fbpx
 

Crise econômica e política coloca o nome do atual presidente da África do Sul em risco.

Texto / Da Redação
Imagem / World Economic Forum/Eric Miller

As últimas eleições gerais na África do Sul aconteceram em maio de 2014. Essa foi a quinta eleição da história do país desde o fim do Apartheid e a subsequente instauração do voto universal, em 1994. O partido Congresso Nacional Africano (ANC) venceu as eleições com 62,15% dos votos, ganhando uma maioria de 264 cadeiras na Assembleia Nacional.

A África do Sul é uma República Parlamentarista, o que dá uma importância crucial para a Assembleia Nacional, cujos deputados poderão ser os ministros do poder executivo, além de apontar quem será o presidente do país.

Com maioria da Assembleia controlada pelo ANC, que venceu todas as eleições realizadas no país desde 1994, o presidente da república foi eleito novamente. Jacob Zuma, que militou no partido ao lado de Nelson Mandela, seria alçado ao mandato como presidente da nação “arco-íris”.

Não é a primeira vez que Zuma assume o poder. Eleito em 2009, Zuma já está em seu segundo mandato. Em seu governo, dois partidos dividem o poder, o ANC e o Partido Comunista da África do Sul (SACP), este último com apenas alguns cargos. O controle do ANC é absoluto, e sua história de luta contra o Apartheid faz do partido não só o mais importante do país como também um elemento da estabilidade política da África do Sul.

Reportagem 2 Imagem 2 editada

Jacob Zuma continua presidente da África do Sul até 2019 (Foto/GCIS/CC BY ND 2.0)

Ao contrário do primeiro mandato de Zuma, quando ele esteve à frente da recuperação econômica do país e chegou a sediar uma Copa do Mundo, além de passar a integrar o grupo dos BRICS, junto com Brasil, Rússia, Índia e China, a África do Sul não experimenta crescimento econômico expressivo nos últimos anos.

A baixa popularidade do governo joga os holofotes já nas próximas eleições, e a disputa pela liderança do partido mais popular do país é acompanhada de perto pela população que anseia por um horizonte de mudanças nas eleições de 2019.

Desde a eleição de 2014, a economia do país desacelerou, denúncias de corrupção explodiram, e milhares de pessoas foram às ruas em diversas ocasiões para exigir a saída do presidente.

Dados do Banco Mundial mostram que nos dois anos seguintes à recessão de 2009, quando a economia sul africana recuou 1,5%, o país crescia pelo menos 2,2% ao ano. A partir de 2014, cresceu menos, 1,7%, descendo para 1,2% no ano seguinte e praticamente chegando à estagnação em 2016, com 0,279% de crescimento de sua economia. Para 2017, o Fundo Monetário Internacional (FMI) projeta um crescimento de 0,7%.

Reportagem 2 Imagem 3 Infográfico 1

Taxa de aprovação de Jacob Zuma é ma das mais baixas do mundo (Crédito: Alma Preta/Solon Neto)

No último relatório anual da economia sul-africana, o Ministro do Desenvolvimento Econômico, Ebrahim Patel, afirmou que a desaceleração da economia sul-africana acontece devido a um cenário regional e mundial desfavorável. Um dos fatores foi a queda do preço do barril de petróleo, que afetou diversos países africanos, como Nigéria e Egito, que enfrentaram recessão econômica. A exportação para os países do continente, maiores parceiros comerciais dos sul-africanos, diminuiu nesse contexto, a ponto da Ásia ultrapassá-los. A agricultura, que enfrenta uma seca, mesmo crescendo, se mantém abaixo dos patamares de 2013.

“Incertezas globais e prospectos de crescimento mais baixos, junto com a diminuição do consumo doméstico e do investimento do setor privado, levaram a um crescimento modesto de 0.6% no ano fiscal de 2016/2017”, sintetizou o ministro Patel.

Mesmo com a criação de 538 mil postos de trabalho, sendo 64% para mulheres, a melhor marca geral desde a crise econômica de 2008, a confiança no governo despencou.

Uma pesquisa da agência Kantar TNS mostra a franca decadência do líder da ANC desde sua eleição em 2014. Se no ano em que foi reeleito o presidente tinha 37% de aprovação do povo sul-africano, em agosto de 2017, a taxa atingiu 18%.

A taxa de 18% é a segunda mais baixa aprovação de um presidente no mundo. Jacob Zuma só não é menos popular que Michel Temer, segundo o Eurasia Group.

Reportagem 2 Imagem 4 Infográfico 2

Apenas Michel Temer é mais impopular que Jacob Zuma, segundo dados de agência de pesquisa (Créditos: Alma Preta/Solon Neto)

A impopularidade não vem apenas dos dados econômicos. Denúncias de corrupção abalaram o governo nacional da África do Sul. Desde seu primeiro termo, uma sequência de casos de corrupção, incluindo eleitoral, foram denunciadas e julgadas. O agravante econômico, no entanto, acendeu a pradaria no segundo mandato de Jacob Zuma, especialmente em 2017.

Para muitos, este ano foi o mais turbulento da política sul-africana desde 1994. Os casos de corrupção atingiram toda a elite política, incluindo o presidente. Zuma foi acusado de ter ligações diretas com uma das famílias mais ricas do país, a família Gupta, que supostamente teria influência sobre políticas e escolhas de nomes para administrar áreas do governo. Também chegou a devolver aos cofres públicos uma soma de 550 mil dólares utilizados na ampliação de sua residência privada, o que incluiu uma piscina.

Essa situação levou a crise ao seu ápice. Ainda em 2016, houve uma tentativa de impeachment do presidente. A maioria assegurada na Assembleia Nacional, no entanto, deteve com facilidade a tentativa de retirá-lo do cargo com 233 votos contra o pedido.

Esse tipo de imbróglio levou a perdas políticas nas eleições municipais de 2016, quando o ANC perdeu 8,04% de seu apoio total abrindo espaço para seus rivais. O ANC perdeu o controle sobre cidades importantes do país, como Joanesburgo, Pretoria e Porto Elisabeth. Mesmo continuando o partido com maior apoio no país, a confiança na organização se abalou.

Uma pesquisa local mostrou que 83% dos sul africanos acreditam que a corrupção no país está aumentando e 79% deles acreditam que o governo não está trabalhando o suficiente para combater essa tendência.

Reportagem 2 Imagem 5 Editada

Dentre os atuais cinco líderes dos BRICS, dois estão entre os mais impopulares do mundo (Crédito: Beto Barata/PR - CC BY 2.0)

Em abril, milhares de manifestantes foram às ruas do país para exigir que Jacob Zuma deixasse o cargo, com relatos de confrontos em algumas cidades. Os protestos geraram uma onda de demissões no governo, que dispensou nove de seus ministros. Não foi a primeira vez que essa atitude foi tomada. Para sinalizar ações ao povo, o ministro das finanças já havia sido substituído quatro vezes em menos de dois anos de governo. A situação levou agências de investimento a rebaixarem a nota do país “lixo”, como fez a Standard & Poors ainda em 2017 em um comunicado que citou o troca-troca de ministros.

O ANC foi o principal agente na luta contra o Apartheid e tem uma relação importante com a estabilidade política do país. Por isso, a crise preocupa. Movimentos de jovens e diversas organizações da sociedade civil têm se articulado pela queda do presidente. Ao longo do ano, reuniões de empresários e sindicatos, e mesmo ex-aliados, aderiram aos protestos.

Uma sociedade desigual herdada do Apartheid

A África do Sul é uma das sociedades mais desiguais do mundo, é o que aponta o coeficiente de Gini, que varia entre 0,66 e 0,69. No país, os 10% mais ricos chegam a ganhar 110 vezes mais que que os 10% mais pobres. Em países de baixa desigualdade esse número é de cerca de 6 vezes.

No entanto, esse é um problema recorrente no mundo. De acordo com o United Nations Habitat World Cities Report 2016, nas últimas duas décadas, 75% por cento das cidades do mundo se tornaram mais desiguais.

Reportagem 2 Imagem 3 Infográfico 1

PIB da África do Sul teve baixo desempenho nos últimos anos e influencia política no país (Crédito: Alma Preta/Solon Neto)

O que pode ser apontado como uma das causas do problema sul-africano é a forma como o país se constituiu: o Apartheid. As leis do Apartheid focavam nos negros, e tinham impacto maior sobre as mulheres negras do país. Apesar da ascensão ao poder do ANC e das mudanças através das leis promovidas pelo partido, a estrutura econômica se manteve, e continua exigindo políticas de reparação para que a desigualdade no país não se aprofunde.

“Isso pode gerar mudanças fundamentais na estrutura, sistemas, instituições e padrões de propriedade, administração e controle da economia em favor de todos os sul-africanos, especialmente os pobres - a maioria dos quais, pobres, negros e mulheres”, afirmou recentemente Nkosazana Dlamini-Zuma, uma das maiores lideranças políticas da África, que agora anseia chegar à presidência do país.

Próxima eleição pode levar primeira mulher à presidência

As próximas eleições gerais na África do Sul vão acontecer em 2019, mas a crise política já traz grandes expectativas sobre o pleito. Nas últimas 5 eleições, a maioria da Assembleia Nacional foi do ANC e mesmo com o desgaste político da pasta atual, a expectativa é que o padrão se mantenha.

O líder do partido costuma ser indicado pela Assembleia Nacional para se tornar o novo presidente. O congresso nacional, que decidirá quem será a nova liderança acontece entre os dias 16 e 20 de dezembro. Essa posição está sendo disputada ponto a ponto entre duas figuras importantes do país, Ciryl Ramaphosa e Nkosazana Dlamini-Zuma.

Reportagem 2 Imagem 7 Editada

Nkosazana Dlamini-Zuma foi umas lideranças mais importantes da União Africana (Créditos: GCIS/CC BY ND 2.0)

Ciryl Ramaphosa é o atual presidente da Assembleia Nacional da África do Sul. Membro do ANC, ele também já foi secretário-geral da Assembleia durante o governo de Nelson Mandela e anteriormente foi uma liderança importante entre sindicatos no país e na luta contra o Apartheid no movimento nacional democrático.

Já Nkosazana Dlamini-Zuma é uma das mulheres mais proeminentes da política africana. Seu papel como Ministra da Saúde e das Relações Exteriores na África do Sul ainda no governo de Nelson Mandela, projetou seu nome para a política continental. Até a reformulação da organização, em janeiro, Dlamini-Zuma era a chefe União Africana, a única organização continental do planeta que mantém todos os países do continente ao seu alcance. Ela foi a primeira mulher a ser apontada ao cargo e agora quer ser a primeira mulher presidente da África do Sul. Ela esteve à frente do Plano 2063, um projeto de 50 anos que pretende elevar o desenvolvimento de toda a África. O próprio plano faz alusão a um renascimento africano, através da valorização da cultura e do povo africano. Seu discurso alude com frequência ao Pan-Africanismo.

 O povo preto quer narrar suas histórias

Vivemos em um mundo de disputa. Nossa sociedade tem profundas marcas das desigualdades que foram desenhadas ao longo da história. Na atualidade parece que há espaço para debate, a tão falada representatividade está sobre a mesa.
Mas o povo preto quer mais. Queremos narrar nossas próprias histórias. Queremos ter direito de fala não somente quando essa é concedida. Somos múltiplos, somos muitos e plurais. A ótica de ser preto no Brasil se revela como um espectro, tamanha a diversidade dos povos ancestrais que nos originaram, e a variedade de experiências que podemos ter e ser. Pertencer. O que nos conecta é pele.

Apoie o Alma Preta e nos ajude a continuar contando todas essas histórias.

Vamos fazer jornalismo na raça!

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com