fbpx

Cerca de 100 pessoas já se inscreveram para construir a “Repense”; iniciativa foi impulsionada por uma denúncia de censura feita em rede social

Texto: Flávia Ribeiro | Edição: Nataly Simões | Imagem: Pixabay

Para ampliar ações contra a desigualdade étnico-racial dentro e a partir da Linguística Aplicada e da Linguística foi lançada a Rede de Pesquisadores Negres de Estudos da Linguagem (Repense).  “Queremos saber quais são os linguistas brasileiros e quais pesquisas estão sendo desenvolvidas, seja por questões étnico raciais ou não, e vamos estruturar uma rede para que a gente possa se fortalecer”, explicou Wellton da Silva de Fátima, um dos fundadores.

Lançada em junho, a rede é formada por pessoas de todo o país que ainda estão na graduação, graduadas e pós-graduadas do campo da Linguística Aplicada e da Linguística. São 23 pesquisadores e pesquisadoras, que lançaram um formulário com quase 100 adesões até o momento. Dentre os objetivos estão: reunir e reivindicar a visibilidade de informações sobre linguistas negros e negras, pensar, construir e reivindicar formas de permanência de pesquisadores negros nos programas de pós-graduação e graduação, frente aos cortes orçamentários anunciado pelo governo brasileiro, nas esferas estaduais e federal.

A iniciativa de lançar a Repense ocorreu após Wellton ter seus comentários apagados e ser bloqueado no perfil do Instagram da Associação Brasileira de Linguística (Abralin). Em uma postagem contra o racismo, o professor sugeriu que a organização promovesse ações concretas de combate ao racismo e criticou o fato de que a maioria das pessoas convidadas para lives promovidas no perfil era branca.

No dia seguinte, em outra postagem, Wellton voltou a criticar a postura da organização e teve como resposta que se tivesse uma proposta concreta e fosse associado, que enviasse por e-mail e que “perseguição em rede social” ajudava pouco. Além disso, ele também foi bloqueado. Wellton denunciou o caso em um vídeo publicado no Instagram. Ele conta que desde então o perfil compartilha, nos Stories, prints de vários pesquisadores conhecidos nacionalmente em que citam a situação defendendo a associação. “A impressão que eu tive foi que houve a tentativa de difundir uma narrativa de que eu sou uma pessoa revoltada. Há várias pessoas já me chamando de mal-educado, de grosseiro. São vozes muito expressivas da linguística brasileira, que se posicionaram com parte do meu comentário no vídeo e distorcendo os fatos. Eu continuo bloqueado no perfil”, afirmou.

O pesquisador reclama da ação inadequada e desproporcional da Abralin nas redes sociais. “É impossível que uma só pessoa promova a perseguição contra uma associação. É juridicamente ridículo um CPF perseguir um CNPJ. O certo seria receber o comentário e não se defender mostrando tudo o que fazem, como a bolsa para hipossuficientes. Acreditaram que eu ia ficar quieto até por constrangimento, mas fiz o contrário”, pontuou.

Por telefone, o presidente da Abralin, Miguel Oliveira Jr, disse ao Alma Preta que a associação tem como política de gerenciamento de suas redes sociais o bloqueio de perfis que desabonam ou desacreditam a instituição ou que propagam discursos de ódio. “Ele foi extremante agressivo. Disse que a Abralin deveria parar de lacrar, fazer algo que preste e ter vergonha na cara. Depois de tudo o que temos feito. Isso beira o discurso de ódio. É um insulto desnecessário. Não bloqueei porque ele é negro, mas porque foi extremamente rude”, afirmou.

O presidente da associação se autodeclara negro e é quem administra o perfil da Abralin no Instagram. Oliveira Jr fala que foi necessário fazer vários ajustes na programação da associação e de postagens para formalizar um posicionamento público contra o racismo nas redes sociais, aderindo à hashtag Black Lives Matter.

Ele destaca ainda que há ações de inclusão, como a isenção de pagamento para quem está no Cadúnico e quem acessou a universidade por cota. Segundo o presidente, a associação também possui um fundo exclusivo para línguas indígenas. “Nenhuma associação dá acesso à diversidade como nós”, concluiu.

* Texto atualizado às 14h48 de 8 de julho de 2020 para a inclusão de informações.

 O povo preto quer narrar suas histórias

Vivemos em um mundo de disputa. Nossa sociedade tem profundas marcas das desigualdades que foram desenhadas ao longo da história. Na atualidade parece que há espaço para debate, a tão falada representatividade está sobre a mesa.
Mas o povo preto quer mais. Queremos narrar nossas próprias histórias. Queremos ter direito de fala não somente quando essa é concedida. Somos múltiplos, somos muitos e plurais. A ótica de ser preto no Brasil se revela como um espectro, tamanha a diversidade dos povos ancestrais que nos originaram, e a variedade de experiências que podemos ter e ser. Pertencer. O que nos conecta é pele.

Apoie o Alma Preta e nos ajude a continuar contando todas essas histórias.

Vamos fazer jornalismo na raça!

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com