Documento assinado pela magistrada da 5ª Vara Criminal de Campinas (SP) pode ter revelado o aspecto racista do Judiciário na região

Texto / Simone Freire
Imagem / Reprodução

A carta de sentença de Klayner Renan Souza Masferrer, acusado e condenado pela tentativa de roubo de carro seguido de homicídio viralizou pelas redes sociais na últimas semanas.

Isso, porque o documento assinado pela juíza Lissandra Reis Ceccon, da 5ª Vara Criminal de Campinas, em São Paulo, pode ter revelado o aspecto racista do Judiciário na região.

No documento, a magistrada, ao relatar o depoimento de familiares da vítima, afirma que o acusado de latrocínio "não possui estereótipo de bandido" por ter "pele, olhos e cabelos claros".

Consta dos autos que, em fevereiro de 2013, Romário de Freitas Borges “estacionava o veículo na via pública, quando Klayner, de arma em punho, exigiu a entrega do veículo”. O réu foi condenado em 1ª instância, em 2016, a 30 anos de prisão.

Segundo o portal ACidadeON, que revelou o documento, o TJ-SP (Tribunal de Justiça de São Paulo) disse que nem o órgão nem a juíza poderiam se posicionar sobre a argumentação realizada em 2016

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com

Mais Lidos