fbpx

Reunião fechada faz valer a vontade do governador Rui Costa e escolhe a Major Denice

Texto / Pedro Caribé* |  Imagem / Acervo pessoal

O sonho de uma candidata à prefeita com trajetória nos movimentos negros e de esquerda nas eleições de 2020 chegou ao fim no Partido dos Trabalhadores (PT) de Salvador. Neste domingo, dia 26 de abril, os delegados do diretório municipal decidiram negar a legenda à Vilma Reis, durante reunião virtual, devido o isolamento do Covid-19, porém fechada, sem acesso nem mesmo aos demais filiados.

O escore final foi de 32 votos para a Major Denice Santiago, sete votos para o ex-ministro Juca Ferreira, e seis votos para Vilma Reis. As pré-candidaturas da secretária Fabya Reis e do deputado estadual Robinson Almeida saíram na reta final em apoio à Major, conforme o previsto. Agora o partido, que nunca comandou a cidade, tentará vencer Bruno Reis, pré-candidato do presidente nacional do DEM, e do atual prefeito da capital, ACM Neto.

Reconhecida a derrota, Vilma mantém o otimismo: "Só tenho a agradecer a forma como fui recebida nas ruas e nas redes sociais. Não vamos terceirizar a nossa voz no enfrentamento aos que se acham donos da cidade". Ela vê com reticências a opção pela militarização da política, e também as condições na escolha final, sem debate entre todos os pleiteantes, e as poucas condições para participação dos filiados.

O saldo positivo está ao impulsionar o PT a ter uma candidata negra, e destravar um debate dos problemas da cidade, sintetizado na elaboração de um programa de governo produzida por um conjunto de entidades e militantes: "Nós vamos seguir na popularização deste programa, e vamos construir um comitê coletivo comprometido com a eleição de vereadores e vereadoras de esquerda."

Lançada no dia 02 de julho de 2019, dia da independência da Bahia, a pré-candidatura de Vilma Reis assumiu o slogan Agora É Ela!. Tornou-se referência no país como integrante de uma resposta ao brutal assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL-RJ). No caso de Salvador, capital de maior proporção de negros no país, 82% segundo o IBGE, jamais elegeu-se um gestor negro nas urnas, e nem mesmo os principais partidos de esquerda, PT, PCdoB e PSB, têm no seus histórico candidaturas negras.

Vilma se constitui ainda no movimento estudantil na redemocratização; socióloga, residiu na Europa e EUA, defendeu dissertação de mestrado na UFBA em 2005 sobre a política de segurança nos bairros populares de Salvador. Já era uma liderança do movimento de mulheres negras quando assume a Ouvidoria Geral da Defensoria Pública do Estado da Bahia (2013-2019), e ganha reconhecimento por transformar o acesso ao sistema de Justiça no país.

A candidata do governador

A decisão do PT fica sob responsabilidade do governador do estado, Rui Costa. Ele tentou primeiro emplacar o ex-secretário de ACM Neto, Guilherme Bellitani, com apoio do capital imobiliário. Só que a ideia de uma candidatura negra cresceu, e também a deliberação nacional do partido de lançar candidatura própria. Foi então que preferiu filiar a Major Denice de última hora a ter que ceder a uma candidatura fora do seu controle.

Denice Santiago ganhou visibilidade na condução da Ronda Maria da Penha, voltada à proteção de mulheres vítimas de violência. Ainda assim, a escolha de uma policial militar reativou a crítica dos movimentos de direitos humanos ao mandato de Rui Costa frente a cumplicidade com a letalidade das ações policiais no estado, aja vista a declaração que justificou a chacina do Cabula em 2015, ao comparar a operação que matou 13 pessoas com "um artilheiro na frente do gol".

Rui goza de alta popularidade, foi reeleito com mais de 70% dos votos válidos em 2018, e tem se notado por liderar um consórcio de governadores do nordeste no combate a pandemia do Covid-19 em contraposição a ação negacionista do presidente Jair Bolsonaro. Agora as pressões no campo governista na Bahia vão para cima da retirada da pré-candidatura da também negra Olívia Santana (PCdoB).

*Pedro A. Caribé, jornalista, doutor em comunicação na Universidade de Brasília.

 O povo preto quer narrar suas histórias

Vivemos em um mundo de disputa. Nossa sociedade tem profundas marcas das desigualdades que foram desenhadas ao longo da história. Na atualidade parece que há espaço para debate, a tão falada representatividade está sobre a mesa.
Mas o povo preto quer mais. Queremos narrar nossas próprias histórias. Queremos ter direito de fala não somente quando essa é concedida. Somos múltiplos, somos muitos e plurais. A ótica de ser preto no Brasil se revela como um espectro, tamanha a diversidade dos povos ancestrais que nos originaram, e a variedade de experiências que podemos ter e ser. Pertencer. O que nos conecta é pele.

Apoie o Alma Preta e nos ajude a continuar contando todas essas histórias.

Vamos fazer jornalismo na raça!

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com