Em artigo, Ricardo Corrêa, especialista em Educação Superior, faz uma crítica à liderança afro-americana; em uma época que os brancos sulistas recolhiam os rastros de destruição econômica deixados pela Guerra Civil Americana, Booker Washington age em uma atmosfera de incertezas, defendendo o ensino técnico à população negra, abandonada e sem horizontes

Texto / Ricardo Corrêa

Imagem / Reprodução / Associated Press via Wikimedia Commons

Booker Washington foi uma notável liderança afro-americana que alcançou posição de destaque na história da formação do pensamento da população negra dos Estados Unidos. A sua biografia torna-se mais interessante por ter nascido escravo e conquistado a admiração de muitas figuras influentes daquela sociedade assumidamente racista. Era uma época que os brancos sulistas recolhiam os rastros de destruição econômica deixados pela Guerra Civil Americana e debatiam como prosseguir com a economia sem a mão de obra escrava na qual eram tão dependentes (1).

Por outro lado, os ex-escravizados enfrentavam o seguinte dilema: render-se às condições aviltantes nas fazendas ou seguirem a vida sem qualquer amparo social. Booker Washington surgiu nessa atmosfera de incertezas, defendendo o ensino técnico à população negra, abandonada e sem horizontes.

Booker Taliaferro Washington nasceu no condado de Franklin, estado da Virgínia, em 5 de abril de 1856. Morava com a mãe e irmãos numa fazenda onde eram escravizados e, após o término da Guerra Civil Americana, mudou com a família para o município de Charleston. Lá, trabalhou em fábricas de sal e minas de carvão. Durante esse período despertou interesse pela educação, acreditando que ao aprender a ler e escrever conseguiria trabalhos menos penosos quando comparados aos que estava desempenhando.

Em 1872, ingressou no Instituto Hampton. No entanto, a escola mantinha um sistema de pensionato e os custos eram arcados pelos próprios estudantes. Mas, diferente dos outros jovens, Washington não tinha auxílio financeiro da família. Coincidentemente, quando suas economias estavam ruindo, surgiu um emprego na mesma escola, possibilitando custear a moradia e garantir a continuidade dos estudos até a formatura, meados de 1875.

Samuel C. Armstrong - general e fundador de Hampton - confiante na competência de Washington, o convidou para abrir uma escola para negros no Alabama, em 1881. O convite foi aceito e o Instituto Tuskegee iniciou as atividades nesse mesmo ano. No início a estrutura era precária e faltavam recursos financeiros para as melhorias necessárias; as primeiras aulas aconteceram num espaço cedido pela igreja. Uma das grandes sacadas de Washington esteve em aproveitar as próprias aulas para a produção de tijolos; estes seriam utilizados na construção das salas e, outra parte, comercializada na comunidade. Os alunos, nesse contexto, aprendiam a profissão e ajudavam no desenvolvimento do instituto. Na escola havia, também, aulas de carpintaria, estamparia, funilaria, ensino de agricultura, laticínios, costura e cozinha.

Conforme Tuskegee ia ficando conhecida pelo projeto exitoso, a procura por vagas aumentava e a necessidade de ampliar as estruturas tornava-se urgente para o acolhimento de mais alunos. Mais uma vez, Washington projetou outro modo para continuar angariando fundos: viajar pelo país ministrando palestras e participando de conferências. Estas atividades seriam a porta de entrada para atrair filantropos e receber doações para o instituto.

Com efeito. Possuidor de oratória invejável, os pronunciamentos em público eram bem recebidos pelas palavras conciliadoras e agradáveis direcionadas aos brancos e negros.

"Em todas as coisas puramente sociais, podemos ser tão separados quanto os cinco dedos e, no entanto, podemos ser um, como a mão, em todas as coisas essenciais ao progresso mútuo.” (2)

O sucesso do Instituto Tuskegee colocou Washington na lista dos homens mais admirados dos Estados Unidos, proporcionando acesso aos espaços frequentados, exclusivamente, por brancos. O ex-presidente Theodore Roosevelt chegou - até - a convidá-lo para jantar na Casa Branca. O contato com os presidentes dos EUA tornou-se algo comum na vida do educador negro. Em 1896, a Havard University lhe concedeu o título de Mestre em Artes, e a Dartmouth College, doutorado honorário, em 1901.

Apesar de todo reconhecimento, Washington colecionou desaprovações. W.E.B. Du Bois, autor do clássico "As Almas do Povo Negro" (1903) foi o crítico mais contundente. Este autor contestava a ausência de posicionamentos na exigência dos direitos civis para os negros, a submissão e aceitação da condição de inferioridade, condenava a rejeição pela educação superior e criticava o silêncio aos constantes linchamentos tão comuns na época.

"O sr. Washington representa, no pensamento negro, a velha atitude de acomodamento e submissão: mas, acomodação num dado momento, de forma a consolidar seu programa como único (...) E o programa do sr. Washington, praticamente, aceita a teoria da inferioridade racial do negro.” (p. 76)

Ainda que Washington tenha contribuído significativamente para os afro-americanos, formando uma especializada mão de obra técnica e elevando a autoestima do grupo, reconhecemos o quão pecou em não avançar radicalmente na questão negra. Sob nosso ponto de vista, concordamos com Du Bois, e acrescentamos que o educador encarnava o espírito da meritocracia (3) ─ debate contemporâneo a nossa época. Na autobiografia Up from Slavery (1901) é corrente as passagens que abordam o mérito como algopertinente a vida humana.

"Minha experiência diz haver algo na natureza humana que sempre faz um indivíduo reconhecer e premiar o mérito, não importa sob que cor de pele se encontre" (p.92) (4)

Esta visão de mundo colocava nas costas dos afro-americanos toda responsabilidade em superar as mazelas consequentes dos anos de escravidão ─ uma vez que ignora as diferentes vivências de cada individuo ─, isentando todos que se beneficiaram: brancos americanos.

Mesmo após o falecimento de Washington, em 14 de novembro de 1913, o seu legado continua inspirando muitos negros. Entretanto, reconhecemos que a situação dos afro-americanos não está melhor do que naquela época. Em pleno século 21, os direitos políticos dessa população apresentam fragilidades e a cidadania continua incompleta. Outrora, a ativista dos direitos civis, Rosa Parks (1913-2005), pontuou que os negros são vistos como "cidadãos de segunda classe". Sem dúvida.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

DU BOIS, W.E.B. AsAlmas da Gente Negra. Tradução de Heloisa Toller Gomes. Rio de Janeiro: Lacerda, 1999.

GLEDHILL, Sabrina. Expandindo as Margensdo Atlântico Negro: Leituras sobre Booker T. Washington no Brasil. Revista de História Comparada (UFRJ), v. 7, p. 122-148, 2011.

SILVA, J. C. S.da.Duas nações dentro de uma. Relações Internacionais, Lisboa , n. 41, p.155-159.Disponível: xt&pid=S1645-91992014000100011>. Acesso em: 08 fev. 2019

NOTAS

1 - A Guerra Civil Americana (1861-1865), conhecida também como Guerra da Secessão, ocorreu entre os Estados do Sul e do Norte. Os nortistas eram livres com uma economia baseada na industrialização, enquanto os sulistas eram escravocratas com a economia girando, principalmente, em torno das plantações de algodão. Antes da eleição de Abraham Lincoln, em 1860, alguns estados do Sul declararam a secessão para formarem os Estados Confederados da América.

2 - Trecho do famoso discurso de Booker Washington na abertura da Exposição Internacional dos Estados Produtores de Algodão, em Atlanta, em 18 de setembro de 1895. Este discurso ficou conhecido como “O Compromisso de Atlanta”.

3 - A meritocracia é um termo que apareceu no livro “The rise of the meritocracy” (1958), do autor Michael Young. Na interpretação mais comum, meritocracia é um sistema que premia o esforço individual de cada pessoa desconsiderando as particularidades pertinentes àvivência e modo de ser de cada sujeito.

4 - Up from Slavery: Autobiografia de Booker T. Washington. Tradução de José Luiz Pereira da Costa.Disponível em: < http://www.dacostaex.net/livros/UP.pdf>. Acesso em: 09 fev. 2019

 

Ricardo Corrêa é especialista em Educação Superior e tecnólogo industrial.

 

 

bannerhorizontal

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com

Mais Lidos