fbpx

Bolsonaro facilitou posse de armas e beneficiou atiradores; Medida vai contra consenso científico de que crescimento de armas em circulação está ligado ao aumento de homicídios

Texto / Nataly Simões | Edição / Pedro Borges

O governo de Jair Bolsonaro editou, no final de junho, sete decretos referentes ao porte e posse de armas de fogo. O tema foi definido como prioritário desde a chegada do presidente da extrema direita ao cargo e estão vigentes três decretos que flexibilizam a política de desarmamento.

Bolsonaro precisou revogar os outros quatro decretos devido à pressão do Congresso Nacional que o fez recuar em alguns pontos, como o porte de arma para mais de 20 categorias profissionais, entre elas: guardas de trânsito, caminhoneiros, advogados e jornalistas.

Para Silvia Souza, advogada e assessora de advocacy da organização de direitos humanos Conectas, a edição e revogação dos decretos pelo presidente indica tensão no relacionamento com os poderes legislativo e judiciário.

"É importante frisar que no dia anterior ao julgamento das ações de inconstitucionalidade dos decretos editados em maio, o presidente os revogou editando novos decretos, inviabilizando o julgamento”, afirma.

Silvia pondera que as atitudes de Bolsonaro colocam em risco a segurança jurídica do país. “Isso é péssimo porque traz instabilidade jurídica e vulnerabilidade de direitos, além de prejudicar nossa política externa”.

Tais ações também aprofundam o quadro de violência contra a população negra, uma vez que vão na contramão do consenso científico de que o aumento da quantidade de armas em circulação está ligado à elevação do número de homicídios.

De acordo com o Atlas da Violência 2019, o Brasil registrou 65.602 homicídios em 2017, o equivalente a uma taxa de cerca de 31,6 mortes para cada cem mil habitantes. Do total, 75,5% das vítimas de assassinato eram indivíduos negros.

O levantamento foi realizado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e o Fórum Brasileiro de Segurança Pública, com base nos dados do Sistema de Informações sobre Mortalidade do Ministério da Saúde (SIM/MS).

Conheça os decretos vigentes

O decreto 9.845 facilita a aquisição de até quatro armas de fogo para serem mantidas dentro de casas e comércio. Para isso, o cidadão deve ter mais de 25 anos, ser aprovado em teste de aptidão técnica e psicológica e não ter antecedentes criminais.

Já o decreto 9.846 dispõe da compra de armas para caçadores, atiradores profissionais e colecionadores (CAC). As regras estabelecem que a categoria poderá adquirir até mil munições por ano para cada arma de uso restrito e 5 mil munições para as de uso permitido.

O último, o decreto 9.847 mantém a possibilidade de compra de fuzil ao definir esse modelo de arma como de uso permitido. As regras vigentes também passaram a permitir a importação de armas de outros países, mesmo quando há similares fabricadas no Brasil.

O mesmo decreto deu ainda mais 60 dias de prazo para o Exército definir quais calibres poderão ser comprados como armas de uso permitido.

 O povo preto quer narrar suas histórias

Vivemos em um mundo de disputa. Nossa sociedade tem profundas marcas das desigualdades que foram desenhadas ao longo da história. Na atualidade parece que há espaço para debate, a tão falada representatividade está sobre a mesa.
Mas o povo preto quer mais. Queremos narrar nossas próprias histórias. Queremos ter direito de fala não somente quando essa é concedida. Somos múltiplos, somos muitos e plurais. A ótica de ser preto no Brasil se revela como um espectro, tamanha a diversidade dos povos ancestrais que nos originaram, e a variedade de experiências que podemos ter e ser. Pertencer. O que nos conecta é pele.

Apoie o Alma Preta e nos ajude a continuar contando todas essas histórias.

Vamos fazer jornalismo na raça!

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com