fbpx
 

Mostra gratuita reúne 50 obras dos artistas Adriano Bizonho, Harry Borges, Jhenivan Aguila, Ricardo Negro, Thais Xavier e William Mangraffi

Texto / Nataly Simões | Edição / Pedro Borges | Imagem / Divulgação

Na quarta-feira, 20 de novembro, data em que é celebrado o Dia da Consciência Negra, haverá a estreia da exposição “Linhas que Conectam”, na região do Grajaú, na Zona Sul de São Paulo.

A mostra gratuita traz 50 obras dos artistas Adriano Bizonho, Harry Borges, Jhenivan Aguila, Ricardo Negro, Thais Xavier e William Mangraffi. Os trabalhos estarão divididos em quatro categorias: pintura em tela, desenho - pintura em aquarela, esculturas e posters.

“A imagem que dá origem à exposição é a de uma criança soltando pipa. A linha é um fio condutor de felicidade e alegria que conecta pessoas e lugares”, destaca Ricardo Negro.

Essa é a primeira exposição da Galeria Nega. O lugar escolhido foi a sede do Cedeca (Centro de Defesa da Criança e do Adolescente) de Interlagos, localizado na região do Grajaú, a fim de provocar a discussão sobre o fluxo da produção e o consumo de arte na maior cidade do país.

O Cedeca é um espaço que se tornou referência nas periferias da Zona Sul por receber espetáculos, exposições e demais eventos voltados à cultura periférica.

“Queremos fomentar o trânsito inverso para que moradores do centro e de outras regiões conheçam uma exposição de excelente qualidade na quebrada. E também tornar a arte acessível para as pessoas da nossa região”, explica Ricardo Negro.

Os visitantes também poderão comprar posters das obras de Ricardo Negro, assinadas e emolduradas.

Os artistas

Adriano Bizonho: Grafiteiro há mais de 15 anos e morador do Cocaia, no Grajaú, seus trabalhos artísticos são murais em graffiti e algumas pesquisas em pintura em tela. Como característica, suas obras têm bonecos e personagens diversos em tons de azul. Atualmente, é educador na Fundação Casa e integrante do coletivo Salve Selva.

Harry Borges: O artista plástico e grafiteiro é uma referência para muitos jovens da região do Grajaú. Formado em artes plásticas, foi um dos fundadores do ateliê Daki e do coletivo Salve Selva. Atualmente é educador e desenvolve sua pesquisa com pintura em ateliê e graffiti.

Jhenivan Aguila: Escultor, pintor e artista visual de formação, pesquisa sobre espiritualidade e arte. Atualmente, se dedica a projetos diferenciados dentro do Ateliê Aguila e, em suas obras, retrata “mirações” e “visões” , por conta de sua experiência com a medicina ayahuasca.

Ricardo Negro: Formado em artes visuais, desenvolve estudos sobre as periferias do
país. Já participou de diferentes projetos e exposições, como “Retratos do Brasil” com as Havaianas e “A Arte que Transforma” com AES Eletropaulo. Se dedica à pesquisa com pintura e com a gestão da galeria Nega.

Thais Xavier: Iniciou sua pesquisa com graffiti e tatuagem e, posteriormente, migrou para pintura em tela. Realiza uma pesquisa em arte e espiritualidade e desenvolve projetos no Ateliê Aguila, localizado no Cocaia, bairro do distrito do Grajaú.

William Mangraffi: Grafiteiro e artista plástico de formação, foi um dos fundadores do Ateliê Daki e do coletivo Salve Selva. Se dedica à arte-educação, pesquisa com pintura e ao graffiti sobre a cultura negra.

Serviço:

Exposição “Linhas que Conectam”

Data de abertura: 20 de novembro, quarta-feira, das 19h às 22h

Visitas agendadas de 21 de novembro a 2 de dezembro

Local: Cedeca Interlagos | Rua Nossa Senhora do Nazaré, 51, Cidade Dutra, São Paulo - SP

Acesso por ônibus: Linhas - Terminal Grajaú, Terminal Varginha, Jardim São Bernardo, Jardim Gaivotas, Cantinho do Céu ou qualquer outra que passe pelo bairro cidade Dutra, em frente ao supermercado Sonda.

Acesso por metrô: Descer na estação Grajaú da linha 9 da CPTM, pegar a linha de ônibus Brás e descer na cidade Dutra, no ponto do supermercado Sonda.

Para mais informações, entre em contato com o artista e organizador Ricardo Negro por meio do telefone 1199755-1757.

 O povo preto quer narrar suas histórias

Vivemos em um mundo de disputa. Nossa sociedade tem profundas marcas das desigualdades que foram desenhadas ao longo da história. Na atualidade parece que há espaço para debate, a tão falada representatividade está sobre a mesa.
Mas o povo preto quer mais. Queremos narrar nossas próprias histórias. Queremos ter direito de fala não somente quando essa é concedida. Somos múltiplos, somos muitos e plurais. A ótica de ser preto no Brasil se revela como um espectro, tamanha a diversidade dos povos ancestrais que nos originaram, e a variedade de experiências que podemos ter e ser. Pertencer. O que nos conecta é pele.

Apoie o Alma Preta e nos ajude a continuar contando todas essas histórias.

Vamos fazer jornalismo na raça!

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com