Além de exposições, atividades do museu dão destaque à produção cultural de matriz africana e demais aspectos da formação social brasileira

Texto / Amauri Eugênio Jr.
Imagem / Leonardo Dias

História, literatura, preservação da natureza e formação sociocultural. A programação de junho do Museu Afro Brasil privilegia diversas modalidades de manifestação cultural de nossos antepassados por meio de linguagens diversas, que variam entre pinturas, fotografias e esculturas.

Além do acervo de longa duração, cujo acervo é formado por peças que têm como objetivo ressignificar a trajetória e a história da população negra no Brasil, alguns destaques da programação são a mostra “Isso é coisa de Preto: 130 anos da Abolição da Escravidão”, que retrata ícones afro-brasileiros dos séculos XIX e XX; e bate-papo com o jornalista e escritor Oswaldo Faustino, no dia 16, no qual ele falará com o público sobre a sua trajetória.

Confira a seguir a programação do Museu Afro Brasil, que está situado no Parque do Ibirapuera (avenida Pedro Álvares Cabral, s/nº, portão 10). O MAB funciona de terça-feira a domingo, das 10h às 17h. A entrada custa R$ 6 e a meia-entrada, R$ 3 - o acesso é grátis aos sábados. Informações: 3320-8900 e www.museuafrobrasil.org.br.

Exposição de Longa Duração (foto)

Com o objetivo de contar outra história brasileira, a mostra visa desconstruir o imaginário criado sobre a população negra baseado na inferioridade criada no decorrer da história e ressignificá-lo, ao transformar em trajetória de prestígio e baseada na igualdade e no pertencimento, reafirmando o respeito pelo povo negro.

Design e Tecnologia no tempo da Escravidão

A reedição de uma das exposições de maior sucesso do museu conta com acervo de mais de 400 peças, composto por objetos de uso doméstico e ferramentas para ofícios rurais e urbanos dos séculos XVIII e XIX.

Um Frans, a natureza (até 10 de junho)

Exposição com obras do fotógrafo, escultor e pintor frans Krajcberg (1921-2017) nas quais ele evidencia a revolta contra a deterioração do meio ambiente.

Um Deoscóredes - 100 anos do Alapini Deoscóredes Maximiliano dos Santos (até 29 de julho)

Exposição desenvolvida em homenagem ao centenário de nascimento de Mestre Didi (1917-2013), Alapini do Ilê Asipa e filho de Mãe Senhora (1890-1967), iyalorixá do Ilê Axé Opô Afonjá. Acervo formado por esculturas do artista feitas com materiais como búzios, sementes, couro, nervuras e folhas de palmeira.

Os Africanos – O olhar europeu da fotografia contemporânea (até 29 de julho)

Mostra com acervo formado pelas obras dos fotógrafos Hans Silvester (Alemanha), Isabel Muñoz (Espanha), Alfred Weidinger (Áustria) e Manuel Correia (Portugal), que registraram o cotidiano de povos e manifestações no continente africano.

África Contemporânea (até 29 de julho)

Exposição com pinturas, esculturas, instalações, desenhos e colagens de artistas de países como Moçambique, Benin, Senegal, Angola e Gana, tais como Dominique Zinkpè, Aston, Soly Cissé, Yonamine, Gérard Quenun, Owusu-Ankomah, Oswald, Celestino Mudaulane, Edwige Aplogan, Francisco Vidal e Cyprien Tokoudagba. As obras expostas foram mecanismos encontrados por eles para exposição de suas próprias feridas e acumulações.

África e a Volta dos Espíritos (até 29 de julho)

Mostra com acervo formado por esculturas, máscaras, asens e moedas produzidas em cobre, madeira, tecido, miçangas e fibra vegetal dos povos africanos Guro, Fon, Senufo, Iorubá, entre outras etnias.

Isso é coisa de Preto: 130 anos da Abolição da Escravidão (até 29 de julho de 2018)

Exposição em lembrança aos 130 anos da abolição da escravidão no Brasil na qual o talento, a competência e a resistência da população negra nos séculos XIX e XX são retratados por meio de pinturas, fotografias, litografias, esculturas e desenhos.

Arte Nômade (título provisório, com abertura prevista para 16 de junho)

Exposição individual do artista goianiense Kboco.

Instalação "Más-caras"

Instalação de Ciro Schu na qual as máscaras expostas traduzem um grito e clamor de uma sociedade asfixiada pelo consumo desmesurado de bens.

Visita temática “Festas e Festejos: a presença africana no ciclo junino” (23 de junho, às 14h)

Atividade que retrata as origens de manifestações culturais brasileiras e quais são as matrizes africanas do ciclo junino brasileiro, que visa também apresenta olhar crítico sobre a noção de “folclore”.

Evento gratuito e aberto a todas as idades. Inscrições disponíveis em: bit.ly/2kRAqxY.

Visitas para grupos espontâneos (3, 10 e 17 de junho, às 14h)

Projeto com foco em temas relativos aos núcleos componentes da exposição de longa duração e que abordam história, memória e arte dos brasileiros a partir da perspectiva afro-brasileira.

Atividade gratuita e aberta a todas as idades. Participantes devem chegar 15 minutos antes do início e procurar pelo setor de acolhimento.

Ateliê Aberto "Impressões da Cor" (9 de junho, às 15h)

Oficina de confecção de carimbo e interação com cores diversas. O final prevê participação do público na composição de painel coletivo a partir das impressões coloridas das matrizes produzidas durante a atividade.

A participação é gratuita e o evento é aberto a todas as idades. Não é necessária inscrição prévia.

Projeto Negras Palavras: Encontro marcado (16 de junho, às 10h30)

Atividade na qual o jornalista e escritor Oswaldo Faustino falará com o público sobre a sua trajetória, com destaque a discussões a respeito das relações étnico-raciais. Faustino conversará também com participantes sobre “A Luz de Luiz”, seu novo romance sobre o abolicionista Luiz Gama, cujo mote consiste em “uma fantasia com pinceladas históricas” segundo o autor. Haverá sessão de autógrafos no fim do evento.

Atividade gratuita. Inscrições poderão ser feitas em bit.ly/2LLrZ3y.

Oficina “Bumba Meu Boi!” (16 de junho, às 15h)

Projeto no qual a manifestação cultural bumba-meu-boi visa proporcionar reflexão sobre o processo artístico de produção de conhecimento e imaginário coletivo a partir de confecção e ornamentação do boi.

Atividade gratuita e voltada a todos os públicos, que possibilita também conhecer o acervo do Museu Afro Brasil. Inscrições disponíveis em: bit.ly/2JcOBfM.

Aos Pés do Baobá (30 de junho, às 11h30)

Evento de contação de histórias sobre narrativas africanas ou afro-brasileiras no qual haverá bate-papo conduzido por integrantes do Núcleo de Educação do Museu Afro Brasil.

Atividade gratuita e com inscrições disponíveis em: bit.ly/2JevBxt

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
contato(@)almapreta.com

Mais Lidos