fbpx
 

bannerlimpo

Evento é organizado pelo Alma Preta, o Painel BAP e o mandato da deputada estadual Leci Brandão (PC do B). O encontro discute a pesquisa Afrodescendentes e Política, que apresentou o perfil político da população negra em São Paulo

Texto / Pedro Borges
Imagem / Agência Brasil

A roda de entrevista “População negra e representatividade política” acontece em 17 de maio (quinta-feira), das 19h às 22h, na Assembleia Legislativa de São Paulo (ALESP), e tem a transmissão ao vivo do portal Alma Preta. A conversa conta com a presença do professor Juarez Xavier (UNESP), com a socióloga Mariana Antoniazzi (Painel BAP), a deputada Leci Brandão (PC do B), e com a mediação de Renata Rosa, da direção nacional da UNEGRO.

O diálogo se inicia com apresentação da pesquisa por Mariana Antoniazzi, uma das autoras do estudo Afrodescendentes e Política, que traçou o perfil político da população negra em São Paulo. Na sequência, Juarez Xavier, professor de jornalismo da UNESP, conta sobre a importância do material e o momento político em que vivemos.

Mariana Antoniazzi acredita ser de grande importância reunir ativistas, jornalistas e intelectuais negros para debater os resultados da pesquisa, que traça o perfil político da população negra em São Paulo.

“O envolvimento de políticos, intelectuais e jornalistas negros debatendo sobre o Resultado da Pesquisa Afrodescendentes & Política, realizada em novembro de 2017, significa uma quebra de padrão, uma vez que nós discutiremos esses resultados entre nós. O famoso 'nós por nós' acontece em oportunidades como essa”, afirma.

Para a atividade, serão convidados 12 jornalistas e intelectuais negros de diferentes portais, movimentos sociais e universidades para sabatinar os entrevistados em dois blocos de perguntas.

Leci Brandão (PC do B) ressalta a discussão como fundamental para entender o momento atual do país e para traçar estratégias para a garantia de espaços nas instâncias de poder para a população negra.

“Nós, população negra, precisamos estar nos espaços de poder, porque já passou do tempo. A gente está fazendo tanta coisa importante. Nós temos tido avanços que não são os ideias que nós queríamos. A nossa competência e capacidade estão aí, presentes, mas nós não estamos nos espaços de poder. Nós precisamos estar aí, urgentemente, nesses espaços”.

O Alma Preta fará também o acompanhamento pelas redes sociais para perguntas que possam vir pela internet. Interessados podem mandar questionamentos durante a transmissão e enviar de maneira prévia para o e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.. É possível também confirmar presença no evento criado no Facebook para a roda de entrevista.

 O povo preto quer narrar suas histórias

Vivemos em um mundo de disputa. Nossa sociedade tem profundas marcas das desigualdades que foram desenhadas ao longo da história. Na atualidade parece que há espaço para debate, a tão falada representatividade está sobre a mesa.
Mas o povo preto quer mais. Queremos narrar nossas próprias histórias. Queremos ter direito de fala não somente quando essa é concedida. Somos múltiplos, somos muitos e plurais. A ótica de ser preto no Brasil se revela como um espectro, tamanha a diversidade dos povos ancestrais que nos originaram, e a variedade de experiências que podemos ter e ser. Pertencer. O que nos conecta é pele.

Apoie o Alma Preta e nos ajude a continuar contando todas essas histórias.

Vamos fazer jornalismo na raça!

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com