fbpx

Morta na segunda-feira (2), a ativista, que se tornou símbolo da luta contra o apartheid e da libertação do povo negro ao redor do mundo, tem imagem histórica menor do que a sua trajetória merece

Texto / Amauri Eugênio Jr.
Foto / AFP

De acordo com o senso comum, Winnie Madikizela-Mandela, 81, ícone da luta contra o apartheid e pela conquista de direitos civis para negros na África do Sul, morta na segunda-feira (2), entrou para a história como ex-esposa de Nelson Mandela. Mas condicionar o seu legado à relação de 37 anos com o eterno líder sul-africano é reduzir de modo questionável a sua história.

É inegável que a diminuição de sua importância política deve-se, ao menos em parte, a fatores relacionados ao gênero – ou machismo mesmo. “É difícil reconhecer, historicamente, o legado de mulheres em temática de luta, como na luta contra o apartheid e pelos direitos civis [de pessoas negras]. Mesmo elas tendo protagonismo, os nomes dos homens aparecem em primeiro plano”, contextualiza explica Jacqueline Moraes Teixeira, docente da FESPSP (Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo) e Pesquisadora do Laboratório do Núcleo de Antropologia Urbana, da USP (Universidade de São Paulo), sobre a memória relacionada a Madikizela-Mandela.

Além disso, equiparar as importâncias que Nelson e Winnie Mandela tiveram dentro do CNA (Congresso Nacional Africano), até mesmo pelos respectivos papéis que ambos desempenharam dentro do movimento político.

“As condições que foram colocadas para [Nelson] Mandela, até por causa da prisão e por ele ser líder do processo político, diziam respeito a pensar em estratégias e em negociação [política]. Já no caso de Winnie Mandela, o ativismo se deu na trincheira e na rua, por meio da organização de passeatas e em manifestações”, destaca Dennis de Oliveira, professor de jornalismo da ECA-USP e integrante da Rede Antirracista Quilombação, sobre as dinâmicas diferentes das atuações de ambos e por que chega a ser reducionista dizer que Mandela era pacifista, enquanto Madikizela-Mandela tinha essência beligerante.

Pesa também dentro desse contexto a série de opressões e penas brutais às quais Madikizela-Mandela foi submetida – ela também teve de criar os filhos sozinha, em virtude do cárcere privado de Madiba.

 

Nelson e Winnie Mandela (Ulli Michel / Reuters)

Vida = luta

Quando se fala em Winnie Mandela, vem ao imaginário que sua militância política coincide com a relação entre ela e Nelson Mandela. Contudo, a trajetória dela vem de muito antes – desde a infância, quando presenciou episódios flagrantes de racismo em decorrência do apartheid.

Além disso, a vida acadêmica dela, por meio da formação em serviço social em Joanesburgo, mostrava o ethos lutador dela. Considerada a melhor aluna da instituição onde estudava, ela recebeu oferta para ter bolsa de estudo nos EUA, mas preferiu ficar na África do Sul e somar forças à luta pela libertação do povo negro no país. Isso sem contar que a relação com Madiba começou em 1957 – ela havia se graduado um ano antes.

Para alguns, os homens do CNA estão à frente na história, mas eles têm status de mártires graças ao trabalho de base feito pelas mulheres do movimento. E, claro, isso diz respeito à atuação de Madikizela-Mandela.

“A participação e protagonismo da mulher negra foram fundamentais [para a luta antirracista]. Winnie foi símbolo disso. Os homen foram muito importantes na articulação do CNA e no fim do apartheid, mas não dá para esquecer do papel fundamental das mulheres”, pontua Dennis de Oliveira, sobre o fato de elas terem de lidar com desafios diversos, como a perseguição brutal do governo, a prisão dos cônjuges e, em inúmeros casos, a criação solo dos filhos. “Elas ainda tiveram a questão da militância. [Winnie Mandela] é símbolo do papel central da mulher negra da luta contra o racismo e é um símbolo da luta contra o apartheid.”


Antes de mãe, ser humano

Em pronunciamento feito após a morte de Winnie Madikizela-Mandela, o atual presidente sul-africano, Cyril Ramaphosa, referiu-se a ela como “Mama Winnie”.

Por um, lado a líder da resistência antirracista era vista como “mãe” do movimento e, por outro, episódios controversos macularam a sua imagem. Alguns dos mais notórios são a condenação em 1991 pela morte do jovem Stompie Seipei, cuja vida foi ceifada por um guarda-costas da militante; e a demissão em 1995 do governo de Nelson Mandela enquanto ela era ministra-adjunta de Artes, Cultura, Ciência e Tecnologia.

Outros membros do CNA foram condenados por atos de corrupção com o passar do tempo - vide o caso do ex-presidente Jacob Zuma, que renunciou ao mandato no início de 2018. Mesmo assim, tais fatos são usados para minimizar a importância de Madikizela-Mandela. Parte desse fato vem da atribuição dada a ela do papel de “mãe” do movimento contra o apartheid. A partir do momento em que tais contradições vieram à tona, as críticas dirigidas a ela intensificaram-se nesse contexto, em particular.

Desse modo, apesar de tais fatos causarem manchas justificadas à sua reputação, é impossível apagar o legado de Winnie Mandela.

“Ela ocupou posição central nesse processo na África do Sul, inclusive lugares superimportantes, e construiu muita coisa. Não tem como desconsiderar a importância e protagonismo dela”, ressalta Jacqueline de Moraes Teixeira, sobre a importância de compreender limitações históricas que tornam mais difícil colocar mulheres em posição de protagonismo de movimentos como o apartheid.

“A trajetória dela é interessante para entendermos como os papéis de gêneros põem biografias de determinadas mulheres em posições mais vulneráveis, colocando em xeque o protagonismo delas na história”, finaliza, sobre o legado histórico de Winnie Madikizela-Mandela

 O povo preto quer narrar suas histórias

Vivemos em um mundo de disputa. Nossa sociedade tem profundas marcas das desigualdades que foram desenhadas ao longo da história. Na atualidade parece que há espaço para debate, a tão falada representatividade está sobre a mesa.
Mas o povo preto quer mais. Queremos narrar nossas próprias histórias. Queremos ter direito de fala não somente quando essa é concedida. Somos múltiplos, somos muitos e plurais. A ótica de ser preto no Brasil se revela como um espectro, tamanha a diversidade dos povos ancestrais que nos originaram, e a variedade de experiências que podemos ter e ser. Pertencer. O que nos conecta é pele.

Apoie o Alma Preta e nos ajude a continuar contando todas essas histórias.

Vamos fazer jornalismo na raça!

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com