palco com outras grandes referências nacionais, DJ Will e Akins Kintê. "DJ Will é um DJ conceituado, já toca em grandes festas em São Paulo, já participou de um monte de projeto importante e é uma das figuras do rap nacional da atualidade. Dividir o palco com o mestre Akins é uma grande honra, porque ele é um amigo nosso de longa data e uma das grandes vozes negras, poéticas de São Paulo".

Flyer Opanijé

William Nascimento Simões, DJ Will, tem 28 anos e desde muito novo acompanha o trabalho do pai, o DJ KL Jay (Racionais Mc's). Em 2006 ganhou o Prêmio Hutuz como melhor DJ de grupo e em 2013 formou, ao lado de Filiph Neo, Dee, Renan Samam e DJ Murilo, o 5 pra 1.

O Poeta Akins Kintê, nascido e criado na Zona Norte de São Paulo, Brasilândia, traz seu primeiro livro sob sua autoria, “Muzimba Na Humildade Sem Maldade”, acompanhado de um CD com a musicalidade do produtor Tico Pro. A obra inova na sonoridade, na arrumação das rimas e também nos temas abordados que vão desde o amor e o racismo até a política e o futebol de várzea.

A atividade faz parte da mostra “Motumbá – Memórias e Resistências Negras”. A palavra de origem Yorubáque, mais do que uma saudação, significa bênção entre os nagôs. O projeto se inicia em novembro, mês que comemora a consciência negra, e segue em cartaz até março de 2017. As atividades ocupam diversos espaços abertos e fechados da unidade [Comedoria, Teatro, Praça, Sala de Espetáculos I e II, Convivência, Oficinas] para apresentar ao público atrações de música, dança, teatro, performance, literatura, cinema, artes visuais e rodas de reflexão e debate.

Texto: Pedro Borges / Edição de Imagem: Pedro Borges

Eventos também marcam o lançamento da segunda edição do livro “Muzimba na humildade sem maldade”

A partir das 19h30 do dia 16 de Novembro, na Fábrica de Cultura do Jaçanã, Rua Raimundo Eduardo da Silva, 138, o poeta Akins Kintê inicia uma série de apresentações por todo o Brasil do espetáculo “Pelamô”. Na atividade desta quarta-feira, Akins conta com a participação especial de DJ Will.

No dia 18, às 19h30, na Fábrica de Cultura da Brasilândia, Avenida General Penha, 2508, o convidado da vez é o Opanijé. A Fábrica de Cultura do Capão Redondo, Rua Bacia de São Francisco, recebe o poeta no dia 25, também às 19h30. Akins encerra o ciclo de apresentações por São Paulo no dia 26, às 17h30, na Rua Franklin do Amaral, 1575, com a participação de Sombra, integrante do grupo de rap SNJ.

Agenda Novembro

Para Akins, é uma imensa realização contar com a participação de nomes como Opanijé, DJ Will e Sombra. “Para a gente está sendo a maior satisfação. Uma das músicas que vão para o CD do musical ‘Pelamô’ é uma produção com o DJ Will, uma pessoa que a gente é fã. Sombra do SNJ e Opanijé vão participar e para a gente vai ser a maior satisfação, porque nós somos fãs desse pessoal”.

No dia 8 de dezembro, o musical acontece no Rio de Janeiro e no dia 20, a apresentação é em Salvador, Bahia.

Depois de colocar a venda mil cópias da primeira edição do livro “Muzimba na humildade sem maldade”, Akins conta sobre o sucesso da obra e a vontade de que mais leitores pretos e periféricos conheçam o projeto. “É uma satisfação apresentar a segunda edição do livro. Nós estamos muito felizes, porque já são mil livros na rua, mil livros circulando e fazer a segunda edição é bacana, porque são mais mil livros que vão caminhar nas quebradas. Já tem uma agenda bacana para esse ano e a ideia é tumultuar as quebradas”.

Na segunda edição, além de uma nova capa, há novos poemas e mais músicas no CD que acompanha a obra. “O legal é que nessa segunda edição nós conseguimos incluir mais textos. Tinham alguns sobre futebol de várzea e agora vamos incluir esses textos e nós conseguimos gravar mais duas músicas”.

Akins Kintê divulga amanhã também a sua releitura musical da obra “Meu Caro Amigo”, do cantor e compositor Chico Buarque. Akins faz uma reflexão a partir da condição social do negro no Brasil.

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com

Mais Lidos