fbpx
 

Em decisão histórica, maior universidade brasileira adota regime de reserva de vagas para negros e indígenas

Texto: Pedro Borges e Solon Neto
Imagens: Alma Preta / Divulgação

Na noite da terça-feira, 04 de julho, o Conselho Universitário da Universidade de São Paulo (USP) aprovou a adoção de cotas raciais. O Conselho Universitário é a maior instância deliberativa da USP. A reunião foi transmitida ao vivo pelo site da instituição.

A proposta aprovada passa a valer já para o próximo vestibular da USP, a ser realizado ainda este ano. Com crescimento gradativo, a reserva de vagas para escola pública será de 37% para 2018, 40% para 2019, 45% para 2020 e 50% a partir de 2021. Dentro dessa proposta, as cotas raciais devem respeitar a proporção populacional de raça no estado paulista, que hoje é de 37,2%.

A meta de 2018 é por unidade da universidade, o que para 2019 deve mudar para uma meta por curso e partir de 2020 para curso e turno. Segundo a página do movimento "Por que a USP não tem cotas?", dos 92 conselheiros, 75 votaram a favor da proposta e 8 votaram contra. Foram registradas 9 abstenções.


A proposta foi aprovada devido a um movimento de 300 professores, que assinaram um abaixo assinado pela aprovação da mesma, segundo Andreza Delgado, estudante de Direito da universidade.

A decisão é considerada histórica, pois a USP era a única das três universidades estaduais paulistas que não havia adotado um sistema próprio de cotas.

A Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" (UNESP) adotou um sistema de cotas em 2014 e a Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) aprovou no último dia 30/05 a criação de um sistema de cotas próprio.

No último dia 22/06, a reunião do Conselho de Graduação havia aprovado uma proposta de cotas para estudantes de escola pública. A exclusão de um proposta de cotas raciais gerou revolta, e no último dia 03/06 um ato foi realizado em São Paulo para exigir a adoção da reserva de vagas.

Em texto anterior, Ian Douglas, estudante de Ciências Sociais e membro do setorial de Negras e Negros do DCE Livre da USP afirmou ao Alma Preta que mais de mil assinaturas haviam sido coletadas para levar a proposta de cotas ao Conselho de Graduação no dia 22/06.

Em 2016, o movimento negro estudantil organizou uma marcha entre o Largo da Batata e os um dos portões da USP, em São Paulo. A marcha aconteceu em 24 de Junho, 3 dias antes da primeira edição do festival "Por que a USP não tem Cotas?"(FOTO: Pedro Borges/Alma Preta)

O projeto dos estudantes pedia a adoção de reserva de 50% das vagas para estudantes de escola pública, e dentro desse percentual, uma cota racial que corresponda à proporção de negros e indígenas na população paulista, que hoje gira em torno de 40%. Além disso, pedia que metade das vagas para estudantes de escola pública fossem para pobres, com renda familiar de até 1,5 salário mínimo.

Também propunha que 2% das vagas sejam destinadas a pessoas com deficiências físicas e outros 2% para pessoas oriundas de comunidades tradicionais, indígenas e quilombolas.

Algumas unidades da USP, como a Escola de Comunicação e Artes (ECA), já tinham um sistema parecido, com menor destino de vagas para negros e indígenas, baseado no Sistema de Seleção Unificada (SISU). O mesmo sistema foi adotado no último dia 30/06, sexta-feira, pela Faculdade de Medicina (FM) da Universidade de São Paulo.

 O povo preto quer narrar suas histórias

Vivemos em um mundo de disputa. Nossa sociedade tem profundas marcas das desigualdades que foram desenhadas ao longo da história. Na atualidade parece que há espaço para debate, a tão falada representatividade está sobre a mesa.
Mas o povo preto quer mais. Queremos narrar nossas próprias histórias. Queremos ter direito de fala não somente quando essa é concedida. Somos múltiplos, somos muitos e plurais. A ótica de ser preto no Brasil se revela como um espectro, tamanha a diversidade dos povos ancestrais que nos originaram, e a variedade de experiências que podemos ter e ser. Pertencer. O que nos conecta é pele.

Apoie o Alma Preta e nos ajude a continuar contando todas essas histórias.

Vamos fazer jornalismo na raça!

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com