fbpx

Ministro da Justiça disse, em audiência no Senado, que a denúncia do movimento negro contra seu pacote é fruto de “incompreensão”

Texto / Simone Freire | Imagem / Pedro Borges

“Estes grupos que foram reclamar [na Comissão Interamericana de Direitos Humanos, CIDH] quanto ao projeto, com todo respeito, é fruto de incompreensão. Às vezes, um fruto de preconceito, às vezes, fruto de alguma influência político-partidária”. Esta declaração foi dada pelo ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, durante sua participação em uma audiência no Senado Federal, nesta quarta-feira (8).

Para Winnie Bueno, Iyalorixá, bacharel e mestranda em Direito pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos e integrante da Rede de Ciberativistas Negras no Rio Grande do Sul, a primeira coisa a se apontar sobre a declaração do ministro é de que ela é racista.

Ela justifica sua avaliação frisando que uma série de outras entidades apresentaram críticas bastante contundentes ao pacote, como é o caso da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), mas que estas, em nenhum momento, foram questionadas pelo ministro. “Moro vai questionar a compreensão das entidades a respeito do projeto de lei quando estes questionamentos partem de entidades e organizações dos movimentos sociais negros”, disse.

A fala do ministro diz respeito ao documento criado por diversas entidades e organizações do movimento negro brasileiro, protocolado e aceito na CIDH, órgão vinculado à Organização dos Estados Americanos (OEA), em fevereiro. No documento, os movimentos denunciam diversos pontos que tendem a prejudicar diretamente a realidade dos afrodescendentes no país.

A iniciativa foi citada na audiência do Senado pela deputada Aúrea Carolina (Psol), que pediu uma posição do ministro a respeito dos apontamentos feitos pelos movimentos no documento, e sobre a participação de uma comitiva na 172ª audiência da CIDH, nesta quinta-feira (9), em Kingston (Jamaica).

Para a parlamentar, o ministro agiu de forma leviana e incompatível com o cargo que ocupa, uma vez que desqualificou as entidades que apresentaram a denúncia na CIDH como se o grupo tivesse preconceito e interesses partidários contra o "pacote anticrime".

“O ministro demonstra que não só desconhece a seriedade do grupo como também a vasta fundamentação em estudos e dados que comprovam a realidade do genocídio da população negra no Brasil. A fala do Moro expõe um governo baseado em mentiras, ataques e desinformação, que persegue a sociedade civil, despreza a democracia e viola tratados internacionais de direitos humanos”, disse.

Winie Bueno é uma das integrantes da comitiva que esteve na Jamaica para denunciar o pacote de Moro. Segundo ela, por mais que o governo de Jair Bolsonaro (PSL) esteja comprometido em cortar e congelar verbas da Educação, as políticas públicas promovidas pela luta do movimento social negro proporcionou que pessoas negras estivesse e estejam nas universidades, inclusive, em cursos de Direito.

“Há pessoas negras formadas em Direito que entendem de maneira bastante técnica o conteúdo deste projetos de lei e que podem dizer, sem nenhuma dúvida, que em uma série de medidas ele é flagrantemente inconstitucional e completamente em desacordo com uma série de tratados internacionais que tratam de direitos humanos nos quais este país é signatário”, disse.

Além disso, ela salienta que, além dos quesitos técnicos suficientes para entender a avaliar as mudanças propostas pelo Ministério da Justiça, todos os representantes dos movimentos e entidades articulados contra o pacote tem um diferencial.

“As vivências das pessoas que compõem estas organizações lhes dá conhecimento para compreender de maneira plena o que está contido nestas propostas de alteração tanto de maneira implícita quanto de maneira explícita”, disse.

 O povo preto quer narrar suas histórias

Vivemos em um mundo de disputa. Nossa sociedade tem profundas marcas das desigualdades que foram desenhadas ao longo da história. Na atualidade parece que há espaço para debate, a tão falada representatividade está sobre a mesa.
Mas o povo preto quer mais. Queremos narrar nossas próprias histórias. Queremos ter direito de fala não somente quando essa é concedida. Somos múltiplos, somos muitos e plurais. A ótica de ser preto no Brasil se revela como um espectro, tamanha a diversidade dos povos ancestrais que nos originaram, e a variedade de experiências que podemos ter e ser. Pertencer. O que nos conecta é pele.

Apoie o Alma Preta e nos ajude a continuar contando todas essas histórias.

Vamos fazer jornalismo na raça!

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com