Atriz abriu portas para outros negros na dramaturgia e morreu aos 98 anos no Rio de Janeiro

Texto / Nataly Simões | Edição / Pedro Borges | Imagem / Reprodução 

Ruth de Souza foi velada nesta segunda-feira, 29 de julho, no Theatro Municipal do Rio de Janeiro. A atriz faleceu ontem após dar entrada no Hospital Copa D'Or, em Copacabana, para cuidar de uma pneumonia.

Com mais de 70 anos dedicados à dramaturgia, a atriz foi a primeira negra a se apresentar no mesmo Theatro Municipal, em 1945, na peça O Imperador Jones.
Ruth foi também a primeira brasileira indicada a um prêmio internacional de cinema, o Festival de Veneza, em 1954.

Na televisão, a atriz passou mais de 50 anos somente na TV Globo, onde atuou em mais de 30 novelas. Entre elas, O Bem-Amado (1973), Helena (1975) e na primeira e segunda versão de Sinhá Moça (1986 e 2006).

Seu último trabalho também foi na emissora global, na minissérie Se Eu Fechar Os Olhos Agora, em 2019. No carnaval deste ano, Ruth ainda foi homenageada pela escola de samba Acadêmicos de Santa Cruz, durante o primeiro dia de desfile do grupo especial.

Nas redes sociais, diversas personalidades prestaram condolências e deixaram suas homenagens para a atriz.

A deputada estadual de São Paulo, Erica Malunguinho, escreveu que Ruth “deixa um legado por ter sido a primeira atriz brasileira indicada ao Festival de Veneza”. Já a jornalista Maju Coutinho agradeceu a pioneira “por ter aberto caminhos com seu talento”.

bannerhorizontal

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com

Mais Lidos