A mostra apresenta parte do acervo do Instituto Baba Toloji, composto por mais de 11.500 peças africanas e afro-brasileiras

Texto / Divulgação 
Imagem /
Divulgação de algumas obras que estarão na exposição

Na quinta-feira (4), a exposição Ogbom Itan estreia no SESI Campinas Amoreiras às 19h. O projeto propõe um olhar descolonizado para a trajetória e a memória dos povos africanos, resgatando suas raízes por meio da arte. A exposição fica em cartaz até o dia 24 de novembro, de terça a sábado, das 9h às 20h, exceto feriados. A entrada é gratuita.

Do yorubá, família linguística nígero-congolesa, a palavra Ogbon significa sabedoria, criação e arte. Ao mesmo tempo, Itan remete à história verdadeira que será contada. É este o objetivo da exposição: contar a narrativa dos povos africanos sob a perspectiva deles.

A exposição reúne 57 obras de 11 países africanos, como esculturas e máscaras em madeira, bronze e marfim, pinturas, ornamentos, indumentárias, objetos religiosos, decorativos e instrumentos musicais.

Cada item contribui para um novo olhar sobre a história da África, suas singularidades e riquezas, ressaltando as diferentes características e composições dos povos. Além disso, a mostra estabelece uma conexão entre a cultura brasileira e as raízes africanas, dando um novo sentido à história do continente.

A mostra leva ao público parte do acervo do Instituto Cultural Babá Toloji, que contempla o trabalho de países como a Costa do Marfim, Nigéria, Gana, Congo, Benin, Serra Leoa, Mali, Camarões, Angola, Gabão e Etiópia. A coleção possui 11.500 peças provindas desse continente, datadas dos séculos XX e XXI. Fundado em 1999 pelo colecionador, artista e líder religioso de culto afro, Luiz Antônio Castro de Jesus, o instituto atua diretamente na difusão da arte e da cultura africana.

Sobre a Curadora

Andrea Mendes é baiana, residente em Campinas há 20 anos e graduada em Artes Visuais pela PUC Campinas. Andrea é arte educadora, artista visual, curadora e militante. 

Os seus principais projetos foram a Exposição coletiva Pretas IN Corporações, que passou pela Pinacoteca de Jundiaí, Estação Cultura Campinas e Galeria da PUC Campinas em 2018; Exposição coletiva e itinerante “Elas e nós, luto e luta”, feita com curadoria coletiva em 2017; Memórias Históricas do Hip Hop (PROAC 2016-2017); e Pretitudes, Representatividade para além da representação, na Semana de Audiovisual (SEDA) de 2016. 

Como artista sua poética está ligada a suas memórias e militâncias. Com elas, Andrea desenvolveu trabalhos de performance, como Cemitério de Mulheres, na qual pesquisou sobre feminicídio, e circulou, entre outros locais, no Encontro Emergências RJ de 2015, no Encontro Estadual de Estudantes Negros em Ubatuba no ano de 2016, Universo PUC, que ocorreu no Shopping Iguatemi Campinas, em 2017, e no Festival do Instituto de Artes (FEIA) na Unicamp em 2017. Outra performance foi Animalesca, que foi executada na abertura da Exposição Ela e Nós, Luto e Luta, de 2017. Com o coletivo Preta Performance, apresentou Negrotério na 32ª Bienal de São Paulo e no Parque da Juventude.

Sobre o Instituto

Luiz Antonio Castro de Jesus, mais conhecido como Toloji, é um baiano que no dia 20 de junho de 1999, ao receber o título de cidadão campineiro em sessão solene da Câmara dos Vereadores do Município de Campinas, concretizou um sonho: inaugurou o Instituto Cultural Babá Toloji, que leva seu nome de babalorixá (pessoa responsável por uma casa de candomblé). 

Muitas de suas esculturas já tinham sido expostas em espaços culturais, por isso Toloji percebeu que havia a necessidade delas terem lugar apropriado para exposição e visitação do público. 

Atualmente, os maiores objetivos do Instituto Cultural Babá Toloji são preservar a memória histórica dos registros afro-brasileiros, assim como difundir a arte africana nos seus vários segmentos.

SERVIÇO

Ogbon Itan - A arte e a história das Áfricas no Brasil
Local: Teatro do SESI Campinas (Amoreiras) 
Data da vernissage: 4 de outubro às 19h
Datas e horários: De 4 de outubro a 24 de novembro. De terça a sábado, das 9h às 20h, exceto feriados.
Informações: 19 3772 4169 ou caccampinas1@sesisp.org.br
Entrada gratuita

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Onde Estamos

Endereços e Contatos
Rua Tonelero 201, ap 102. CEP: 05056-000
Vila Ipojuca, São Paulo
contato(@)almapreta.com

Mais Lidos