Com quatro mesas de debate e uma feira de livros, o encontro de autores irá debater a história da áfrica na educação, igualdade racial, intolerância religiosa e juventude, a partir do olhar de obras e movimentos literários das periferias de São Paulo.

Texto / Divulgação
Imagem / Rogério Suenaga

O Congresso de Escritores da Periferia de São Paulo, iniciativa criada em 2014 pelo coletivo de comunicação Desenrola E Não Me Enrola, chega a sua terceira edição abordando o tema – Literatura Negra Em Foco – com a realização de quatro mesas de debate e uma feira livros simultânea às discussões. Com uma estimativa de público de 500 pessoas e entrada gratuita, o evento acontece no dia 18 de novembro no espaço cultural da Sociedade Santos Mártires, localizada no Jardim Ângela, zona sul de São Paulo.

Há muitos temas em evidência na sociedade que impactam diretamente a periferia, a partir disso, o Congresso traz para as mesas de debate os seguintes assuntos: Juventude e os movimentos de emancipação; Pensando programas de educação popular à base da literatura negra; Desafios e oportunidades do mercado editorial para autoras negras; e A Literatura Negra como instrumento de combate ao preconceito racial e intolerância religiosa.

“Nossa proposta é reunir autores, movimentos literários, slamers, editoras independentes e educadores que utilizam a Literatura Negra como um instrumento de produção de conhecimento na periferia”, diz o jornalista Ronaldo Matos, um dos organizadores do evento. Ele argumenta que a Literatura Negra e Periférica é um movimento cultural que impacta diretamente na educação e na construção de identidade das pessoas, por isso merece toda a atenção da sociedade. “O movimento dos saraus agrega valores sociais e culturais que impactam diretamente na formação dos jovens e moradores da periferia, por isso é de extrema importância encontrar formas para fortalecer ainda mais esta cultura”, explica.

Matos conta que o Congresso surgiu após uma pesquisa cultural iniciada pelo coletivo em 2013. “O contato com os Saraus e com os autores das periferias revelaram novas possibilidade de pensar, construir e viver a periferia. Na prática, isso é um tipo de transformação social à base da troca de saberes, e é isso queremos promover no Congresso: um momento de troca e aprendizados para todos os envolvidos.”

A presença de autores como o poeta Felipe Marinho e a escritora Mariana Felix mostram a característica do evento, para interagir com a juventude presente nas batalhas de Slam espalhadas pela cidade de São Paulo. A autora Miriam Alves e a editora de livros Carmen Faustino são nomes confirmados para a mesa que vai discutir o mercado editorial e as autoras negras. Na mesa de educação, a educadora e escritora Bel Santos Mayer e a professora Marilu Cardoso são nomes confirmados para falar de suas experiências e apontar caminhos para a educação na periferia.

Com apoio da Lei de Fomento à Cultura das Periferias de São Paulo para realização do Congresso, o coletivo almeja potencializar suas ações afirmativas. “Essa política publicada foi criada por agentes culturais da periferia da cidade e o seu impacto tem sido fundamental para eventos como esse acontecer”, enfatiza Matos, ressaltando que o projeto foi criado para criar perspectivas de organização, projeção cultural e formação de público, para os coletivos literários e escritores independentes ampliarem o impacto das suas iniciativas na periferia.

Sobre o Desenrola E Não Me Enrola

O Desenrola E Não Me Enrola é um coletivo de comunicação formado por jovens comunicadores da periferia de São Paulo que atuam na região do distrito de M´Boi Mirim, zona sul da cidade. Há 4 anos, o coletivo tem atua na veiculação de informação sobre os fatos socioculturais que acontecem na periferia, abordando três temas centrais: Juventude, Educação e Cultura em suas reportagens e notícias.

Além do olhar jornalístico, o Desenrola desenvolve o Você Repórter da Periferia, um programa de formação de comunicadores populares voltado para jovens da periferia, que visa contribuir na formação de cidadãos mais conscientes e integrados com a realidade sociopolítica da cidade e do país. Aliando a teoria e a prática do Jornalismo Periférico, o projeto realiza reportagens escritas e em vídeo sobre diversas iniciativas espalhadas pelas periferias da cidade de São Paulo.

A cada reportagem realizada, construímos um relacionamento com articuladores e artistas para entender quais as suas necessidades e pontos fortes a serem destacados. Com o amadurecimento destas informações, desenvolvemos em 2013 a proposta do Congresso de Escritores da Periferia de São Paulo, um evento anual que visa destacar a literatura periférica e seus escritores.

Agenda

III Congresso de Escritores da Periferia de São Paulo – Literatura Negra Em Foco
Local: Espaço Cultura da Sociedade Santos Mártires
Endereço: Rua Luis Baldinato, 09 - Jardim Ângela - São Paulo – SP, 04935-100
Horário: 12h00 às 20h00
Informações: congresso.periferia@gmail.com / 9 87764540
Entrada Gratuita

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Onde Estamos

Endereços e Contatos
18-80. Jd Nasralla - Cep: 17012-140
Bauru - São Paulo
contato(@)almapreta.com

Mais Lidos