Primeiro título da escola vem com enredo que conta a história de Aqualtune, sequestrada do Congo como princesa e quilombola em Palmares

Texto / Pedro Borges
Imagem / O carnavalesco

A Mancha Verde conquistou o primeiro título do carnaval de São Paulo com o enredo "Oxalá, salve a princesa! A saga de uma guerreira negra". A agremiação, com forte ligação ao clube de futebol Palmeiras, destacou na avenida a luta dos negros, mulheres, e também fez denuncia à intolerância religiosa.

Escrito por Sereno, Chefia, Darlan Alves, André Ricardo, Rodrigo e Rodolfo Minueto e Gui Cruz, a letra conta a história de Aqualtune, princesa no Congo, sequestrada para o Brasil como escrava, referência na luta no Quilombo dos Palmares e avó de Zumbi.

Quem foi Aqualtune?

Aqualtune liderou, em 1665, uma força de dez mil soldados na Batalha de Mbwila, cidade localizada na atual Angola, entre o Reino do Congo e Portugal. Ela foi capturada com a derrota congolesa e levada como os demais africanos para o Brasil, para aqui exercer o trabalho escravo.

A ex-princesa veio primeiro para Recife-PE, onde foi vendida como escrava reprodutora. Depois de grávida, é vendida para o engenho de Porto Calvo, onde organiza uma fuga para Palmares.

Ela é descrita como a mãe de Ganga Zumba e Gana, chefes dos principais mocambos de Palmares. Posteriormente teria dado luz a Sabina, que seria a mãe de Zumbi, o grande líder do quilombo.

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com

Mais Lidos