fbpx

Segundo o professor de robótica e ex-vice-premiê do Zimbábue, Arthur Mutambara, o continente africano precisa se tornar um país e deixar a ideia de integração gradual da União Africana de lado.

Texto / Da Redação
Imagem / Reprodução

As declarações de Mutambara acerca do tema foram dadas durante uma palestra proferida na Universidade de Oxford, no Reino Unido. Durante sua fala ele fez críticas à União Africana, afirmando que organização não é o suficiente para o que acredita ser a necessidade do continente: tornar-se um país.

"De início, nós precisamos de um Estados Unidos da África - um país - e não uma união de países soberanos. Nós precisamos abolir a soberania nacional e abraçar a soberania continental", afirmou o professor durante palestra no dia 24 de janeiro, conforme citação do site IOL, da África do Sul.

O professor acrescentou que entende que os africanos devem abraçar uma "soberania pan-africana". Citando números, ele salientou que essa seria uma forma de alavancar a população de 1,2 bilhão de pessoas do continente, seus recursos naturais "massivos", assim como o que descreveu como potencial PIB de US$ 2,3 trilhões.

Líderes da União Africana reunidos na sede da organização, em Adis Abeba, na Etiópia - ( Foto: Reprodução)

Mutambara citou como exemplo países como a China, a Índia e os Estados Unidos como modelos de governos centrais sobre grandes populações e territórios.

Ele ainda afirmou que não se pode esperar, no entanto, que os líderes africanos queiram o mesmo, ainda que em alguns casos exerçam o poder sobre populações "famintas". Citando os presidentes das duas maiores economias do continente, Ciryl Ramaphosa, da África do Sul, e Paul Kagame, da Nigéria, afirmou que a União Africana apenas nutre "ambições ilusórias" dos líderes africanos.

"Eles [líderes africanos] têm orçamentos nacionais, visões, estratégias, políticas, eleições, mandatos, manifestos e planos de implementação. Programas da UA como a Agenda 2063 não são referenciados nem se refletem nas ambições nacionais, planos e programas. A estrutura organizacional central é o Estado africano individual e não o continente africano", apontou o político.

Julius Nyerere (à esq.) e Kwame Nkrumah (à dir.) - (Foto: Reprodução)

Mutambara ainda remeteu ao debate de formação da União Africana, que hoje reúne todos os 55 Estados africanos. Segundo ele, à época, 1963, o líderes africanos, Kwame Nkrumah, de Gana, e Julius Nyerere, da Tanzânia, discutiram se a organização deveria criar um país ou consolidar os Estados africanos primeiro e gradualmente integrá-los depois. Para ele, Nkrumah, proponente da criação de um país único, estava certo.

O ex-vice-premiê disse que os 56 anos de União Africana através da doutrina de integração gradual falharam na criação dos "Estados Unidos da África". O professor Mutambara reconheceu que a possibilidade de criação de tal Estado é difícil de ser realizada, ou até impossível. Porém, citando Nelson Mandela, afirmou: "É sempre impossível até que seja feito".

 O povo preto quer narrar suas histórias

Vivemos em um mundo de disputa. Nossa sociedade tem profundas marcas das desigualdades que foram desenhadas ao longo da história. Na atualidade parece que há espaço para debate, a tão falada representatividade está sobre a mesa.
Mas o povo preto quer mais. Queremos narrar nossas próprias histórias. Queremos ter direito de fala não somente quando essa é concedida. Somos múltiplos, somos muitos e plurais. A ótica de ser preto no Brasil se revela como um espectro, tamanha a diversidade dos povos ancestrais que nos originaram, e a variedade de experiências que podemos ter e ser. Pertencer. O que nos conecta é pele.

Apoie o Alma Preta e nos ajude a continuar contando todas essas histórias.

Vamos fazer jornalismo na raça!

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com