fbpx

Paralisação, com adesão nacional, reuniu cerca de 2 mil trabalhadores na avenida Paulista neste 1º de julho

Texto: Juca Guimarães e Pedro Borges I Edição: Nataly Simões | Imagem: Pedro Borges

A paralisação nacional dos entregadores de aplicativo por melhores condições de trabalho mobilizou diversas capitais do Brasil nesta quarta-feira (1). Na avenida Paulista, região central de São Paulo, aproximadamente 2 mil trabalhadores prestadores de serviço para empresas como UberEats, iFood, Rappi, James e Loggi se reuniram em protesto por volta das 14h.

“Estão escravizando a gente. Na UberEats eu estou bloqueado desde a Páscoa. Eu ligo e o suporte deles não ajuda em nada. Está horrível trabalhar em aplicativo. Eles não ouvem a gente. Estão pagando R$ 0,50 por km”, conta Wesley Santana, que trabalha em cinco aplicativos.

Segundo a Pesquisa do Perfil dos Entregadores Ciclistas de Aplicativo, elaborada pela Aliança Bike, a média salarial da categoria é de R$ 963 por mês e pelo menos 14h de trabalho por dia. Do total, 71% dos trabalhadores são negros.

Nas redes sociais, o ato deste primeiro dia de julho também gerou uma mobilização significativa com a hashtag #BrequeDosApps, onde as pessoas ressaltam a importância de não realizar pedidos nos aplicativos.

João Paulo dos Santos trabalha em três aplicativos e conta que está bloqueado em outros. “São uns enganadores. No começo até pagam mais ou menos, dão bônus e tal, mas quando atingem um número alto de trabalhadores, fazem o que querem e bloqueiam sem nem falar o motivo”, afirma.

Santos lembra ainda que os riscos do trabalho recai somente sobre os entregadores. “A moto é nossa, a gasolina é nossa, a vida é nossa. E não está dando. Chegou no limite. Vamos continuar parando até resolver isso”, argumenta.

Para Clarisse Stavola, assessora política do Movimento dos Entregadores Antifascistas, coletivo que tem se destacado nas capitais, o apoio de diferentes regiões do país faz da paralisação um momento histórico. “Estamos recebendo vídeos de todas as capitais e apoio de muitas pessoas. É uma união da classe trabalhadora como a gente não vê há muitos anos”, conta Clarisse Stavola, assessora política do Movimento dos Entregadores Antifascistas.

A comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-SP) atuou como mediadora do ato a fim de garantir que não houvesse repressão contra os manifestantes. “Estamos vivendo um momento interessante do ponto de vista da mobilização popular em todo o mundo”, ressalta Ana Michaela Jacomini, advogada do Núcleo de Ações Emergenciais da comissão.

Nas redes sociais, sem citar a paralisação, a iFood afirmou ter investido cerca de R$ 25 milhões em iniciativas de conforto e segurança para os entregadores. Pela manhã, a coluna do jornalista Leonardo Sakamoto, no portal UOL, publicou a transcrição de áudios recebidos pelos entregadores com ameaças caso participassem dos protestos.

De acordo com a coluna, os áudios seriam de um Operador de Logística (OL), espécie de intermediário entre os aplicativos e entregadores que trabalham em áreas e horários pré-determinados. Quem não entra na lista de um OL tem que trabalhar na opção de nuvem, recebendo menos chamadas de entrega.

Conforme apurado pelo Alma Preta, durante o protesto na avenida Paulista muitos entregadores preferiram não se identificar ou dar entrevista por receio de serem bloqueados nos aplicativos e ficarem sem fonte de renda. Em recente reportagem, o Alma Preta também ouviu a versão das empresas sobre as acusações de bloqueio e más condições de trabalho.

 O povo preto quer narrar suas histórias

Vivemos em um mundo de disputa. Nossa sociedade tem profundas marcas das desigualdades que foram desenhadas ao longo da história. Na atualidade parece que há espaço para debate, a tão falada representatividade está sobre a mesa.
Mas o povo preto quer mais. Queremos narrar nossas próprias histórias. Queremos ter direito de fala não somente quando essa é concedida. Somos múltiplos, somos muitos e plurais. A ótica de ser preto no Brasil se revela como um espectro, tamanha a diversidade dos povos ancestrais que nos originaram, e a variedade de experiências que podemos ter e ser. Pertencer. O que nos conecta é pele.

Apoie o Alma Preta e nos ajude a continuar contando todas essas histórias.

Vamos fazer jornalismo na raça!

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com