fbpx
 

bannerlimpo

Embora seja um dos maiores vencedores da história da Fórmula 1 e o melhor piloto em atividade, o atleta é alvo de uma campanha racialmente orquestrada para ofuscar e diminuir a magnitude das suas conquistas

Texto: Henrique Oliveira | Imagem: Divulgação/Mercedes

Confesso que eu não acompanho Fórmula 1, assim como a grande maioria dos brasileiros, o meu parco vínculo estabelecido com o esporte foi graças a Ayrton Senna, meu pai até conta que eu chorei quando ele morreu, em 1994. Não lembro muito bem disso, mas é provável que sim. Eu acabei gostando mais de futebol, acho um saco ficar acompanhando os carros darem 40, 50 ou mais voltas para sabermos quem é o vencedor.

A questão é que em 2020, a Fórmula 1 voltou ao meu radar, não bem a Fórmula 1, mas um piloto em especial, Lewis Carl Davidson Hamilton, e não só pelas suas conquistas profissionais. O que chamou a atenção foi a sua atuação política enquanto homem negro. Hamilton se tornou a voz do antirracismo na competição, ao se engajar nos protestos “Black Live Matter”, e denunciar o silêncio da F1, um “esporte dominado por brancos”, como ele bem pontuou. Recentemente, a Federação Internacional do Automobilismo proibiu os pilotos de vestirem camisas por cima do macacão durante a cerimônia do pódio, após Lewis Hamilton usar uma camisa pedindo a prisão dos policiais que mataram a paramédica negra Breonna Taylor, em março, nos EUA, depos de invadirem a sua casa na cidade de Louisville.

Diferente dos outros pilotos, que são de famílias brancas e ricas, desde o Kart, Hamilton sempre foi o único negro e de família pobre, num certo momento, o pai dele, Anthony Hamilton, chegou a ter três empregos para manter vivo o sonho do filho. Hamilton estreou na F1 em 2007, em 2013 se tornou piloto da Mercedes, sendo campeão mundial de 2014 a 2019, e atualmente é líder isolado com 230 pontos, uma diferença de 69 pontos do segundo colocado.

Após vencer o GP da Alemanha, no domingo (11), Hamilton igualou o número de 91 vitórias do ex- piloto alemão Michael Schumacher, inclusive, Mick Schumacher, filho do ex-piloto, entregou um capacete do pai, como forma de premiar Hamilton pelo recorde alcançado. Os números de Hamilton são inquestionáveis, com 35 anos, o piloto da Mercedes é hexacampeão mundial, faltando muito pouco para se tornar hepta, nessa mesma idade o piloto brasileiro Ayrton Senna era tricampeão mundial. Michael Schumacher, por exemplo, conseguiu o número de 91 vitórias em 21 anos como piloto, Hamilton alcançou a sua marca em 13 anos.

Dizer que os números de Lewis Hamilton são inquestionáveis não significa que ele não possa ser criticado, porém, o que estamos vendo é uma tentativa de retirada dos seus méritos. Segundo o ex-piloto Jacky Stewart, os números de Hamilton não o colocam entre os maiores pilotos da F1, como Juan Manuel Fangio e Jim Clark, pois atualmente os pilotos realizam mais corridas do que no passado e a pressão seria menor.

Jacky Stewart também minimizou a importância da diversidade étnico racial na competição após as críticas feitas por Lewis Hamilton. Willy T. Ribbs, o primeiro piloto negro a testar pela F1, em 1985, saiu em defesa de Hamilton e falou que Jacky Stewart foi o piloto mais racista e hostil que ele conheceu.

Hamilton é o primeiro piloto negro da F1 e seu ativismo antirracista também incomodou o ex- piloto Mario Andretii, que falou que Hamilton se converteu num “militante”, que ele sempre foi aceito, ganhou o respeito de todo mundo e estava criando um problema que não existia. Como que não existe um problema racial na Fórmula 1, quando em mais de 70 anos de existência do esporte, Hamilton é o primeiro e único piloto negro?

O ex- chefe da Fórmula 1, Bernie Ecclestone, criticou a forma pela qual Lewis Hamilton se veste dizendo que se dependesse do estilo que o atleta se veste, ele nunca saberia que o mesmo era um piloto, comparando Hamilton com dois pilotos brancos Schumacher e Piquet, que segundo ele, “estavam vestidos para o papel.” Até Kimi Raikkonen resolveu “trollar” Hamilton por causa das suas roupas, abordando a evolução dos pilotos de F1. Só lembrando que Hamilton é envolvido com a moda, e chegou a lançar uma coleção de roupas agênero pela grife Tommy Hilfiger.

Ecclestone também tentou diminuir as conquistas de Hamilton ao falar que o ex- piloto alemão Michael Schumacher dirigia sozinho e Hamilton recebe auxílio técnico de pessoas sobre pressão dos pneus e velocidade nas curvas, o que facilitaria as suas vitórias e títulos. Quando Hamilton começou o seu ativismo antirracista, Ecclestone chegou a dizer que os afro-americanos são mais racistas que os brancos. Não podemos nos esquecer, que em entrevista concedida em 2009, para o “The Times”, Bernie elogiou os regimes ditatoriais, inclusive Adolf Hitler.

O jornalista da Rede Globo, Guga Chacra, no seu perfil no Twitter falou que Hamilton é um gênio, mas não enfrentou outros gênios na Fórmula 1. Vejam, para Chacra, Hamilton é um grande piloto, entretanto, o que colaborou não foi apenas a sua qualidade, mas a ausência de adversários a altura. Quando se é negro existe sempre um “mas” ou outros artíficios relativizadores do mérito.

Lewis Hamilton respondeu às críticas dos ex-pilotos de Fórmula 1 prometendo ser diferente deles no futuro. Para o piloto, cada um tem sua jornada e ele não acha que deveriam criticar ninguém pela maneira como as coisas são feitas.

“Muitas pessoas fazem isso, especialmente pilotos mais velhos, que ainda têm algum problema comigo – não sei por que, talvez um dia eles vão superar. Tenho muitos respeito pelas lendas do esporte, embora eles teimem em falar mal de mim o tempo todo. Mas ainda assim os considero grandes porque sei que, na época deles, enfrentaram dificuldades. Eram outros tempos e eles mantiveram como lendas”, afirmou.

“Daqui a 20 anos, quando estiver olhando para trás, posso prometer para vocês que não vou fazer isso, não vou ficar falando mal de qualquer piloto que está tendo bons resultados porque acho que a nossa responsabilidade, como pilotos mais velhos, é destacar e encorajar. Vai haver outros pilotos, como Charles [Leclerc] ou Max [Verstappen], que vão perseguir os recordes que eu, eventualmente, estabelecer. E seria a abordagem errada ficar torcendo para que eles não quebrem. Você tem que encorajá-los a atingir o máximo de seu potencial e, se isso significa, bater os recordes, isso é algo incrível”, complementou.

Mesmo sendo um dos maiores vencedores da história da Fórmula 1 e o melhor piloto em atividade, Lewis Hamilton é vítima de uma campanha racialmente orquestrada para ofuscar e diminuir a magnitude das suas conquistas. Quando o fato é que Hamilton superou as adversidades de ser um homem negro de origem pobre, que entra para a história de um esporte elitizado e branco. Só isso já faz com que o seu mérito seja incontestável, pois como nos disse Mano Brown: “Por você ser preto, você tem que ser duas vezes melhor.”

 O povo preto quer narrar suas histórias

Vivemos em um mundo de disputa. Nossa sociedade tem profundas marcas das desigualdades que foram desenhadas ao longo da história. Na atualidade parece que há espaço para debate, a tão falada representatividade está sobre a mesa.
Mas o povo preto quer mais. Queremos narrar nossas próprias histórias. Queremos ter direito de fala não somente quando essa é concedida. Somos múltiplos, somos muitos e plurais. A ótica de ser preto no Brasil se revela como um espectro, tamanha a diversidade dos povos ancestrais que nos originaram, e a variedade de experiências que podemos ter e ser. Pertencer. O que nos conecta é pele.

Apoie o Alma Preta e nos ajude a continuar contando todas essas histórias.

Vamos fazer jornalismo na raça!

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com