Essa é a segunda participação de Senegal na Copa do Mundo. Na primeira, em 2002, o país desbancou logo no jogo de estreia os campeões da edição anterior, a França

Texto / Lívia Martins
Imagem / Fifa.com

Desembarcamos na costa africana, em Senegal, umas das seleções mais tradicionais do continente.

O país tropical, assim como boa parte das nações do continente, foi colônia de um país europeu no século XIX. A independência do país só foi alcançada em 1960, durante o período em que diversos Estado-nação africanos conseguiram libertação das políticas imperialistas europeias.

A população desse país não cansa de ser teranga, termo proveniente da língua wolof, uma das mais faladas no país. A palavra tem o significado de hospitalidade e acolhimento, sentimento emanado por mais de 13 milhões de pessoas que formam mais uma joia do continente.

Recomenda-se, para quem chega nas terras senegalesas, uma visita ao Lago Rosa e experimente o fabuloso arroz cozido no molho de legumes e servido com peixe,o tiéboudienne.

A capital ficou conhecida mundialmente no ambiente esportivo pois era linha de chegada do famoso Rally Dakar, que aconteceu na região entre 1979 e 2007. O país no âmbito esportivo, porém, tem muito mais que isso.

Com vocês, os leões de teranga

O país está com o passaporte carimbado para o mundial na Rússia e essa é apenas a segunda vez em sua história que o fato acontece. Senegal foi a primeira vez para a Copa do Mundo em 2002.

Naquele ano, com futebol ofensivo e muito bem organizado, os senegaleses mostraram para o mundo que não foram para o continente asiático à toa.

O destino colocou colônia e ex-colônia frente a frente e com o bom e velho sangue guerreiro correndo nas veias, Senegal venceu o time da poderosa França na primeira rodada com gol de Papa Bouba Diop.

Após bater Trezeguet, Henry e companhia, os senegaleses ganharam da Suécia nas oitavas de final e terminaram a sua participação com um indigesto gol turco nas quartas de final.

Depois de anos, o continente africano voltava a ter uma seleção entre as oito melhores do mundo e os onze guerreiros comandados pelo francês Bruno Metsu foram recebidos no aeroporto com festa por milhares de pessoas que demonstravam a felicidade em ter aquela geração.

Os craques da seleção eram o ex-volante e capitão Alou Cissé e o atacante El Hadji Diouof.

Sadio Mané, do Liverpool (Inglaterra), é uma das principais esperanças dos Leões de Teranga na Copa do Mundo da Rússia (Imagem: Federação Senegalesa de Futebol)

Nova página, segundo carimbo

Em um novo, mas mostrando o mesmo espírito de liderança, Cissé é o técnico do time no mundial da Rússia. O comandante conseguiu levar Senegal para a Copa do Mundo mostrando na eliminatórias africanas consistência em uma campanha invicta com quatro vitórias e dois empates.

O torneio classificatório inclusive foi marcado por anulação de partida. A FIFA analisou lances do duelo entre África do Sul e Senegal e baniu o árbitro por manipulação de resultado. A entidade invalidou a vitória de 2 a 1 dos senegaleses naquela ocasião.

O jogo foi remarcado para novembro de 2017 e Senegal venceu novamente os sul-africanos com gols de Diafra Sakho (Rennes - França) e um gol contra depois do chute do craque Sadio Mané, atleta do (Liverpool - Inglaterra).

Os novos donos da força e da juba

A seleção que defenderá as cores de Senegal foi convocada no começo do mês de maio deste ano. Já prospectando o que pretende impor no mundial, Cissé divulgou lista com 23 jogadores.

Os destaques do time são Sadio Mané, jogador que recentemente disputou a final da Liga dos Campeões, o zagueiro Kalidou Koulibaly (Napoli - Itália), o atacante espanhol naturalizado Keita Baldé (Monaco - França) e Sakho.

Senegal está no grupo H e estreia em 19 de junho contra a Polônia. Os outros dois times da chave são Japão e Colômbia. Àṣẹ, irmãos!

Convocados:

Goleiros:
Abdoulaye Diallo (Rennes - França), Alfred Gomis (SPAL - Itália) e Khadim N’ Diaye (Horoya - Guiné).

Defensores:
Lamine Gassama (Alanyaspor - Turquia), Saliou Ciss (Valenciennes - França), Kalidou Koulibaly (Napoli - Itália), Kara Mbodji (Anderlecht - Bélgica), Youssouf Sabaly (Bordeaux - França), Salif Sané (Hannover - Alemanha) e Moussa Wagué (Eupen - Bélgica).

Meio-campistas:
Idrissa Gueye (Everton - Inglaterra), Cheikhou Kouyaté (West Ham - Inglaterra), Alfred Ndiaye (Wolverhampton - Inglaterra), Badou N’Diaye (Stoke City - Inglaterra) e Cheikh N’Doye (Birmingham - Inglaterra).

Atacantes:
Ismaïla Sarr (Rennes - França), Keita Baldé (Monaco - França), Mame Biram Diouf (Stoke City - Inglaterra), Moussa Konaté (Amiens - França), Sadio Mané (Liverpool - Inglaterra), M’Baye Niang (Torino - Itália), Diafra Sakho (Rennes - França) e Moussa Sow (Bursaspor - Turquia).

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Onde Estamos

Endereços e Contatos
Rua Tonelero 201, ap 102. CEP: 05056-000
Vila Ipojuca, São Paulo
contato(@)almapreta.com

Mais Lidos