fbpx

Com tom de despeito e revanche política governo divulga os nomes dos excluídos da lista de Personalidades Negras, que passa a ser lista de homenagem póstuma

Texto: Juca Guimarães I Edição: Flávia Ribeiro I Imagem: Ascom Governo Federal

A Fundação Cultural Zumbi dos Palmares fez uma revisão na lista de Personalidades Negras e retirou 27 nomes de figuras que haviam sido homenageadas ao longo dos 28 anos da instituição. Outros oito nomes passaram a fazer parte da lista, desde o dia 2 de dezembro. Os excluídos têm destaque políticos do campo da esquerda, artistas que já se declararam contra o governo do presidente Jair Bolsonaro e a favor das instituições organizadas do movimento negro no Brasil.

Porém, de acordo com a Fundação, a diretriz é que a lista tenha apenas nomes de pessoas que já morreram, ou seja, a lista que era uma demonstração de reconhecimento dos esforços de combate ao racismo, se tornou uma coletânea de homenagens póstumas. A Fundação informou ainda que a inclusão de nomes na Lista de Personalidades depende da avaliação de uma comissão e aprovados pela diretoria da instituição.

Os 27 nomes excluídos foram: Ádria Santos, Alaíde Costa, Benedita da Silva, Conceição Evaristo, Elza Soares, Emanoel de Araújo, Gilberto Gil, Givânia Maria da Silva, Janete Rocha Pietá, Janeth dos Santos Arcain, Joaquim Carvalho Cruz, Jurema da Silva, Léa Lucas Garcia de Aguiar, Leci Brandão, Luislinda de Valois, Marina Silva, Martinho da Vila, Melânia Luz, Milton Nascimento, Paulo Paim, Petronilha Beatriz Gonçalves e Silva, Sandra de Sá, Servílio de Oliveira, Sueli Carneiro, Terezinha Guilhermina, Vanderlei Cordeiro de Lima, Vovô do Ilê e Zezé Motta.

A nota publicada no site da Fundação Palmares diz que “para que pessoas sejam reconhecidas em vida, novas homenagens, premiações e diplomas devem ser divulgados pela Fundação, em breve”. O presidente da Fundação, o jornalista Sérgio Camargo, escreveu numa rede social que os nomes excluídos poderão voltar um dia, mas de acordo com os critérios de avaliação da instituição no que ele chama de “reparação e reconhecimento”.

Já entre as personalidades que tiveram seus nomes aprovadas pela direção da Palmares, está a atriz Jacira de Almeida Sampaio, que fez mais de 20 novelas. Camargo, destacou uma personagem interpretada pela atriz, na obra de Monteiro Lobato, autor que simpatizava com a Ku-Klux-Kan e outros movimentos racistas.

Também foi incluído o nome do 2º sargento da PMRJ, Luiz Paulo Costa, conhecido como Negão do Bope. A lista de novos nomes reconhece a obra de Luiz Melodia, Pixinguinha, Wilson Simonal e Mussum. Além dos feitos esportivos do João do Pulo e a memória do ex-combatente das Forças Expedicionárias Brasileiras Marcílio Pinto, que atuou na Segunda Guerra Mundial contra a Alemanha nazista do Hitler.

Outros nomes, segundo Camargo, serão adicionados à lista ainda este mês. Os verbetes dos nomes incluídos na lista destacam o perfil militar dos homenageados, como o caso do comediante Mussum, e fazem ataques gratuitos aos defensores dos Direitos Humanos, como na homenagem ao Negão do Bope que começa assim: Vidas negras importam? Para o movimento negro e ONGs de direitos humanos, depende. A vida de um ex-trabalhador da construção civil que aos 22 anos ingressou na Polícia Militar do Rio de Janeiro e aos 27 tornou-se uma honrada caveira do BOPE, não importou!”

 O povo preto quer narrar suas histórias

Vivemos em um mundo de disputa. Nossa sociedade tem profundas marcas das desigualdades que foram desenhadas ao longo da história. Na atualidade parece que há espaço para debate, a tão falada representatividade está sobre a mesa.
Mas o povo preto quer mais. Queremos narrar nossas próprias histórias. Queremos ter direito de fala não somente quando essa é concedida. Somos múltiplos, somos muitos e plurais. A ótica de ser preto no Brasil se revela como um espectro, tamanha a diversidade dos povos ancestrais que nos originaram, e a variedade de experiências que podemos ter e ser. Pertencer. O que nos conecta é pele.

Apoie o Alma Preta e nos ajude a continuar contando todas essas histórias.

Vamos fazer jornalismo na raça!

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com