fbpx
 

Informação foi confirmada pelo Ministério da Saúde do país congolês e pela Organização Mundial da Saúde (OMS) em 1º de junho

Texto: Nataly Simões | Imagem: Gabriele François Casini

Com acesso limitado à saúde, falta de recursos e de segurança para lidar com a Covid-19, doença provocada pelo novo coronavírus e que já infectou 3.195 e matou 72 pessoas, a República Democrática do Congo enfrenta agora uma nova epidemia do vírus Ebola.

O novo surto foi comunicado pelo ministro da Saúde, Eteni Longondo, na segunda-feira (1). A autoridade afirmou que quatro pessoas que morreram na cidade de Mbandaka, na província de Équateur, tiveram resultado positivo para o Ebola após testes no laboratório biomédico nacional da capital Kinshasa. A epidemia foi confirmada pelo diretor da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, em uma publicação no Twitter.

“Esse surto é um lembrete de que a Covid-19 não é a única ameaça à saúde que as pessoas enfrentam”, escreveu.

O Congo enfrenta epidemias seguidas de Ebola há quase dois anos nas proximidades das fronteiras ao leste com Ruanda e Uganda. Na região, o vírus já matou mais de 2.200 pessoas, o maior surto da doença já registrado depois da epidemia no leste da África, de 2013 a 2016, que exportou o Ebola para países da américa do norte e da europa.

No caso da Covid-19, o país congolês registrou o primeiro caso da doença no início de março e no fim do mês o presidente Félix Tshisekedi estabeleceu estado de emergência com o bloqueio das fronteiras e o fechamento de escolas, restaurantes, bares e templos religiosos.

A falta de estrutura do país que é um dos mais pobres do continente africano aumenta o risco de infecção e dificulta o acesso da população ao atendimento hospitalar. Os conflitos armados que atingem o país também impedem profissionais de saúde de realizarem testes para o vírus, o que atrasa as medidas de proteção e eleva a suspeita de que haja subnotificação de contaminados e mortos pelo novo coronavírus.

 O povo preto quer narrar suas histórias

Vivemos em um mundo de disputa. Nossa sociedade tem profundas marcas das desigualdades que foram desenhadas ao longo da história. Na atualidade parece que há espaço para debate, a tão falada representatividade está sobre a mesa.
Mas o povo preto quer mais. Queremos narrar nossas próprias histórias. Queremos ter direito de fala não somente quando essa é concedida. Somos múltiplos, somos muitos e plurais. A ótica de ser preto no Brasil se revela como um espectro, tamanha a diversidade dos povos ancestrais que nos originaram, e a variedade de experiências que podemos ter e ser. Pertencer. O que nos conecta é pele.

Apoie o Alma Preta e nos ajude a continuar contando todas essas histórias.

Vamos fazer jornalismo na raça!

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com