fbpx
 

País anunciou o cancelamento de voos internacionais e incentivou pessoas das duas cidades mais atingidas, Abuja e Lagos, a ficarem em casa

Texto / Pedro Borges | Edição / Simone Freire | Imagem / Reprodução

O governo da Nigéria anunciou o fechamento das fronteiras do país por quatro semana e o cancelamento da chegada de vôos internacionais como medidas para frear o avanço do Covid-, o novo coronavírus. Nação mais populosa da África, com 190 milhões de pessoas, o país tem 65 casos confirmados e uma morte registrada pelo vírus até esta quinta-feira (26).

O anúncio foi feito por Boss Mustapha, porta-voz da Força Tarefa Presidencial contra a Pandemia do Coronavírus e secretário federal de Governo. Ele também pediu para as pessoas de Lagos e Abuja, os dois municípios mais atingidos pela crise, ficarem em casa. No estado da capital federal Territorial (CFT), onde está Abuja, capital política, há o registro de 8 casos e na província de Lagos, em que está localizada a cidade de mesmo nome e mais populosa do país, há 30 pessoas infectadas.

O presidente da Nigéria, Muhammadu Buhari, desenvolveu, junto ao Ministro da Saúde, Meet Ehinare, uma força tarefa para frear a disseminação do Covid-19. Em pronunciamento, Ehinare apresentou a possibilidade de convocar médicos e enfermeiros aposentados para ajudar na luta contra o vírus e pediu mais cuidado aos nigerianos no cotidiano.

“Eu convoco todos os nigerianos a adotarem o isolamento em casa e a distância social de maneira séria com o objetivo de prevenir o espalhamento da doença por nosso país. A distância social reduz os riscos de alguém infectado transmitir a doença. Assegure-se de manter uma distância de 5 pés [aproximadamente 2 metros] entre você e alguém que está tossindo ou espirrando”, disse.

Pessoas que chegaram de viagem de países com altos índices de Covid-19 ou que tiveram contato com alguém doente pelo coronavírus nas últimas duas semanas são orientadas a ficar em casa por, pelo menos, quinze dias.

Meet Ehinare também disse que o governo poderá tornar público o nome das pessoas que voltaram de outros países com muitos casos de coronavírus e se recusarem a ficar de quarentena. Ele teme que a Nigéria possa ser a próxima China ou Itália, epicentros da doença no mundo.

O país enfrenta uma limitação de infra-estrutura para combater a crise. Existem apenas 500 equipamentos de auxílio de respiração para pessoas infectadas nos 36 estados e na capital federal do país. O Covid-19 causa estresse na região do pulmão e pode ter efeitos sobre a pessoa portadora do vírus próximos ao de uma pneumonia.

Mais medidas

O governo federal suspendeu a reunião semanal do Conselho Executivo Federal (CEF) e o diálogo do Conselho de Estado, instâncias de discussão econômica e política do país, para evitar a contaminação entre os dirigentes do governo.

Outras medidas anunciadas pelo governo federal são a proibição de atividades com mais de 50 pessoas, fechamento de escolas e instituições de ensino, aquisição de equipamentos de proteção para as categorias que trabalham na linha de frente para enfrentar o vírus, aumento da capacidade de detecção da doença por meio da compra de kits para testes, entre outras.

“A estratégia do governo é focada no teste, detecção e contaminação através do rastreamento da contaminação para minimizar de maneira intensa a possibilidade de se espalhar pelas comunidades”, afirma Boss Mustapha.

O país, marcado pelas religiosidades cristã, muçulmana, ifá, entre outras, convidou as lideranças de cada grupo para que não convoquem atividades de caráter religioso que envolvam a participação de mais de 50 pessoas.

O primeiro caso de coronavírus no país ocorreu no dia 27 de fevereiro, quando um turista italiano foi diagnosticado com a doença. Naquele momento, o governo federal rejeitou a proposta de fechar voos de países considerados de alto risco.

 O povo preto quer narrar suas histórias

Vivemos em um mundo de disputa. Nossa sociedade tem profundas marcas das desigualdades que foram desenhadas ao longo da história. Na atualidade parece que há espaço para debate, a tão falada representatividade está sobre a mesa.
Mas o povo preto quer mais. Queremos narrar nossas próprias histórias. Queremos ter direito de fala não somente quando essa é concedida. Somos múltiplos, somos muitos e plurais. A ótica de ser preto no Brasil se revela como um espectro, tamanha a diversidade dos povos ancestrais que nos originaram, e a variedade de experiências que podemos ter e ser. Pertencer. O que nos conecta é pele.

Apoie o Alma Preta e nos ajude a continuar contando todas essas histórias.

Vamos fazer jornalismo na raça!

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com