Mostra apresenta em São Paulo artistas negros de coletivo musical mineiro para apresentações em São Paulo. Todos os shows são gratuitos e acontecem na Aparelha Luzia, espaço voltado para a cultura negra na cidade.

Texto e Imagem / Divulgação

Cara gente branca, nos dias 15, 16 e 17 de junho o coletivo mineiro IMuNe - Instante da Música Negra chega a São Paulo para apresentar uma série de lançamentos de trabalhos autorais. A Mostra IMuNe, que rola no Aparelha Luzia, traz os espetáculos de seis artistas negros que fazem parte do coletivo: Bia Nogueira, Guilherme Ventura, Rodrigo Jerônimo, Raphael Sales, Rodrigo Negão e Maíra Baldaia. Uma noite com muita música boa, engajada e de resistência.

Apesar dos ritmos afro-brasileiros serem bastante difundidos por todo território nacional, os artistas negros ainda são muitas vezes preteridos em relação aos artistas brancos tocando o mesmo estilo musical. É então que faz-se necessária a existência de um coletivo que valorize artistas negros, e com esse intuito nasce o IMuNe em Belo Horizonte.

Faixa para textos BAP

Pela primeira vez em São Paulo, a Mostra IMuNe sempre dá voz a quem quer ser ouvido. Não à toa, a edição rola no local que vem se firmando como um centro cultural de resistência, ou “uma associação preta política artística gentista destruidora das razões dominantes”, como define Erica Malunguino, responsável pelo local, em entrevista para o Blog do Arcanjo. Além dos músicos mineiros, também sobem ao palco as cantoras Luedji Luna, Anna Trea e Nina Oliveira, que abrirão cada uma das três noites de Mostra.

Que bloco é esse?

Dia 15

Esquentando a noite do feriado de Corpus Christi e abrindo os trabalhos da Mostra IMuNe, sobem ao palco os músicos do coletivo Guilherme Ventura e Rodrigo Negão, o show de abertura fica por conta da cantora Luedji Luna.

Luedji não poderia ser melhor pessoa para inaugurar esse evento tão importante. Engajada, a cantora é cofundadora da Mostra Palavra Preta, mostra que reúne compositoras e poetas pretas de todo o Brasil e acontece na Bahia. 

O compositor e multi-instrumentista Guilherme Ventura apresenta o pré-lançamento de seu disco “Dois Lados”, seu primeiro trabalho autoral que dialoga com o experimentalismo, o rock, o regional e o pop. O disco é a síntese da essência da busca do artista pelo equilíbrio das ideias, trazendo uma divisão nítida em diversos aspectos.

Já Rodrigo Negão traz também o pré-lançamento de seu primeiro disco Registro Experimental, no qual a linguagem do Rap é predominante apesar de transitar também pela canção amparada em ritmos afro-brasileiros. Rodrigo sabe como poucos como ser vários em um só: além de cantor, integrou o elenco das peças teatrais “Alegria e Poesia”, “Madame Satã” e “Zumbi”.

Dia 16

A paulistana Anna Tréa dá um toque especial no segundo dia de Mostra IMuNe. Apresentando seu primeiro disco Clareia, Anna traz letras intensas e poéticas, evidenciando sua expressiva habilidade com improvisações na guitarra, violão, percussão e voz, de maneira minimalista, swingada e pulsante.

Representando o coletivo mineiro, o violonista Raphael Salles mostra toda sua personalidade também com o pré-lançamento do disco Fundamental, no palco do Aparelha Luzia Seu trabalho destaca-se pela composição de diversos gêneros musicais, pela união de ritmos variados que são verdadeiros fios condutores de canções que fundem críticas sociais com reflexões de diversas ordens. Suas canções exploram tanto as polirritmias da música afro-brasileira quanto as harmonias da música mineira.
Fechando a noite, Rodrigo Jerônimo apresenta pela primeira vez em São Paulo seu disco Fio Desencapado, que une elementos da capoeira, forró e mpb, criando ambientes que ora dialogam com o sertão brasileiro, ora com os grandes centros urbanos. Todo suingue para quem quiser dançar juntinho nesta sexta-feira.

Dia 17

Todo mundo espera alguma coisa de um sábado à noite, já diria Lulu Santos no hit que embalou os anos 1999 e nos embala até hoje. O encerramento da Mostra IMuNe não poderia ser diferente: no sábado, o protagonismo é das mulheres! Sobem ao palco a cantora Nina Oliveira, a idealizadora do coletivo IMuNe Bia Nogueira, e a cantora, compositora e atriz Maíra Baldaia.

Abrindo a noite das mulheres, Nina Oliveira toca suas canções autorais que não apenas belas, mas também têm um posicionamento político denso, mostrando suas doces melodias e uma profunda reflexão sobre questões existenciais, sociais e de gênero. Absolutamente relevante e necessário para o nosso tempo.

Representando com maestria o coletivo que idealizou, Bia Oliveira sobe ao palco do Z Carniceria para fazer o pré-lançamento do disco Diversa. O álbum inclui no repertório a canção “Dandara”, cujo videoclipe teve grande expressão na internet quando une mulheres negras empoderadas, ao mesmo tempo que constrói a reflexão sobre a mulher negra no mundo.
Acompanhada pelos músicos Débora Costa (percussão), Thiago Quintino (piano) e Bruno de Oliveira (baixo), Bia Nogueira nos apresenta um show eclético que transita por influências que vão da música tradicional afro-brasileira à música eletrônica. Além de criadora do coletivo, Bia também é uma das produtoras do festival Sonora - Ciclo Internacional de Compositoras e integra o Coletivo Mulheres Criando que produz uma Mostra permanente de mulheres compositoras.

Fechando a primeira Mostra IMuNe em São Paulo, Maíra Baldaia traz pela primeira vez à capital seu trabalho repleto de influências da afro-mineiridade e da cultura brasileira do disco autoral “Poente e outras paisagens”, no qual destaca a enunciação da mulher negra e leva poesia e teatralidade para o palco. Com uma sonoridade que mescla a MPB e os batuques acelerados do tambor, Maíra segue sem estar engessada em um gênero apenas e brinca com o blues, o jazz e a bossa nova com um estilo singular, leve e marcante.

Se música liberta, não existe forma melhor e mais completa de expressar sentimentos de amor, de raiva, de resistência, de luta ou de força, que não seja através da arte. É na música que todos os artistas que se apresentam na Mostra IMuNe encontram o caminho perfeito para combater, lutar e resistir!

Sobre IMuNe - Instante da Música Negra

IMuNe - Instante da Música Negra é uma plataforma de criação artística que conecta presencial e virtualmente artistas negros da música, desconstruindo este histórico de invisibilização das pessoas negras e revelando sua potência que vibra desde sempre e cada vez mais. Desenvolve-se como uma plataforma de fomento, produção e divulgação da música produzida por pessoas negras.

Serviço:

Mostra IMuNe - Instante da Música Negra
Datas: 15, 16 e 17 de junho
Horário: 20h
Valor: gratuito
Local: Aparelha Luzia
Endereço: Rua Apa, 78 - Centro - São Paulo
Mais informações: https://www.facebook.com/events/114827959098032

 

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Onde Estamos

Endereços e Contatos
18-80. Jd Nasralla - Cep: 17012-140
Bauru - São Paulo
contato(@)almapreta.com

Mais Lidos