fbpx
 

bannerlimpo

As reflexões são resultados da pesquisa “Narrativas Brancas, Mortes Negras”, elaborada por um conjunto de ativistas e pesquisadores negros acerca da cobertura da Folha de S.Paulo sobre as rebeliões no sistema carcerário do início de 2017

Texto / Pedro Borges
Imagem / Luiz Silveira/Agência CNJ

Faz parte do cotidiano e dos bate-papos diários a constatação de que os veículos de comunicação manipulam. Essa não é uma grande novidade, nem uma afirmação inovadora que talvez deixe alguém surpreso.

Afinal, está cada vez mais difícil fechar os olhos para esse fato. A manipulação da mídia tem ganhado contornos cada vez mais dramáticos e está cada vez mais difícil defender os princípios do jornalismo de imparcialidade e neutralidade.

Diante disso, porém, sobram algumas perguntas. Como as mídias manipulam? E por que o fazem?

Uma pesquisa recente, realizada pela INNPD (Iniciativa Negra por uma Nova Política sobre Drogas), CELACC-USP (Centro de Estudos Latino-Americanos sobre Cultura e Comunicação), Ponte Jornalismo e Alma Preta, ajuda a responder esses questionamentos.

Durante um ano, os pesquisadores analisaram a cobertura da Folha de S.Paulo sobre a crise do sistema carcerário, como foi chamada na época, entre os dias 1 e 14 de janeiro de 2017. As rebeliões ocorreram nas cidades de Manaus (AM), Boa Vista (RR), e Natal (RN), e resultaram na morte de 119 pessoas sob a custódia do Estado.

O método utilizado foi a análise de conteúdo de Laurence Bardwin. A partir dos preceitos da cientista social, decidiu-se contabilizar as palavras mais e menos utilizadas ao longo da cobertura da Folha de S.Paulo, assim como as fontes mais e menos recordadas pelo jornal.

O resultado mostrou que 42% das palavras escritas se referiam ao Estado e 65% das fontes consultadas eram oficiais, ou seja, porta-vozes estatais. Em contrapartida, apenas 7% das fontes convidadas a opinar durante a cobertura jornalística da Folha de S.Paulo eram disruptivas.

As fontes disruptivas resultam de um conceito criado, com o apoio do chefe do departamento de jornalismo da USP, Dennis de Oliveira, a partir do termo “disruptivo”, ideia descrita por Clayton M. Christensen e publicada no artigo “Disruptive Technologies: Catching the Wave”. A palavra significa “ruptura e quebra da ordem hegemônica” e as fontes disruptivas, por conclusão, seriam pesquisadores e ativistas de movimentos sociais que propõem uma visão sobre o mundo que contrarie a dominante.

A disparidade dos números comprova a maior tendência do jornal a dar mais espaço para o Estado e significativamente menos aos movimentos sociais.

Com isso, a mídia deixa de cumprir com uma das suas principais funções, que é a de monitorar o funcionamento das instituições públicas. Afinal, como é possível fazer uma crítica contundente ao Estado sendo que o próprio Estado é a principal voz a ser ouvida?

Pior, quando faz isso, apresenta fragmentos da realidade, na medida em que convida um único tipo de fonte, e constrói uma nova realidade, de acordo com os interesses da grande mídia. Quem descreve esses procedimentos é Perseu Abramo na obra “Os Padrões de Manipulação da Grande Imprensa”, ao apresentar o oficialismo, ou seja, a imposição, por parte do jornalismo para o público, do olhar estatal sobre o problema em questão.

A narrativa sobre a crise do sistema carcerário defendida pelo Estado e retratada pela mídia ressaltou a barbárie dos detentos, pessoas destituídas de humanidade, e minimizou a superlotação e a privatização como marcas do sistema carcerário do país.

Os números aqui também são categóricos. Na cobertura de Natal (RN), por exemplo, por 70 vezes a palavra “massacre” e por 18 a “decapitado” foram utilizadas nas reportagens. Em contrapartida, por 3 vezes o termo “superlotação” foi recordado e a palavra “privatização” não teve nenhuma menção.

Sobre isso, vale apresentar outro padrão de manipulação destacado por Perseu Abramo, o da inversão. Quando é de interesse dos grandes veículo de comunicação, a mídia transforma o particular em geral e o geral em particular, assim como troca a sua versão pelo fato.

Abramo até brinca que quando a grande imprensa se depara com um fato que põe em xeque a sua versão sobre o tema, ela acredita existir um problema com o fato, não com a sua versão sobre o mesmo.

Neste caso, a barbárie e a falta de humanidade desses sujeitos transformaram-se nas causas do problema, deixando de lado qualquer questionamento sobre a superlotação e a privatização dos presídios.

Por último, vale destacar o padrão do ocultamento. A mídia reconstrói a realidade a tal ponto que um fato não noticiado sequer aconteceu.

Dessa maneira, parece inexistir como possibilidade de superação dos problemas carcerários no país a ideia do abolicionismo penal, uma concepção de que é possível construir um mundo sem prisões.

Perdem relevância também movimentos sociais e pesquisadores que apresentam uma visão disruptiva sobre a realidade, na medida em que representam apenas 7% do montante total de fontes ouvidas. Se eles não aparecem para comentar o tema, não devem ser importantes para a compreensão do problema.

O agravante está na aparição por uma única vez da palavra “negro” durante toda a cobertura. Mesmo quando o tema em questão é o sistema carcerário, uma das faces mais cruéis do racismo e do projeto de genocídio, a mídia hegemônica utiliza-se dos seus artifícios para silenciar um dos principais elementos para compreender o cárcere no Brasil: o racismo.

Abramo é também leitura obrigatória para se entender por que se manipula. Para ele, o fator econômico não é suficiente para justificar o investimento sobre veículos de mídia, afinal, a comunicação não é o negócio mais rentável no mundo, se comparada a outros nichos de mercado.

Ele acredita que a mídia é sinônimo de poder político e que o capital precisa da construção de consensos. É importante acreditar que a saída para o sistema carcerário é a criação de mais presídios e que para a segurança de todos é necessário se prender mais.

O resultado dessa ofensiva jornalística sobre o tema da segurança pública parece ter resultados diretos no crescimento desse mercado no país. O 4º Estudo do Setor de Segurança Privada (ESSEG), divulgado pela Fenavist em 2015, mostrou que o setor de segurança privada no Brasil saiu do faturamento de R$ 7 bilhões em 2002 para R$ 50 bilhões em 2015, o que representa crescimento de mais de 600%.

É necessário compreender os padrões de manipulação criados pelos grandes veículos de comunicação para desmistificar os princípios da neutralidade e da imparcialidade, subterfúgios da mídia dominante para transformar a sua versão sobre o fato em realidade absoluta.

É igualmente importante fortalecer projetos de comunicação como o Alma Preta e a Ponte Jornalismo, integrantes da pesquisa, para ser possível a construção de uma narrativa mais objetiva, que leve em consideração a complexidade do cotidiano para assim o jornalismo colaborar para a construção de uma sociedade mais justa e igualitária.

 O povo preto quer narrar suas histórias

Vivemos em um mundo de disputa. Nossa sociedade tem profundas marcas das desigualdades que foram desenhadas ao longo da história. Na atualidade parece que há espaço para debate, a tão falada representatividade está sobre a mesa.
Mas o povo preto quer mais. Queremos narrar nossas próprias histórias. Queremos ter direito de fala não somente quando essa é concedida. Somos múltiplos, somos muitos e plurais. A ótica de ser preto no Brasil se revela como um espectro, tamanha a diversidade dos povos ancestrais que nos originaram, e a variedade de experiências que podemos ter e ser. Pertencer. O que nos conecta é pele.

Apoie o Alma Preta e nos ajude a continuar contando todas essas histórias.

Vamos fazer jornalismo na raça!

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com