fbpx
 

Prefeitura prometeu a criação do órgão em 2019, mas até o momento não houve a implementação; Edilene Nascimento é suplente do Conselho Municipal dos Interesses do Cidadão Negro (COMICIN) de Limeira

Texto: Edilene Nascimento* | Edição: Nataly Simões | Imagem: Shutterstock

A cidade de Limeira, no interior de São Paulo, possui 32% da população de mais de 300 mil habitantes composta por pessoas negra, conforme indica o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Limeira, no entanto, não possui um órgão responsável pelo combate ao racismo e seus impactos como a desigualdade social e econômica. No Brasil, o racismo é um problema estrutural e que coloca a população negra em condição de subalternidade.

O Conselho Municipal do Interesse do Cidadão Negro (COMICIN) é a instituição que atualmente responde por questões raciais na cidade, mas não possui autonomia para atuar no combate ao racismo. Profissionais da entidade solicitam a implementação da Secretaria Nacional de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (SEPPIR), por considerarem que Limeira é carente de políticas raciais, embora não existam dados oficiais sobre casos de racismo na cidade, o que também dificulta o combate à discriminação.

De acordo com o guia federal de orientação para a criação e implementação de Órgãos, Conselhos e Planos de Promoção da Igualdade Racial, a missão do SEPPIR é construir parcerias com os demais órgãos públicos e a sociedade civil para a elaboração, execução e acompanhamento de ações afirmativas destinadas ao enfrentamento das desigualdades étnicas referentes à cultura, educação, esporte e lazer, moradia, saúde, segurança, trabalho, meios de comunicação de massa, financiamentos públicos, políticas voltadas à população feminina, à juventude, à justiça e ao acesso à terra.

Há anos o Conselho Municipal do Interesse do Cidadão Negro (COMICIN) cobra da gestão municipal providências em relação à criação da Secretaria Nacional de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (SEPPIR), mas até hoje não teve resposta, apenas promessas. O prefeito Mário Botion (PSD) prometeu a implementação do órgão na cidade, na posse da atual presidente do conselho Eliza Gabriel em 2019, mas a população continua no aguardo desse direito a ser conquistado pela cidade de Limeira.

Enquanto isso não acontece, o Conselho Municipal do Interesse do Cidadão Negro (COMICIN) continua a exercer sua função de cobrar à gestão municipal, conforme estabelece a lei 10.678, de 23 de maio de 2003, que dispõe sobre a composição, estruturação, competências e funcionamento do conselho.

* Edilene Nascimento é cronista e relações públicas. Aos 38 anos, estuda jornalismo e compõe o Conselho Municipal dos Interesses do cidadão Negro (COMICIN) de Limeira como suplente e voluntária na comunicação da entidade.

 O povo preto quer narrar suas histórias

Vivemos em um mundo de disputa. Nossa sociedade tem profundas marcas das desigualdades que foram desenhadas ao longo da história. Na atualidade parece que há espaço para debate, a tão falada representatividade está sobre a mesa.
Mas o povo preto quer mais. Queremos narrar nossas próprias histórias. Queremos ter direito de fala não somente quando essa é concedida. Somos múltiplos, somos muitos e plurais. A ótica de ser preto no Brasil se revela como um espectro, tamanha a diversidade dos povos ancestrais que nos originaram, e a variedade de experiências que podemos ter e ser. Pertencer. O que nos conecta é pele.

Apoie o Alma Preta e nos ajude a continuar contando todas essas histórias.

Vamos fazer jornalismo na raça!

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com