A ideologia acredita na união dos povos de todos os países do continente africano na luta contra o preconceito racial e os problemas sociais

Texto / Lucas Veloso I Edição / Pedro Borges

No próximo domingo, 7, acontece o 2º seminário Mulheres e o Pan-africanismo, em Itaquera, zona leste de São Paulo. A atividade começa a partir das 13h. A mesa será composta por Deisi Souza, do Kilombo Favela Rua, Cledja Silva, Lucimara Barbosa e Yaya Thaina, da União dos Coletivos Pan-Africanistas (UCPA), além de outras lideranças envolvidas na pauta.

O pensamento pan-africanista surgiu de um sentimento de solidariedade e consciência da origem comum entre os negros do Caribe e dos Estados Unidos. Todos estavam envolvidos numa luta semelhante contra a violenta segregação racial. O jamaicano Marcus Garvey é indicado como o principal responsável pela perspectiva pan-africanista.

Essa solidariedade marcou a segunda metade do século 19 e propôs a união de todos os povos da África como forma de potencializar a voz do continente no contexto internacional.

Serviço:


Rua Colonial das Missões, 204 - Itaquera
Perto da estação de trem Dom Bosco, linha coral da CPTM

bannerhorizontal

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com

Mais Lidos

Cron Job Iniciado