fbpx

Ainda não há data para o lançamento oficial do Instituto, que deve acontecer em março de 2019, quando se completa um ano do assassinato de Marielle Franco; família busca parceiros para fortalecer a iniciativa

Texto / Pedro Borges
Imagem / DIvulgação

A ex-vereadora do Rio de Janeiro, Marielle Franco, assassinada em 14 de março de 2018, agora terá um instituto em sua homenagem. O Instituto Marielle Franco, organizado pelos familiares da ativista e defensora dos direitos humanos tem previsão de lançamento oficial em março deste ano, quando se completam um ano do crime.

Marinete, Antônio, Anielle e Luyara, mãe, pai, irmã e filha de Marielle, respectivamente, decidiram criar o espaço como forma de honrar o legado da ex-vereadora e de transformar o espaço em local de resistência e luta.

“Nós estávamos sofrendo muito. Muito mesmo. Mais forte do que ainda hoje sendo convidadas a participar de vários eventos. Ainda estamos de luto. Viajando o mundo e ainda de luto. Foi quando percebemos que é um legado enorme. É uma causa mundial. E nós temos sangue de Marielle. Não tínhamos como ficar parados e não darmos continuidade a tudo que ela começou. Decidimos então unir forças para fazer algo pra honrar o nome e o nosso sangue ali derramado”, conta a jornalista Anielle Franco.

O assassinato de Marielle Franco repercutiu em todo o mundo. Pesquisa da FGV mostrou que na época, entre o dia 14 e 16 de março, mais 1,16 milhão de menções ao nome da ex-vereadora foram feitos no Twitter, o que ajudou a caracterizar o crime como de escola internacional. Por isso, Anielle acredita ser fundamental representar o legado da irmã.

“É honrar o nome de uma mulher que virou semente. Uma mulher que venceu estatísticas. É honrar nossa família, nossa sangue, nossos valores. Pra mim, em especial, é saber que ancestralidade importa e que iremos até o final”, diz.

O instituto, ainda localizado no bairro de Bonsucesso, no Rio de Janeiro (RJ), deverá se mudar em breve para um local maior. Lá, a família pretende oferecer para a comunidade aulas, rodas, palestras, entre outras atividade, baseadas nos princípios de Marielle Franco. Além disso, o objetivo é oferecer uma psicóloga, uma advogada e oficinas de escrita para a comunidade.

Para o desenvolvimento do espaço, a família tem se articulado na busca de parceiros. Os interessados em colaborar para o desenvolvimento do projeto podem entrar em contato pelo email do espaço Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. .

 O povo preto quer narrar suas histórias

Vivemos em um mundo de disputa. Nossa sociedade tem profundas marcas das desigualdades que foram desenhadas ao longo da história. Na atualidade parece que há espaço para debate, a tão falada representatividade está sobre a mesa.
Mas o povo preto quer mais. Queremos narrar nossas próprias histórias. Queremos ter direito de fala não somente quando essa é concedida. Somos múltiplos, somos muitos e plurais. A ótica de ser preto no Brasil se revela como um espectro, tamanha a diversidade dos povos ancestrais que nos originaram, e a variedade de experiências que podemos ter e ser. Pertencer. O que nos conecta é pele.

Apoie o Alma Preta e nos ajude a continuar contando todas essas histórias.

Vamos fazer jornalismo na raça!

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com