Akins Kintê, autor do livro "Muzimba na humildade sem maldade", fez para o Alma Preta uma lista de saraus de periferia que costuma frequentar. O primeiro livro publicado pelo poeta, em co-autoria de Elizandra Souza, foi lançado em 2007.

Texto / Akins Kintê
Edição de Imagens / Pedro Borges

As periferias de São Paulo sempre foram polos de resistência política e cultural. É das bordas das grandes cidades que surgiram manifestações culturais como o samba e o rap. É de lá também que surgiram nomes da literatura brasileira, como Carolina Maria de Jesus. Hoje, uma das manifestações culturais mais efervescentes da cidade de São Paulo são os saraus de periferia.

Para você conhecer um pouco mais sobre alguns dos saraus, o Alma Preta convidou o poeta Akins Kintê a fazer uma lista de 9 saraus que costuma frequentar. Nascido e criado na Zona Norte de São Paulo, Brasilândia, Akins Kintê é um artista ativo nos saraus periféricos de São Paulo. É idealizador do Sarau no Kintal e articulador do Encontro de Poetas de Salvador, em parceria com Zezé Olukemi.

banner textos assinaturas

“Muzimba, na humildade sem maldade” é o primeiro livro com textos exclusivos do poeta. Antes, ele já havia publicado os livros Punga, com a co-autoria de Elizandra Souza (2007) e InCorPoros- Nuances de Libido, com a co-autoria de Nina Silva (2011). Akins Kintê também organizou, em parceria do escritor Cuti, a antologia Pretumel de Chama e Gozo – Antologia da poesia erótica negro-brasileira (2015).

Cooperifa

Subindo a ladeira do Piraporinha, no extremo Sul da Zona Sul, mora a poesia, e lá às terças-feiras sempre que possível tô encostando. Semanalmente há 15 anos é mesmo de tirar o chapéu. Cooperifa todo meu respeito e carinho.

Rua Bartolomeu dos Santos, 797 - Chácara Santana. Zona Sul.

CooperifaEditada

Elo da corrente

Nois encosta também na oeste. Sintonia não apenas com os times varzeanos, Praça de Pirituba, Danúbio e Comercial, mas também com o Sarau Elo da Corrente, onde a família acolhe uma vez por mês no bar do Santista.

Bar do Santista - Rua Jurubim, 788-A. Pirituba, Zona Oeste. Toda segunda quinta-feira do mês.

Elo da CorrenteEditada

O que Dizem os Umbigos

Encostando ali na leste, pegando o trenzão pro lado do Itaim Paulista, tem o movimento cultural de muita poesia “O que Dizem os Umbigos”. Zona leste tem uma tradição de arte muito bonita, vale a pena acompanhar a família.

Kilombo Kebrada Rua Manoel Correia Penteado 68, Jd Helena. Todo terceiro Sábado do mês.

O que dizem os umbigosEditada

Sarau da Brasa

Na Zona Norte, se encontra o Sarau da Brasa. Família nossa, sabadão ao som do tambor, que convida os poetas para comungar a arte. Brasilândia é quebrada nossa e o Sarau na Brasa é a chama que aquece nossos corações todo primeiro sábado do mês.

Rua Joaquim Ferreira da Rocha, 268. Travessa da Rua Parapuã, esquina com a Rua Paulo Garcia Aquilino. Vila Brasilândia, Zona Norte.

Sarau da BrasaEditada

Sarau Suburbano

Agora às segundas, Sarau Suburbano pra começar a semana bacana na Bela Vista, quebradinha do centro, na livraria Suburbano, a única especializada em poesia periférica no Brasil. Todas segundas têm Sarau Suburbano.

Todas as terças-feiras, Livraria Suburbano Convicto, Rua 13 de Maio,70. 2º andar. Bixiga 19h30.

Sarau SuburbanoEditada

Sarau do Binho

Há um bom tempo o Sarau do Binho desenvolve cultura ali na região do Campo Limpo. Mais de 13 anos, uma família bonita que sempre cuidou da minha pessoa. Suzi pilota o bonde e junto com o Binho, orquestra a poesia. Toda segunda segunda-feira do mês no Espaço Clariô.

Rua Santa Luzia, 96. Vila Santa Luzia, Taboão da Serra.

Sarau do BinhoEditada

Sarau Sem Saída

Ali no Eliza Maria tem o novinho Sarau Sem Saída, criado pelos integrantes do time Sem Saída e pelos Rappers do grupo RDC. Mensalmente é formada uma roda de samba, onde a comunidade recebe os talentos da quebrada. Com refrão de partido alto, o sarau é sempre seguido do microfone aberto.

Mensalmente na Rua Rosa Alboni (Bar do Zé Neguinho) Eliza Maria às 17h.

Sarau Sem SaídaEditada

Sarau do Vinil

O Sarau do Vinil acontece ali na quebrada da Zona Sul, Vila Joaniza, toda terceira quinta-feira do mês. Antes do microfone, abre-se o baú de vinil, e só tem raridades. Depois de escolhida a musica, o seu disco é tocado. Só então se abre o microfone onde todos são convidados a comungar a poesia.

Av Yervant 1439 Area51bar, Vila Joaniza.

Sarau do VinilEditada

Sarau no Kintal

Sarau que acontece uma vez por mês no quintal da família do poeta Akins Kintê. Regado de muita música, a roda de poesia tem participação muito forte das crianças.

Mensalmente na Rua Antônio Ramos da Cruz 51 Brasilândia às 17h.

Sarau do KintalEditada

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Onde Estamos

Endereços e Contatos
18-80. Jd Nasralla - Cep: 17012-140
Bauru - São Paulo
contato(@)almapreta.com

Mais Lidos