fbpx
 

Cálculo foi feito pela Comissão Econômica das Nações Unidas para África; países têm apostado no apoio de bilionários e grandes empresas para enfrentar a pandemia

Texto / Pedro Borges I Edição / Simone Freire I Foto: GCIS

O continente africano precisará de mais de US$ 100 bilhões para enfrentar os efeitos da pandemia da Covid-19, conhecida como novo coronavírus. O recurso é necessário para que os países construam um orçamento fiscal capaz de garantir o isolamento social, a compra de equipamentos hospitalares, entre outros motivos.

De acordo com a Organização das Nações Unidas (ONU), metade do recurso poderia vir de instituições multilaterais, como a União Europeia, a própria ONU, entre outros órgãos. Ainda segundo a organização, a África tem 1,8 cama hospitalar para cada grupo de mil pessoas.

O continente registra, até o momento, 50 países com casos registrados do vírus e em apenas quatro - Lesotho, Comoros, Sudão do Sul e São Tomé e Princípe -, não há pessoas infectadas. Dados publicados pela Organização Mundial da Saúde (OMS) apontam para 6.075 casos confirmados e 214 mortes na África. Os números indicam ainda que 478 pessoas se recuperaram da doença. Os países mais afetados até o momento são a África do Sul, com 1.380 casos e 5 mortes, e a Argélia, com 847 mortes e 58 mortes. Apesar de ter demorado para chegar em África, a Covid-19 têm se espalhado com velocidade e há uma preocupação por conta dos sistemas de saúde debilitados dos países.

Todo apoio é bem vindo

Algumas nações africanas têm contado com o apoio de bilionários no combate à pandemia. Na Nigéria, por exemplo, a Coalizão do Setor Privado contra a Covid-19 arrecadou cerca de 15 bilhões de naira, o equivalente a R$ 205 milhões. O recurso será usado para a compra de equipamentos de saúde para enfrentar a pandemia.

O Banco Africano para o Desenvolvimento aprovou a liberação de US$ 2 milhões para a Organização Mundial da Saúde (OMS) para equipar os profissionais locais de saúde para a melhor a prevenção da Covid-19, detecção rápida da doença, contenção do vírus e cuidado com as pessoas infectadas. Há a expectativa de que outros órgãos continentes e multilaterais, a exemplo do Banco Africano para o Desenvolvimento, invistam recursos para frear a pandemia.

A OMS para África também distribuirá testes para a detecção do coronavírus que apresentam a resposta no período de 48h, e trabalhará no sentido de disseminar informações sobre a luta contra a pandemia e aumentar a conscientização acerca dos cuidados contra a Covid-19 nos países do continente, em especial nos mais afetados.

 O povo preto quer narrar suas histórias

Vivemos em um mundo de disputa. Nossa sociedade tem profundas marcas das desigualdades que foram desenhadas ao longo da história. Na atualidade parece que há espaço para debate, a tão falada representatividade está sobre a mesa.
Mas o povo preto quer mais. Queremos narrar nossas próprias histórias. Queremos ter direito de fala não somente quando essa é concedida. Somos múltiplos, somos muitos e plurais. A ótica de ser preto no Brasil se revela como um espectro, tamanha a diversidade dos povos ancestrais que nos originaram, e a variedade de experiências que podemos ter e ser. Pertencer. O que nos conecta é pele.

Apoie o Alma Preta e nos ajude a continuar contando todas essas histórias.

Vamos fazer jornalismo na raça!

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com