fbpx
 

Segundo o projeto, o banco genético brasileiro deverá reunir informações do DNA de todos os condenados em primeira instância por crimes dolosos (quando há a intenção)

Texto / Simone Freire* | Imagem / Eduardo Saraiva / A2img

A ampliação do uso de informações genéticas, multibiométricas e balísticas em investigações criminais foi tema de audiência na Câmara dos Deputados, nesta terça-feira (14), em Brasília (DF).

A atividade faz parte de uma série de encontros realizados pelo grupo de trabalho que analisa o pacote de mudanças para o Código Penal e Eleitoral (PLs 882/19, 10372/18 e 10373/18) proposto pelo ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro.

Segundo o projeto, o banco genético brasileiro deverá reunir informações do DNA de todos os condenados em primeira instância por crimes dolosos (quando há a intenção), ou mesmo aqueles que não foram julgados. Atualmente, apenas quem cumpre pena por crime hediondo ou com violência de natureza grave integra o banco de dados - que existe desde 2012.

Maria José Menezes, bióloga, mestre em Patologia Humana e coordenadora do Núcleo de Consciência Negra da Universidade de São Paulo (USP), foi uma das presentes no debate. Para ela, a conduta é totalmente desnecessária, sem estudos de eficácia - uma vez que não se tem certeza que a informação genética contribuirá de alguma forma para as investigações - e pode abrir precedentes para diversas implicações futuras, já que existe o risco de estigmatizar pessoas e atingir seus familiares.

Zeze Capa

Foto: Pedro Borges / Alma Preta

"As informações contidas em um banco de dados tem as informações do indivíduo, mas também parcela dos dados genéticos dos ancestrais, pais, avós, dos descendentes e dos irmãos, primos, enfim, com todos parentescos consanguíneo. Isto significa que estes bancos têm muito mais informações do que parecem", disse.

Contrária à proposta, durante o debate Menezes enfatizou a necessidade de um banco genético ser extremamente criterioso e justificável para garantir a proteção à intimidade. Atualmente, explica ela, Constituição Federal protege estes dados através do princípio da dignidade humana. A Declaração Internacional sobre os Dados Humanos da Unesco, de 2004, “considera o genoma humano patrimônio da humanidade e normatiza em nível internacional todas as etapas de manipulação deste material e os dados extraídos."O vazamento de informações genéticas podem causar graves impactos sociais", disse, em entrevista ao Alma Preta

Bancada da Bala

A participação de Menezes no debate é parte da articulação de diversas entidades do movimento negro organizado, que reivindicou a presença de especialistas negros nas audiências para garantir análises sobre o pacote do ponto de vista racial.

Isso porque a população negra pode ser uma das mais impactada pelas mudanças propostas por Moro, uma vez que quase dois terços da população carcerária é negra, segundo o Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias (Infopen). Das 493.145 pessoas presas que tiveram raça, etnia e cor classificadas pelo censo - que abrange a população carcerária até junho de 2016 -, 64% são negras.

"Nossa avaliação é que a proposta é desproporcional, desnecessária e uma violência contra os direitos humanos. Alguns membros da Bancada da Bala falaram em audiência pública que o interesse do governo é ter acesso aos dados genéticos da população carcerária. Mas sabemos que eles, na realidade, terão de parcela da população negra brasileira. Nossa estimativa é de que se este item do decreto for aprovado o governo terá dados de cerca de 2% da nossa população, sendo a comunidade negra quem estará majoritariamente exposta com estas informações. Isto, na nossa avaliação, é extremamente grave e causa, mais uma vez, uma enorme assimetria social", pontuou.

Também estiveram presentes na audiência, o defensor público do Rio de Janeiro Pedro Cariello, o assessor de Advocacy do Instituto Sou da Paz Felippe Angeli e o presidente da Associação Brasileira de Criminalística Leandro Cerqueira Lima.

Para Cariello, a medida de ampliar o banco de dados genéticos gerará custos desnecessários. “Autores de crimes menos violentos, como furto, estelionato e os de colarinho branco, terão o material genético coletado simplesmente pelo dolo, bastando a condenação em 1ª instância”, observou.

Denúncia internacional

Articuladas, além de participações nas audiências, as organizações do movimento negro denunciaram o pacote de Moro na Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), órgão ligado à Organização dos Estados Americanos (OEA), e participaram de uma audiência, em Kingston (Jamaica), no dia 9 de maio. As ponderações foram sintetizadas em um documento enviado à organização em 20 de fevereiro.

Participaram da audiência "Sistema Penal e denúncias de violações dos direitos das pessoas afrodescendentes no Brasil" na CIDH, Anielle Franco (Instituto Marielle Franco/RJ); Boris Calazans(Uneafro/SP); Danilo Serejo (CONAQ/MA); Douglas Belchior (Uneafro/SP); Gizele Martins (Fórum Grita Baixada e Mov. de Favelas/RJ); Iêda Leal de Souza (Movimento Negro Unificado/GO); Lia Manso (Criola/RJ); Maria Sylvia (Instituto da Mulher Negra Geledés/SP); Nilma Bentes (Marcha de Mulheres Negras/PA); Pedro Borges (Alma Preta jornalismo/SP); Rute Fiuza (Mães de Maio/BA); Sandra Maria da Silva Andrade (CONAQ/MG); Sandra Pereira Braga (Conaq/GO) e Winnie Bueno (Matriz Africana/RS).

*Com informações da Agência Câmara de Notícias.

 O povo preto quer narrar suas histórias

Vivemos em um mundo de disputa. Nossa sociedade tem profundas marcas das desigualdades que foram desenhadas ao longo da história. Na atualidade parece que há espaço para debate, a tão falada representatividade está sobre a mesa.
Mas o povo preto quer mais. Queremos narrar nossas próprias histórias. Queremos ter direito de fala não somente quando essa é concedida. Somos múltiplos, somos muitos e plurais. A ótica de ser preto no Brasil se revela como um espectro, tamanha a diversidade dos povos ancestrais que nos originaram, e a variedade de experiências que podemos ter e ser. Pertencer. O que nos conecta é pele.

Apoie o Alma Preta e nos ajude a continuar contando todas essas histórias.

Vamos fazer jornalismo na raça!

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com