fbpx
 

Em estado de emergência, Moçambique lida com o primeiro caso de Covid-19 fora da capital, Maputo

Texto / Solon Neto | Edição / Simone Freire | Imagem / Governo de Moçambique

Segundo o mais recente levantamento do Centro para o Controle de Prevenção de Doenças da União Africana (CDC), Moçambique tem agora 10 casos confirmados da Covid-19 e nenhuma morte.

O 10º caso moçambicano foi confirmado pelo ministro da Saúde de Moçambique, Armindo Tiago, na quinta-feira (2) como sendo da Província de Cabo Delgado.

O infectado, já em isolamento domiciliar, é um homem de 61 anos que, segundo o jornal local A Verdade, trabalhava em um projeto da petrolífera Total.

Esse foi o primeiro caso de infecção local fora da cidade de Maputo, capital e maior centro urbano do país. O primeiro caso da doença em Moçambique surgiu há 12 dias. Desde então, 302 testes foram realizados pelo Instituto Nacional de Saúde.

Outra preocupação do governo local é com a entrada de pessoas que estavam no exterior, cidadãos moçambicanos ou estrangeiros. Atualmente o governo impõe quarentena obrigatória a todos os cidadãos que entrem no país ou que tenham contato com pessoas infectadas.

Segundo a mídia local, porém, isso não está sendo cumprido e milhares de pessoas estão entrando no país sem passar por quarentena ou testes, inclusive vindos da África do Sul.

Moçambique divide fronteira com a África do Sul, o país com mais casos da doença no continente, com 1.462 casos e cinco mortes. Tanzânia, ao norte, e Zâmbia, à oeste, também já somam dezenas de casos.

Estado de Emergência

Na terça-feira (31), a Assembleia da República de Moçambique, o parlamento moçambicano, ratificou o estado de emergência declarado pelo Executivo. A votação na Assembleia foi unânime.

As aulas no país também foram suspensas em todos os níveis de ensino. O governo também promete apoio financeiro aos empresários do país.

"Nós decidimos fechar estabelecimentos de entretenimento, monitorar os preços de produtos essenciais para a população e redirecionar o setor industrial em direção à produção de materiais necessários para o combate à pandemia", disse o presidente de Moçambique, Filipe Nyusi, em pronunciamento na televisão moçambicana na segunda-feira (30).

O decreto passou a valer na quarta-feira (1º). Essa é a primeira vez que Moçambique tem o estado de emergência decretado.

Os deputados, porém, pediram ao Ministério da Justiça, Assuntos Constitucionais e Religiosos, que retificasse os termos do decreto, entendendo que havia violações dos direitos dos cidadãos moçambicanos e concessão de poderes excessivos ao Executivo.

Para os deputados, é necessário que o texto deixe claro que a limitação da circulação das pessoas no país só será imposta caso haja aumento exponencial dos casos da Covid-19.

Além disso, durante a sessão de ratificação do texto, foi apontado que o decreto violava também o direito à reunião e religião, o que afronta a Constituição.

Outra preocupação levantada por partidos de oposição foi o uso do decreto para utilização de verbas públicas sem aprovação da Assembleia da República. Houve também preocupações com o fechamento de pequenos comércios.

Em parte, a preocupação dos parlamentares se dá pela situação de conflito militar na província moçambicana de Cabo Delgado, onde avança o grupo insurgente apelidado de Al Shabaab por locais, tendo tomado as vilas de Mocímboa e Quissanga. Apesar do nome, o grupo não tem ligações com o grupo terrorista homônimo da Somália, segundo o jornal local A Verdade.

Países africanos de Língua Portuguesa

Entre os países africanos de língua portuguesa, Moçambique é o segundo país com mais casos da Covid-19. A Guiné-Equatorial é o mais afetado, com 15 casos confirmados e uma morte. Guiné-Bissau vem em seguida, com nove casos. Angola tem oito casos e duas mortes, já Cabo Verde tem seis casos e uma morte.

Apenas São Tomé e Príncipe não registrou nenhum caso da doença. Há apenas outros quatro países africanos nessa situação.

Ao todo, o continente africano soma 7.123 casos da Covid-19 e 289 mortes, tendo ainda 592 casos de pessoas que se recuperaram da doença.

Moçambique

Moçambique é uma ex-colônia portuguesa com uma população estimada em torno de 30 milhões de pessoas. O país fica localizado a sudeste no continente africano e é banhado pelo oceano Índico.

A independência do país veio apenas em 1975. Desde então, Moçambique é comandado pela Frente de Libertação de Moçambique (FRELIMO), de inspiração socialista, que tem como um de seus maiores nomes o líder revolucionário Samora Machel.

O partido rivaliza com a Resistência Nacional Moçambicana (RENAMO), com o qual lutou uma guerra civil entre 1976 e 1992.

Após a assinatura de um acordo de paz em 1992, foram realizadas eleições presidenciais em 1994. Desde então, a FRELIMO venceu todas as disputas. Atualmente o país é presidido por Filipe Nyusi, eleito em 2015.

 O povo preto quer narrar suas histórias

Vivemos em um mundo de disputa. Nossa sociedade tem profundas marcas das desigualdades que foram desenhadas ao longo da história. Na atualidade parece que há espaço para debate, a tão falada representatividade está sobre a mesa.
Mas o povo preto quer mais. Queremos narrar nossas próprias histórias. Queremos ter direito de fala não somente quando essa é concedida. Somos múltiplos, somos muitos e plurais. A ótica de ser preto no Brasil se revela como um espectro, tamanha a diversidade dos povos ancestrais que nos originaram, e a variedade de experiências que podemos ter e ser. Pertencer. O que nos conecta é pele.

Apoie o Alma Preta e nos ajude a continuar contando todas essas histórias.

Vamos fazer jornalismo na raça!

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com