fbpx
 

Nova audiência de instrução e julgamento está marcada para que todas as testemunhas da família dos policiais possam prestar depoimento; advogados da família tentam localizar as testemunhas protegidas desaparecidas

Texto / Pedro Borges

Imagem / Dina Alves

A quinta audiência de instrução e julgamento do caso Luana Barbosa foi marcada pela ausência das testemunhas protegidas que dariam depoimento em favor da família. Essas pessoas presenciaram o fato e dariam depoimento na condição de anonimato. A sessão aconteceu nesta quinta-feira (7), no Fórum de Justiça de Ribeirão Preto (SP).

“Estas testemunhas eram protegidas, mas estranhamente sumiram de sua residência e ninguém sabe pra onde foram. Eu e o promotor estamos tentando localizá-las, mas será um desafio”, explica Daniel Rondi, advogado da família que acompanha o caso desde o início.

Dina Alves, advogada que também acompanha o imbróglio, conta que essas famílias saíram dos antigos endereços logo depois do crime. O motivo, segundo a especialista, pode ter sido a coação.

“Possivelmente foram ameaçadas. Ficaram com medo, foram coagidas e saíram da cidade. A nossa ideia agora é insistir nessas testemunhas, tentar uma nova intimação, outros endereços para a próxima audiência. A ideia é escutar essas testemunhas”, diz.

A sessão, coordenada pela juíza Martha Rodrigues Moreira, ouviu o depoimento de mais policiais. Entre as afirmações, Daniel Rondi contou que a colocação de um dos agentes de segurança foi importante para o argumento construído pela família.

“Eu consegui que uma testemunha policial civil confirmasse que ele viu a família fazendo o vídeo gravado da Luna na porta da delegacia. A PM trabalha com a tese de defesa que o vídeo não foi no dia”, diz.
Dina Alves conta que a equipe de defesa da família saiu satisfeita e otimista da nova sessão. “Saímos muito otimistas da audiência porque foram ouvidas várias testemunhas da defesa dos policiais. Tivemos, inclusive, uma reunião bem demorada para a gente pensar nas estratégias de defesa”, relata.

Luana Barbosa foi espancada pelos policiais Douglas Luiz de Paula, André Donizete Camilo e Fábio Donizeti Pultz, em abril de 2016. Segundo o Instituto Médico Legal (IML), a jovem perdeu a vida por conta de isquemia cerebral e traumatismo crânio-encefálico, resultado do espancamento sofrido.

A próxima audiência está marcada para o dia 26 de março.

Mobilização dos movimentos sociais

Cerca de 50 pessoas participaram da manifestação organizada pelos grupos Nenhuma Luana a Menos, coletiva Luana Barbosa e a União dos Coletivos Pan-Africanistas de São Paulo. O ato foi uma memória aos três anos do assassinato da jovem, em 8 de abril de 2016.

Entenda o caso

Negra, lésbica e moradora da periferia, Luana Barbosa foi abordada por policiais militares na periferia de Ribeirão Preto quando levava seu filho, de 14 anos, à aula de informática. A vítima foi espancada após solicitar presença policial feminina para ser revistada - o procedimento para revista feminina é recomendado pela legislação brasileira.

Depois de ter sido agredida durante a abordagem, a mulher foi encaminhada à Unidade de Emergência do Hospital das Clínicas (HC-UE), mas morreu cinco dias após o episódio.

De acordo com laudo do IML (Instituto Médico Legal), Luana morreu em consequência de isquemia cerebral e traumatismo crânio-encefálico, resultantes do espancamento sofrido.

A sessão de 18 de julho é resultado de processo que se desencadeou poucos após o caso completar dois anos e do Alma Preta preparar duas reportagens especiais sobre a morte: uma que fazia um balanço do caso e outra que denunciava a volta de um dos PMs acusados para trabalhar na rua.

Em 18 de abril, a Polícia Civil de Ribeirão Preto finalizou inquérito policial com a conclusão de que houve “lesão corporal seguida de morte”. Um dia depois, os três policiais tiveram a prisão solicitada pelo promotor de justiça Eliseu Berardo Gonçalves.

Em decisão publicada em 9 de maio, o juiz José Roberto Bernardi Liberal negou o pedido de prisão preventiva dos três policiais militares, com a justificativa de não haver elementos para a prisão dos policiais. O magistrado solicitou também audiência de instrução, que aconteceu em 18 de julho, no Fórum de Ribeirão Preto.

 O povo preto quer narrar suas histórias

Vivemos em um mundo de disputa. Nossa sociedade tem profundas marcas das desigualdades que foram desenhadas ao longo da história. Na atualidade parece que há espaço para debate, a tão falada representatividade está sobre a mesa.
Mas o povo preto quer mais. Queremos narrar nossas próprias histórias. Queremos ter direito de fala não somente quando essa é concedida. Somos múltiplos, somos muitos e plurais. A ótica de ser preto no Brasil se revela como um espectro, tamanha a diversidade dos povos ancestrais que nos originaram, e a variedade de experiências que podemos ter e ser. Pertencer. O que nos conecta é pele.

Apoie o Alma Preta e nos ajude a continuar contando todas essas histórias.

Vamos fazer jornalismo na raça!

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com