fbpx

Único treinador negro do mundial, Aliou Cissé também é o técnico mais jovem e o pior remunerado entre os participantes do torneio. Cissé pode fazer história ao levar Senegal para a segunda fase da Copa do Mundo

Texto / Pedro Borges
Imagem / Fifa

No dia 24 de Junho, domingo, a seleção senegalesa empatou com a equipe do Japão, e os dois se mantiveram na primeira posição do grupo H. O time africano chegará na última partida da fase inicial do torneio, contra a Colômbia, na quinta-feira, dia 28 de Junho, com chances de chegar à segunda etapa do torneio.

Na Copa do Mundo da Rússia, Senegal é o país africano com mais chances de se classificar para as oitavas de final da competição. A Nigéria, apesar de ainda ter condições de avançar no campeonato, tem jogo difícil contra a Argentina no dia 26 de Junho, terça-feira, às 15h. Se as águias verdes empatarem ou vencerem a equipe sula-americana, passam de fase. Se perderem para a equipe de Messi, Dí Maria e companhia estão fora do torneio.

A situação mais favorável para os Leões de Terenga, como são chamados os senegaleses, é fruto da vitória, na primeira rodada, contra a Polônia do craque Levandoswki, apontada como favorita na partida.

Para além da equipe de Senegal ter ótimos jogadores como Sadio Mané, atacante do Liverpool-ING, um dos pontos cruciais para a estreia vitoriosa foi o consistente posicionamento tático da equipe comandada por Aliou Cissé.

Cissé, mesmo fora de campo, é um dos nomes que mais chamam atenção da delegação de Senegal. Mais do que um ótimo trabalho, Aliou Cissé é o único treinador negro do mundial, e o profissional com pior remuneração anual entre os comandantes das equipes do torneio.

Senegal capa

Seleção senegalesa (Foto: Fifa)

O técnico da Alemanha, Joachim Low, tem um salário anual de R$ 15,9 milhões, enquanto Cissé recebe por ano R$ 836,8 mil. Nabil Maaloul, treinador da Tunísia e único árabe, também está entre os com pior remuneração, ao lado do técnico da Costa Rica, Óscar Ramírez, com R$ 1,4 milhão por ano.

– É verdade, sou o único negro, mas este é um longo debate e não tem a ver com futebol. O futebol é um esporte universal, a cor da pele não deveria ser algo relevante. Mas sim, é importante ter um técnico negro - comentou o treinador de Senegal.

Aliou Cissé é também um ídolo nacional, por ter sido o capitão da equipe na histórica campanha de Senegal na Copa de 2002, quando os estreantes no torneio venceram logo na abertura da competição a então campeã França, e depois desbancaram equipes como Uruguai e Suécia.

Os Leões de Teranga alcançaram as quartas de final, posto mais distante que uma seleção africana já chegou, quando sucumbiram para a Turquia. Esse fato só se repetiu em 1990, com Camarões, e em 2010, com Gana.

Foi o treinador também quem comandou o retorno de Senegal para a Copa do Mundo, 16 anos depois da marcante campanha de 2002.

Quem é Aliou Cissé?

Cissé nasceu em 24 de Março de 1976, na cidade de Ziguinchor, e tem 42 anos de idade, o que o torna o treinador mais jovem da competição. O técnico mais novo a representar uma equipe em torneio mundial foi Juan Jose Tramutola, que tinha 27 anos e 267 dias quando estreou na Copa de 1930, no Uruguai, à frente da Argentina.

Cissé atuou enquanto jogador no futebol francês, em equipes como o PSG, e inglês, com destaque para a participação em clubes como Birmingham City, Crystal Palace e Portsmouth.

Como jogador da seleção senegalesa, participou da Copa do Mundo de 2002, na Coréia e no Japão, e atuou em duas edições da Copa Africana de Nações. Cissé foi o capitão daquela que é definida como a melhor geração senegalesa de todos os tempos.

Cissé era o camisa 6 e o responsável por fazer a segurança do meio campo e da entrada da área da equipe de Senegal. Era um dos homens de confiança do técnico do time na época, Bruno Metsu.

Nas eliminatórias para a Copa do Mundo da Alemanha, em 2006, um empate com a seleção do Togo tirou os Leões de Teranga do torneio, o que também marcou a aposentaria de Cissé enquanto jogador da seleção nacional.

Como treinador, Aliou Cissé começou em 2013, à frente da equipe sub-23 de Senegal.

A saída do treinador da equipe principal, Alain Giresse, em 2015, abriu espaço para a Aliou Cissé ser promovido para a equipe principal, com uma estreia em 2017 na Copa Africana de Nações, que aconteceu no Gabão.

Quando assumiu o cargo, levou consigo para a comissão técnica seus ex-companheiros do time de 2002, como Omar Daf, Tony Sylva e Lamine Diatta.
A presença de ídolos nacionais na comissão técnica é uma inspiração para os atuais atletas, como declarou Sadio Mané ao site da Fifa.

“Ter ao nosso lado grandes nomes do futebol senegalês é a nossa chance. Eles estão nos guiando e passando sua experiência. Nós pegamos a tocha e estamos escrevendo nossa história”.

A vitória sobre a seleção francesa em 2002 foi marcada pela comemoração dos jogadores africanos em volta da bandeira de escanteio, quando todos arremessaram suas camisetas e dançaram no em torno delas. Momento mais recordado, inclusive, do que o próprio gol de Papa Dioup, autor do tento que garantiu a vitória aos africanos.

O triunfo sobre os poloneses também foi marcada por uma dança, ao final da partida, pelos jogadores de Senegal, coincidência que pode alimentar o sonho de uma boa performance dos Leões de Teranga neste torneio.

O otimismo de Aliou Cissé é grande a ponto do treinador afirmar que o futebol africano tem se desenvolvido, e que o mundo presenciará sim, no futuro, uma equipe africana como vencedora do torneio.

"Tenho certeza que um time africano vai vencer a Copa do Mundo. Vinte anos atrás, seleções africanas vinham só para completar a Copa, fazer parte. Já mostramos que podemos fazer muito mais. Temos muitas dificuldades em nossos países, mas não temos nenhum tipo de complexo. E precisamos de técnicos africanos para isso", disse.

 O povo preto quer narrar suas histórias

Vivemos em um mundo de disputa. Nossa sociedade tem profundas marcas das desigualdades que foram desenhadas ao longo da história. Na atualidade parece que há espaço para debate, a tão falada representatividade está sobre a mesa.
Mas o povo preto quer mais. Queremos narrar nossas próprias histórias. Queremos ter direito de fala não somente quando essa é concedida. Somos múltiplos, somos muitos e plurais. A ótica de ser preto no Brasil se revela como um espectro, tamanha a diversidade dos povos ancestrais que nos originaram, e a variedade de experiências que podemos ter e ser. Pertencer. O que nos conecta é pele.

Apoie o Alma Preta e nos ajude a continuar contando todas essas histórias.

Vamos fazer jornalismo na raça!

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com