fbpx

O Encontro em Defesa do Audiovisual Brasileiro reuniu profissionais do setor em seis capitais do país

Texto / Amanda Lira e Gabriel Araújo | Imagem / Gabriel Araújo | Edição / Simone Freire

Cineastas, estudantes e profissionais do setor audiovisual se reuniram, no dia 29 de abril, em diferentes capitais do Brasil - Belo Horizonte (MG), São Paulo (SP), Rio de Janeiro (RJ), Curitiba (PR), Salvador (BA) e Aracaju (SE) - para discutir os impasses relacionados ao cenário presente do setor audiovisual brasileiro.

As discussões do encontro, mobilizado pela Associação dxs Profissionais do Audiovisual Negro (APAN), vêm em um momento delicado: se o cenário é de crise para o audiovisual como um todo, cineastas negros e negras ainda se encontram no fim da cadeia de fomento, com dificuldades para acessar aos editais e às políticas públicas que sustentam o setor.

“É impressionante você entrar numa grande produção do cinema e não ver negro nenhum. Nem mulher!”, constatou Cida Reis, produtora de elenco do filme “Vazante”, de Daniela Thomas e diretora de “Marias do Misericórdia”, de 2007.

A cineasta ainda fez referência ao estudo mais recente realizado pela Ancine, revelando que nenhuma mulher negra dirigiu um longa lançado comercialmente em 2016. Segundo o levantamento, dos 142 filmes nacionais lançados naquele ano apenas 2% tinha na direção um homem negro.

Ainda segundo a pesquisa, apenas um a cada cinco filmes foram dirigidos por mulheres brancas, enquanto homens brancos dominavam o setor com 75,4% das direções. “É um momento muito propício para discutir com a Ancine a questão do fomento. A gente só ganha se a Ancine tiver uma política audiovisual de fomento”, disse Reis.

Políticas específicas para grupos à margem

“Quando corta [o orçamento] como um todo, esses grupos que já eram marginalizados vão ser ainda mais”, sinalizou Pablo Moreno, doutor em Ciências da Comunicação pela ECA-USP e professor dos cursos de Comunicação e Cinema da PUC-MG, durante o encontro.

Leo Vidigal, professor da Escola de Belas Artes da UFMG, concordou. Ele vê o cenário com preocupação, principalmente num momento em que a universidade, ainda um importante espaço de formação para novos cineastas, se tornou mais inclusiva e democrática.

Já o cineasta Gabriel Martins aproveitou de sua experiência para deixar um conselho aos presentes. “Para além da gente ser otimista ou pessimista, acho que é o momento de a gente ser realista. É importante estar informado”, aconselhou Martins, que é um dos produtores, diretores e roteiristas da Filmes de Plástico, produtora de Contagem que completa dez anos em 2019. No ano passado, a produtora levou o Candango de melhor filme em Brasília (DF) com o longa “Temporada”, de André Novais Oliveira.

O setor audiovisual vive um momento de crise sobretudo depois que o diretor-presidente da Ancine, Christian de Castro, suspendeu o repasse financeiro para a produção de filmes e séries nacionais. O anúncio, realizado na véspera do feriado do dia 18 de abril, é mais um capítulo da longa questão envolvendo a Agência Nacional do Cinema (Ancine) e o acórdão do Tribunal de Contas da União (TCU).

“Acho que pra gente que está começando no cinema é interessante estar discutindo isso”, afirmou Jacson Dias, produtor audiovisual da Ponta de Anzol, membro da APAN e um dos organizadores do encontro. “Esse governo achou que a gente ia desistir e a gente não desiste fácil. Então eu acho que só está começando. É nesse momento de convulsão social que a gente tem mais força”, reforça Jacson, que vê na emergência de cineastas da negritude e da periferia um importante ponto de virada para o audiovisual brasileiro como um todo.

Foto 13 SPO evento reuniu cineastas e pesquisadores do setor audiovisual. 

Embora mobilizados por negros e negras, os encontros contaram com a participação de diversos integrantes do setor. Entre outros temas, os participantes discutiram a necessidade da efetivação de políticas públicas que garantam a manutenção das conquistas alcançadas, com destaque para a regionalização das verbas.

Presente no encontro promovido em São Paulo, a presidente da APAN, Viviane Ferreira, reconhece os resultados da discussão difundida pelo país. “O saldo positivo foi perceber o setor inteiramente mobilizado e os profissionais do audiovisual apropriados de sua identidade e dispostos a defender a indústria audiovisual nacional”, ressalta. “No final das contas, todos nós saímos conscientes de que a grande batalha dos novos tempos políticos do país é a defesa da soberania nacional”, destaca, mencionando a importância de defender a produção brasileira frente ao conteúdo e capital estrangeiro.

Fundada em maio de 2017, a Associação dxs Profissionais do Audiovisual Negro está presente em todo o território nacional, trazendo uma perspectiva inclusiva, com recorte racial e de gênero, para discutir as políticas audiovisuais a nível nacional. Atualmente, 213 participantes compõem o grupo da APAN no WhatsApp.

Segundo Viviane Ferreira, os “profissionais negros não se permitirão estar às margem do processo produtivo da cadeia audiovisual. As empresas vocacionadas para produzir, distribuir e exibir conteúdos identitários buscam espaço no mercado, e estão ávidas para comunicar com 51% de pessoas pardas e negras que formam a população brasileira”.

Entenda o impasse com o TCU

Embora existam investimentos privados ou diretos em algumas produções específicas do cinema nacional, é possível dizer que o setor hoje sobrevive por meio do incentivo público. Essa verba é acessada através da Ancine e do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA) ou de políticas de fomento a níveis municipal e estadual.

Por se tratar de dinheiro público, o proponente que angaria recursos para sua produção audiovisual precisa prestar contas de todo o dinheiro utilizado, seguindo determinações precisas do Manual de Prestação de Contas da Ancine. Acontece que, por conta da enorme quantidade de projetos em andamento em todo o território brasileiro, a Ancine não dispõe de pessoal para analisar, uma a uma, todas as prestações de contas enviadas. É nesse ponto que o acórdão do TCU toca.

“O TCU não tem dimensão do tamanho que é a produção audiovisual do Brasil”, critica Renato Cândido, vice-presidente da APAN. O Tribunal critica o modelo Ancine+Simples, forma encontrada pela Agência em 2015 para agilizar os processos de análise de prestações de contas. O ponto é que tal modelo funciona por amostragem: apenas 5% das prestações enviadas são analisadas pelos funcionários da empresa.

“De fato, existem prestações de contas que não foram avaliadas. Mas o próprio sistema de avaliação de prestação de contas é estatístico: você não avalia todas as prestações, você avalia uma parte. E essa estatística já se encontra aprovada pela Controladoria Geral da União, a CGU. Ela é entendida como um bom mecanismo de observação”, afirma Cândido.

A APAN defende o modelo, porém destaca que é necessário um aprimoramento na análise das prestações. Contudo, seu vice-presidente vê, na atitude do TCU, um claro exemplo do uso da Justiça para o aparelhamento do mercado audiovisual nacional. “Isso vai causar desemprego, vai causar uma quebra no setor. Quanto mais tempo ficarmos nessa, vai ser pior”, explica.

Enquanto a situação não se regulariza, a APAN propõe atuar com amparo jurídico para os associadas e as associadas que estão com projetos embargados pela suspensão do repasse dos recursos.

 O povo preto quer narrar suas histórias

Vivemos em um mundo de disputa. Nossa sociedade tem profundas marcas das desigualdades que foram desenhadas ao longo da história. Na atualidade parece que há espaço para debate, a tão falada representatividade está sobre a mesa.
Mas o povo preto quer mais. Queremos narrar nossas próprias histórias. Queremos ter direito de fala não somente quando essa é concedida. Somos múltiplos, somos muitos e plurais. A ótica de ser preto no Brasil se revela como um espectro, tamanha a diversidade dos povos ancestrais que nos originaram, e a variedade de experiências que podemos ter e ser. Pertencer. O que nos conecta é pele.

Apoie o Alma Preta e nos ajude a continuar contando todas essas histórias.

Vamos fazer jornalismo na raça!

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com