O caso de racismo aconteceu em Porto Alegre e configura um problema comum, entre jovens negros e motoristas do aplicativo

Texto / Letícia Fialho e Milena Geovana I Imagem / Reprodução

O humorista carioca Yuri Marçal relatou em suas redes sociais caso de injúria racial. Após uma apresentação na Casa de Cultura Mario Quintana, em Porto Alegre-RS, Yuri seguiu com seu produtor para o município de Canoas, na região metropolitana, onde fez o segundo stand-up da noite

“Eu e meu produtor estávamos saindo do hotel e chamamos um Uber. Ele entrou na frente, e eu atrás. O motorista disse para eu não sentar atrás dele, se não ele teria que me dar um tiro, alegando motivos de segurança”, disse o humorista em um vídeo publicado em sua página.

Após a justificativa do motorista, ele e o produtor desembarcaram com o veículo ainda em movimento. Já foi feito o registro policial e o caso está sendo apurado. Em nota, a empresa Uber, citada no vídeo do comediante, disse que tem “tolerância zero” para qualquer tipo de discriminação.

"A Uber tem uma política de tolerância zero a qualquer forma de discriminação nas viagens com o app. Assim que soubemos do caso, entramos em contato com o usuário para oferecer apoio e bloqueamos a conta do motorista", publicou a empresa.

Caso não é isolado

Outros casos de racismo envolvendo a plataforma já foram relatados. Muitas vezes, ocorrem de forma sutil, em que um veículo é solicitado pelo aplicativo, o motorista identifica o passageiro, e quando vê que se trata de um usuário negro, simplesmente cancela a viagem.

Em 2016, a concorrente 99 taxis, fez um levantamento apresentando que cerca de 46% de seus usuários autodeclarados negros já sofreram racismo durante as viagens. A pesquisa foi feita com 10.600 passageiros, autodeclarados pretos. A maioria das pessoas reclamavam pela falta de um treinamento para os motoristas e também de medidas preventivas, como um termo de uso que viabilize a proteção dos usuários em situações como essa.

A postura das plataformas diante de casos de racismo tem sido de bloquear a conta do motorista envolvido como punição. No entanto isso tem sido apontado como não sendo suficiente. Nas palavras de Yuri Marçal, publicadas em sua conta no Instagram: “@uberbr, banir o motorista é obrigação, quero políticas/ações antirracistas”.

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com

Mais Lidos