Prestes a comemorar um ano de atividades, espaço difunde a produção artística e política da comunidade negra em São Paulo. Aparelha faz parte de um histórico de locais de resistência negra.

Texto / Pedro Borges
Edição de texto / Juliana Gonçalves
Foto / Pedro Borges
Reportagem em vídeo / Juliana Gonçalves e Simone Freire
Edição do vídeo / Norma Odara
Imagens / Norma Odara e Pedro Borges

O ritual de abertura da Aparelha Luzia é o mesmo todos os dias. Erica Malunguinho apresenta a casa, as pessoas que a compõem, e enfatiza que o local não é um bar ou um restaurante. Para ela, criadora e gestora do espaço localizado no bairro da Barra Funda, o Aparelha é fruto de uma resistência histórica da comunidade negra.

“A Aparelha eu vejo como resultado e consequência de uma historicidade negra. Ela é fruto da Revolta dos Males, do Movimento Negro Unificado (MNU), do Teatro Experimental do Negro, dos Palmares, fruto de uma vasta história. Então quando as pessoas adentram esse espaço, principalmente as não negras, elas precisam saber que é disso que estamos falando”, explica.

banner textos assinaturas

Erica Malunguinho, idealizadora da Aparelha, é a síntese de toda essa resistência. Mulher, trans, negra e nordestina, a ativista sofreu inúmeros episódios de racismo, homofobia e transfobia, tanto em Recife, cidade de origem, quanto em São Paulo. "Ainda assim nunca senti medo, sempre tive substância para o afronte”, considera.

Os dois primeiros eventos recebidos pelo espaço resumem a proposta da Aparelha e são recordados de maneira muito carinhosa por Érica. A série da TV Globo “Sexo e as Negas”, que gerrealidade/aparelha-luzia-um-territorio-de-resistencia-negra-na-capital-paulistaou um grande debate sobre a hiperssexualização da mulher negra, provocou a primeira reflexão da Aparelha Luzia, a “Arte e as Negas”, atividade que marca a abertura da casa em 1 de abril de 2016. Na sequência, foi a vez de receber o encontro “Magia Negra”, para discutir o significado do termo. “Tem um poema do Sérgio Vaz que apresenta a magia negra como a beleza pura, a coisa mais fantástica, altamente curativa, fortalecedora, grandiosa. Magia negra é vida, né? É muito bom”, relembra.

Além de debates, a Aparelha recebe cursos, encontros, festas, saraus, aniversários e toda e qualquer situação que possa agregar negras e negros. "Aqui reorganizamos a nossa coletividade", conta Erica. 

Para Malunguinho, o espaço que foi inicialmente concebido como um ateliê, se tornou local de aprendizagem e fortalecimento da comunidade negra a ponto de transformar as pessoas que o frequentam. “Esse lugar me transforma, assim como toca todas as companheiras que estão aqui todos os dias como Malu Avelar, Marcia Izzo, Alessandra Souza, Juliana Santos (Lilica), Fernanda Alves e Julio Cesar Ribeiro, Valéria Alves e Julia Souto. Isso é visível. E eu vejo que as pessoas que começam a vir aqui também passam por esse processo de transformação”.

Um dos fator que explica a metamorfose dos frequentadores é a diversidade das pessoas que convivem no ambiente. Músicos, artistas, intelectuais, poetas, ativistas das mais diversas áreas, moradores do bairro, gente que vem de longe, pessoas que por meio da troca de experiências e saberes concretizam a Aparelha como espaço de resistência, onde a ancestralidade negra é valorizada e vivida.

A mudança também se estende para as pessoas não negras que visitam a Aparelha. Lugar onde a hegemonia branca não é praticada, como nos demais territórios, a atmosfera possibilita o contato com uma sociedade mais próxima da real, em que negras e negros circulam por espaços culturais e políticos. “Não é incomum as pessoas não negras pararem ali e se chocarem quando veem esse mar de magia negra, de negritude. Coisa linda”.

Aparelha1editada

Curso de formação do Kilombagem na Aparelha Luzia

A reintegração de posse na Barra Funda

Regiões centrais da cidade de São Paulo, como o Bixiga e a Barra Funda, eram áreas compostas por uma maioria de negras e negros. Os anos de políticas higienistas e de forte especulação imobiliária retiraram esse grupo desses bairros.

Em 2015, a Prefeitura de São Paulo apresentou um mapa com a divisão racial dos diferentes distritos do município. As subprefeituras da Lapa e da Sé, aquelas que cobrem parte da região central e da Barra Funda, têm pequena quantidade de negros, 15,4% e 20,5%, respectivamente, contra 37% dos paulistanos que se autodeclaram pretos ou pardos.

Apesar da menor quantidade de negros se comparado ao contingente do início do século 19, os relatos e as memórias de décadas passadas ainda persistem, afirma Erica. Ela diz ser comum receber pessoas que param em frente à Aparelha Luzia e contam suas histórias naquela região. “O Oswaldo de Camargo, escritor que acabou de completar 90 anos, falou que também morou nessa rua com o Solano Trindade. Essa rua é cheia de Axé. Esse território é cheio de Axé! A história do samba paulista tem laços profundos com a Barra Funda, com essa região”.

Samba

Considerada por muitos como o berço do samba paulistano, a região da Barra Funda recebia na década de 20 encontros de sambas de roda, roda de capoeira e serestas. O bairro, que aparece nas composições de sambistas consagrados como Geraldo Filme, foi o berço do primeiro cordão carnavalesco paulista, fundado por Dionísio Barbosa. Apesar do início do bloco datar 1914, foi somente em 4 de Setembro de 1953, que Inocêncio Tobias fundou de maneira oficial o Grêmio Recreativo Escola de Samba Mocidade Camisa Verde e Branco.

Aparelha2editada

Erica Malunguinho, idealizadora do espaço

A tradição do samba da Barra Funda foi seguida pela Aparelha Luzia neste ano. No dia 20 de Fevereiro, o bloco Ilu Inã fez a primeira saída de sua história. O cordão, que significa “Tambor de Fogo”, apresentou três músicas autorais em homenagem a Exu, orixá patrono do grupo. Durante a festa, letras das mais tradicionais escolas de samba de São Paulo e do Rio de Janeiro foram entoadas. Aparelha é a casa do Ilu Inã, que abriga os ensaios do bloco.

Por essa tradição negra ter sido apagada da história do bairro, Erica considera a localização da Aparelha algo simbólico. "É um processo de reintegração de posse", finaliza.

Toda a produção da reportagem é fruto de uma parceria entre o Alma Preta e o Brasil de Fato.

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Onde Estamos

Endereços e Contatos
18-80. Jd Nasralla - Cep: 17012-140
Bauru - São Paulo
contato(@)almapreta.com

Mais Lidos

Cron Job Iniciado