Ex-moradores estão acampados em frente a Igreja Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos até a prefeitura resolver de forma eficiente a questão da moradia para todos como direito fundamental

Texto / Thalyta Martins
Imagem / Agência Brasil / EBC

Em virtude da queda na madrugada de terça (1º de maio) do antigo prédio da Polícia Federal, situado no Largo do Paissandú e que estava ocupado por moradores sem-teto, os ex-habitantes do local necessitam de doações de itens básicos diversos até a resolução do episódio - eles estão alocados, por ora, entre o largo, abrigos e outras ocupações.

As pessoas que estão no largo cobram por uma solução em longo prazo. Segundo eles, levar moradores para albergues da Prefeitura de São Paulo só maquia o problema, o que fará as pessoas estarem morando nas ruas em pouco tempo. Eles cobram por moradia de qualidade, um direito fundamental para a manutenção da dignidade humana.

A demanda é por itens como cobertores, colchonetes, barracas, água, alimentos não perecíveis, copos, pratos, talheres, alimentos prontos também - por conta da dificuldade estrutural para cozinhar para todos -, frutas, brinquedos, lápis de cor, canetinhas, livros de colorir, fraldas descartáveis, fraldas geriátricas, papel higiênico, guardanapos, absorventes, lenços umedecidos, sabonetes, pasta de dente, escova de dente e sacos de lixo.

Posto de coleta
- Casa no Meio do Mundo: Rua Itamonte, 2008 A, Jardim Brasil, Zona Norte

- Ocupação Mauá: Rua Mauá, 340, Centro

- Cruz Vermelha: Avenida Moreira Guimarães, 699, Indianópolis

- Memorial da América Latina: Avenida Auro Soares de Moura Andrade, 664, Barra Funda

- Al Janiah: Rua Rui Barbosa, 269, Bixiga

- Paróquia Santa Ifigênia: Rua Santa Ifigênia, 30, Santa Ifigênia

- Ocupação Luana Barbosa: Rua Doutor Augusto Miranda, 22, Vila Pompeia

- Sede do DCE Livre da USP, Cidade Universitária: Avenida Professor Almeida Prado, 1280, Butantã

- Centro Acadêmico de Farmácia e Bioquímica, CAFB/USP: Avenida Professor Lineu Prestes, 580, Butantã

- Faculdade de Direito do Largo de São Francisco: Largo São Francisco, 95, Centro

- Centro Acadêmico Oswaldo Cruz: Avenida Doutor Arnaldo, 455, Pacaembu

- Cefisma IFUSP: Rua Irede de Mattos Alonso, 135, Vila Lageado

- Ceupes Ísis Dias de Oliveira: Avenida Professor Luciano Gualberto, 315, Cidade Universitária

- CAHIS-USP Luiz Eduardo Merlino ( FFLCH): Rua do Lago, 717, Vila Universitária/Butantã

- GFAU USP: Rua do Lago, Butantã

- Grêmio Politécnico: Avenida Professor Almeida Prado, 128, Butantã

- CAPMS - IAG: Rua do Matão, 1226, Cidade Universitária

Tragédia do dia 1º de maio

O edifício Wilton Paes de Almeida, de 24 andares e 11 mil m², construído no final da década de 1960 e localizado no Largo do Paissandu, no Centro de São Paulo, pegou fogo e desabou de forma vertical na madrugada de 1º de maio.

O prédio era ocupado por famílias organizadas pelo MLSM (Movimento de Luta Social por Moradia) desde 2008-09. Segundo o Corpo de Bombeiros, mais de 300 pessoas viviam no local. Uma vítima fatal foi confirmada e pelo menos 49 pessoas estão desaparecidas.

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
contato(@)almapreta.com

Mais Lidos